Paladar

Melhores de 2012, parte 85: Rafael Borges

04 fevereiro 2013 | 21:00 por Roberto Fonseca

Foto: Arquivo pessoal

Rafael Borges, um dos sócios do clube cervejeiro Have a Nice Beer, em São Paulo (SP):

1) MELHOR ALE NACIONAL

Ficou com água na boca?

Double APA da Way. Equilibrada e muito saborosa. Mais uma grande cerveja da Way. Não cito a Green Cow porque ela não foi lançada ano passado.

2) MELHOR LAGER NACIONAL

Vou ter de dividir o título em dois: Coruja Coice e Abadessa Emigrator. Duas grandes cervejas que mostram todo o potencial das lagers e que provam que potência e complexidade também fazem parte das cervejas de baixa fermentação.

3) MELHOR ALE IMPORTADA

Uerige Alt e Mikkeller Koppi Coffe IPA. A primeira por ter me mostrado um estilo desconhecido. Que cerveja fantástica! A outra, por ser completamente inusitada e e diferente de tudo que tinha bebido. Espetacular!

4) MELHOR LAGER IMPORTADA

Jever. Espetacular cerveja, refrescante, fácil de beber e, nas palavras de um grande amigo meu, com um amargor assertivo.

5) MELHOR CHOPE

São dois: um é o Sunset, da 2Cabeças. Alto drinkability, refrescante, levinho, aromático, uma delícia! O outro é o Tripel Karmeliet, que já é espetacular e, na sua versão em barril, valorizou ainda mais todas as suas qualidades. Espetáculo!

6) MELHOR BAR CERVEJEIRO

Bah, cara, pra mim não tem o melhor bar. São vários. Dependendo do momento que tu estás, tu é atraído pra determinado ambiente. Sou fã de bar. Estou louco pra abrir o meu de uma vez! Por isso vou citar todos com mesma importância pra mim: No Rio, Boteco Colarinho e Beerjack. Em São Paulo, Empório Alto de Pinheiros e The Ale House. E, em Porto Alegre, o Bier Market Von Fass e o Bier Keller. Em todos eles, encontro grandes amigos, bebo grandes cervejas e me sinto em casa!

7) MELHOR CERVEJA CASEIRA

Cara, são duas também: Porter com Cumaru feita pelos meus professores Bernardo Couto e Salo Maldonado, que, com minha ajuda, fizeram uma imperial pilsen (invenção do estilo por nossa conta). As duas em mesmo nível de preferência.

(nota do blog: acho que a invenção do imperial pilsen já foi patenteada, hehehe)

8) MELHOR CERVEJA DO ANO, AQUI OU LÁ FORA

Lagunitas Hopstupid, Cantillon Rosé de Gambrinus 2011, Mikkeller Westerbro Toilet Bajer e Uerige Alt. Cada uma com sua peculiaridade e que, quando as bebi, me renovaram a lembrança de por que eu gosto tanto de cerveja! Feliz daquele que consegue ter apenas uma favorita. Eu, definitivamente, não sou um desses…

9) RÓTULO MAIS BONITO DO ANO

Esse não tem discussão: Have a Nice Saison, da nossa diretora de arte Jacqueline Lemos. E acho difícil termos rótulos mais inovadores e sensacionais esse ano também, com os que ela fez para as cervejas Mikkeller exclusivas para o clube.

10) NOVIDADE DO ANO

Essa não tem discussão também: Colaboração entre Brooklyn e Wäls para a Saison de Caipira. Bebi a cerveja e ela está muito boa (presente do amigo Gustavo Renha)! Foi um movimento de gente grande dos meus amigos mineiros nessa parceria!

11) MELHOR FATO CERVEJEIRO

O aumento do interesse pela cerveja, o crescimento do mercado, o maior número de cervejas sendo importadas e fabricadas no País. Esse movimento crescente serve para duas coisas muito importantes: sentirmos orgulho do que estamos construindo e ter a noção de que nossa responsabilidade como artífices desse mercado triplicou! Temos que saber entender e planejar o mercado para que ele não seja momentâneo, mas sim uma renovação cultural de consumo de cerveja.

12) PIOR FATO CERVEJEIRO

Continua sendo a alta tributação governamental sem o devido retorno para a população. Aliás, problema esse que não se restringe ao nosso mercado.

Tags: