Paladar

Mandando a sutileza às favas

22 junho 2011 | 16:10 por Roberto Fonseca

DIRETO AO PINT

3 Fourquets Lupulus (Bélgica, 750ml)

Ficou com água na boca?

Quem produz: Brasserie 3 Fourquets

Preço estimado: de 7,5 a 10 euros (na Itália)

Tipo: Blond Ale

Teor alc.: 8,5%

Aroma: Malte, leve condimentado, lúpulo herbal, leve cítrico ao fundo

Sabor: Malte, condimentado, leve cítrico, herbal sutil, corpo médio, amargor médio a baixo, final seco e condimentado, carbonatação alta

Cor: dourado escura, translucidez baixa

Espuma: Branca, alta formação e média a alta duração

Nota 3,7 em 5

Boa cerveja, agradável e refrescante, que cobre bem o teor alcoólico que possui, mas esperava mais complexidade de aromas e, principalmente, de sabores. Nos dois casos, foram muito sutis.

Essa cerveja aí de cima cruzou o meu caminho nas férias, quando sutilmente tentava distrair (leia-se dar o notório “migué”) o dono de um bar na cidade italiana de Chiavari, em Treviso. Explico, antes que seja enquadrado por charlatanismo: viajávamos eu, minha esposa e a família dela pela região e parte do grupo queria usar o banheiro. Sem achar uma lanchonete onde pudéssemos comprar uma garrafa de água ou um sanduíche para justificar a ida à casinha sem resmungos ou cara feia do proprietário, paramos em um restaurante chamado Ramon. Com cara de poucos amigos, o dono disse que não vendia lanches ali, só refeições.

Vi, porém, que ele tinha algumas cervejas no balcão, e resolvi perguntar sobre elas enquanto os demais iam sutilmente ao banheiro. Depois de algumas perguntas, o sujeito me mostrou que tinha, na verdade, um estoque de fazer inveja a muitos bares brasileiros. E tinha preferência pela escola belga. Na sequência, perguntou se eu já tinha tomado a Lupulus, que ele havia comprado há pouco tempo do produtor e classificou oomo “buonissima”. Acabei levando uma e vi, na saída, que o local, em uma cidade pequena, ainda fazia eventos de degustação. Um cara dedicado à cerveja, pensei, e me esforcei para lembrar das dificuldades que ele devia ter para educar os bebedores quando vi que tinha pago 2,50 euros a mais do que a mesma cerveja era vendida na A Tutta Birra, em Milão.

Embora um tanto dispersa, a história da cerveja no site do produtor tem ponto curioso. Ela é descrita como uma blonde ale com 8,5%, que não é filtrada nem pasteurizada. Aberta em 2004 inicialmente para produzir chopes para o pub da marca, a 3 Fourquets lançou começou a desenvolver a linha Lupulus em 2007. O nome, explicam, deriva do fato de que o local onde fica a cervejaria, uma antiga fazenda do Século 18, já foi habitado por lobos, que teriam vindo da Eslovênia, um dos países conhecidos pelo cultivo de lúpulo. Logo, veio a lógica: lúpulo, lobos, Lupulus.

Acho que a explicação foi mais simples de captar que os elementos da cerveja. Não é ruim, mas tampouco “buonissima” como a descreveu o dono do restaurante (começo a pensar quem foi que deu uma de espertinho de fato). Aromas e sabores estão lá, sem defeitos, até com algum mérito, mas são muito sutis. A lupulagem poderia estar mais destacada e ser um tanto mais complexa, assim como o fermento poderia dar um pouco mais o ar de sua graça. No futebol, há um jargão em que se diz que, quando não é possível fazer o gol com classe, o melhor é chutar de dedão. Como nem a minha “sutileza” malandra nem a dos elementos da cerveja funcionaram, ficamos no empate. Acho…

Tags: