Paladar

La Goudale: fim da ‘saga’ francesa

26 janeiro 2010 | 11:30 por Roberto Fonseca

Ficha Gayant La Goudale

Depois de um retorno de férias em setembro um tanto atribulado, me lembrei de que ainda não havia publicado nada sobre esta cerveja, cuja foto repousava, prontinha para publicação, na área de trabalho do meu micro. Trata-se da terceira (e última) experiência cervejeira de ponta em território francês – as outras foram a Saint Sylvestre Trois Monts e as Cap D’Ona. Claro que tomei outras cervejas por lá, como a Pelforth e a Affligem, mas não me chamaram a atenção.

A La Goudale é produzida por Les Brasseurs de Gayant (sem piadinhas, por favor), empresa familiar aberta em 1919 na cidade de Douai, bem próxima da fronteira francesa com a Bélgica. Atualmente, possuem em seu portifólio 11 marcas, sendo a mais conhecida a Biére du Demon, que, segundo o produtor, é a “lager dourada mais forte do mundo” (perde para a escura Samichlaus, austríaca, com 14%, e para a Samuel Adams Triple Bock, americana sazonal, também escura, que passa de 20%; mas creio que mesmo entre as claras já há mais fortes). A lista ainda inclui marcas “exóticas”, como a Tequieros, que leva tequila.

Ficou com água na boca?

Voltando à tal La Goudale, o produtor informa tratar-se de uma receita da Idade Média, e que o Goudale é uma corruptela de “Good Ale” (melhor do que ser associação com queijo Gouda, o que, em uma cerveja, deve ser bem estranho). Pessoalmente, esperava mais da cerveja, justamente pela boa impressão que tenho de biéres de garde como as Jenlains. Senti falta de aromas mais complexos, tal qual ocorreu com a Trois Monts. Acho que terei de fazer uma viagem específica à França para tirar a dúvida. Atravessando a fronteira, pretendo começar esta semana os posts sobre a viagem à Itália. Aguardem!