Paladar

OS MELHORES DO ANO, parte 16

01 janeiro 2010 | 15:44 por Roberto Fonseca

Rodrigo Lemos, do Blog Beer Architecture. Foto: Arquivo Pessoal

Alèm de resenhar cervejas com boas sacadas, Rodrigo Lemos ainda ªharmonizaª a bebida com uma carta musical no blog Beerarchitecture. O cara ainda arruma tempo para produzir cervejas em casa – crias que, espero, também provarei em breve (hehehe). Veja os votos dele:

1) A ‘top das tops’ de 2009
Hmmm, difícil, algumas cervejas que apareceram em 2009 – aqui e vindas lá de fora – se destacaram pela qualidade, mas acredito que as Ola Dubh 18 e 40 tenham sido as cervejas que mais me deixaram olhando fixamente para o copo por longos minutos…

Ficou com água na boca?

2) Melhor ale
Fuller’s 1845, para mim um paradigma de como uma cerveja inglesa deve ser: escolha dos maltes, lupulagem, longa maturação, equilíbrio e complexidade incríveis… aliás quase todas as cervejas da Fuller’s são dignas de destaque.

3) Melhor lager
Cometeria uma injustiça se elegesse apenas uma: para mim Falke Ouro Preto, Wäls Bohemian Pilsen e Bamberg Rauchbier foram as lagers de destaque em 2009.

4) Destaque nacional
Além das deliciosas lagers citadas acima, a Wäls Quadrupel, as Falkes que viraram cervejas oficiais do projeto Estrada Real (a IPA e o incrível chope Weiss) e a Bamberg Alt, única cerveja do estilo disponível no Brasil.

5) Destaque importado
O grande aumento de opções de rótulos das escolas belga e inglesa, de cervejarias como Boon, Het Anker (Gouden Carolus), Van Honsebrouck (Kasteel), Harviestoun, Meantime, Batemans, entre outras, trazendo mais opções de estilos como as lambics e cervejas sazonais.

6) Novidade cervejeira
A Falke Vivre Pour Vivre, versão brasileira das lambics de fruta. Quem a degustou pode comprovar como a jabuticaba funcionou maravilhosamente e como o resultado final é incrível…

7) Fato cervejeiro
O espaço que a cultura cervejeira e a inserção da cerveja na gastronomia obtiveram na mídia ao longo do ano: foram muitas as matérias em jornais e revistas, e a cerveja finalmente alcançou as ondas do rádio, com programas como o Pão e Cerveja, da CBN Belo Horizonte, apresentado pela jornalista Fabiana Arreguy, e as livrarias, com a Larousse da Cerveja, escrita pelo Ronaldo Morado, que foi lançada do Brasil para o mundo (e não o contrário). Além disso, a visita de nomes de peso do meio cervejeiro ao Brasil – Garrett Oliver, Randy Mosher, Conrad Seidl e Charlie Papazian – a inauguração do Bar do pessoal do Brejas, consolidando o movimento de abertura de bares pelo pessoal conhecido do meio cervejeiro iniciado pelo Melograno, do Edu Passarelli, e a redução dos impostos para as micros de Santa Catarina – que isso não só vire tendência como diretriz governamental!

8) Pior momento cervejeiro
O mais triste foi sem dúvida o falecimento dos mestres-cervejeiros Tácilo, da Wäls, e “Seu” Cylas, da Trovense (outra micro aqui de Minas), duas figuras importantíssimas do cenário cervejeiro mineiro e nacional. E os que mais pegaram mal foram os já citados: aumento da carga tributária, lançamento de cervejas “pseudo-diferenciadas”, roubos de cargas da Agrária, a burocracia que trava o lançamento de brejas inovadoras e representativas e o preço praticado por algumas distribuidoras, que nem a alta carga tributária consegue justificar.