Paladar

Melhores de 2011, parte 32: Leo Oliveira

20 janeiro 2012 | 13:39 por Roberto Fonseca

Leo Oliveira (Foto: Arquivo pessoal)

Veja os votos de Leo Oliveira, do bar Beer Taste, no Rio de Janeiro (RJ):

Melhor lager nacional
Abadessa Export. Entra ano, sai ano e na minha humilde opinião o Schumacher continua no topo. É claro que apareceram outras ótimas cervejas, além de inúmeras promessas, as quais não conseguiram se manter fiéis dentro de suas propostas… Em suma, esta cerveja, com seu incomparável drinkability e suas discretas nuances de mel merece todo o meu respeito !

Ficou com água na boca?

Melhor ale nacional
Bodebrown Wee Heavy. Excepcional Scotch Ale, com belas notas de caramelo, toffee e ligeiro defumado. Continua sendo a minha favorita, principalmente levemente refrescada, e nunca gelada. Parabéns mais uma vez ao Samuel !

Melhor lager importada para o Brasil
Harviestoun Schiehallion. Realmente esteve fantástica durante todo esse ano. Ok, tem a Pilsner Urquell, outra excelente cerveja… Porém tivemos a oportunidade de plugar o “tap” da escocesa… Refrescante e incomparável !

Melhor ale importada para o Brasil
Brooklyn Sorachi Ace. O que esperar de uma Saison cujo lúpulo foi desenvolvido por japoneses, combinado com levedura belga, passagem por dry-hopping e refermentada com leveduras para espumante? Simplesmente fantástica!

Melhor cerveja caseira
Deixo este campo para profissionais mais qualificados. Não tenho costume de degustar cervejas caseiras, portanto acho mais do que justo não opinar…

Melhor cerveja de 2011 (aqui ou lá fora)
Bashah 2009 Highland Park and Black Raspberry Reserve. Meu grande amigo Vinicius (Proprietário do St. Brígida Irish Pub) me propiciou a oportunidade de degustar esta magnífica cerveja. Realmente fora do normal! Surgida de uma parceria entre a escocesa Brewdog e a americana Stone Brewery, este ícone, com seus humildes 8,7% alc, possui adição de framboesas negras e uma complexidade fantástica em seu aroma e paladar, passando por chocolate, notas tostadas, cítricas etc. Além, é claro, do envelhecimento em barris de Highland Park, o que lhe confere características amadeiradas.

Novidade do ano
O espaço que a cerveja vem conquistando no mercado brasileiro, tanto em relação a público consumidor quanto a casas especializadas “de verdade” no assunto.

Melhor fato cervejeiro
O surgimento de novas importadoras (muitas vezes trazendo produtos novos)… Pena que muitas só sobrevivem a uma única importação. Mesmo assim é muito positivo, uma vez que gera a concorrência, fomenta o mercado e impulsiona o setor !

Pior fato cervejeiro
A incrível “massificação” dos sommeliers de cerveja. Impressionante como algumas pessoas que até pouco tempo eram leigas no assunto tiveram uma ascensão meteórica. Em alguns casos, cheguei a sentir vergonha de trabalhar nesta área pelas baboseiras que escutei. Concordo plenamente com o Edu (Passarelli), quando afirma que tem muita gente boa no mercado e que isto precisa ser urgentemente revisto.

Tags: