Paladar

Coffee break, parte 3: a ‘original’ veio do Rio

17 agosto 2009 | 18:32 por Roberto Fonseca

Ficha Mistura Clássica Stout

Embora sua distribuição não tenha o mesmo alcance da Colorado Demoiselle em São Paulo, a cerveja aí de cima, produzida em Volta Redonda, no Estado do Rio, foi a primeira produção comercial brasileira a utilizar café em sua receita – no caso, o grão, segundo o rótulo, provém da Fazenda Olinda, na Bahia. O exemplar analisado veio direto da fábrica, graças ao amigo Felipe, que visita bastante a região.

Evidentemente, a cervejaria merece méritos pela inovação; afinal, testou a receita com café há alguns anos, quando o mercado não estava, digamos, ainda tão receptivo a novidades. Mas, do trio analisado na sequência de posts Coffee Break, a Mistura Clássica pareceu ter, no aroma e no sabor, a presença mais discreta do grão. O sabor, aliás, agrada bem mais, com boa presença de maltes torrados (embora apresente certa nota dissonante de álcool; ela é também a mais alcoólica do trio, com 7%). Resumo da ópera: uma stout interessante, mas poderia ter o café mais presente no aroma e sabor.

Ficou com água na boca?

A microcervejaria ainda produz três tipos de pilsen e uma amber ale, esta última a minha favorita no cartel. Para comemorar cinco anos de existência, a fábrica lançou ainda a coleção Cheers, com uma cerveja de trigo, uma red ale e uma dark ale. Mais adiante, escrevo sobre elas. Até!