Paladar

Um Saint Patrick’s muito além da Guinness

17 março 2010 | 19:08 por Roberto Fonseca

Sim, hoje é dia de São Patrício, data que é sinônimo de festa na Irlanda – e no resto do mundo também? E do que mais? Se você disse Guinness, é provável que esteja certo. Assim como a Coca-cola tenta há alguns anos fundir sua imagem à do Natal, a cerveja stout mais conhecida do mundo está no imaginário de quem celebrará a data hoje. E não apenas no Brasil; conversando recentemente com uma amiga que passou quase um ano na Irlanda, veio a pergunta inevitável: há alguma outra cerveja bastante consumida no dia de St. Patrick’s, fora a Guinness? Ela não se lembrava – citou apenas a Heineken e a Stela Artois, carnes de vaca na Europa.

Não que eu não goste da Guinness; apenas acho a versão Draught, a mais famosa da linha, um pouco fraca. Há exemplares melhores feitos na própria fábrica de St. James’ Gate, como a Special Export – infelizmente muito cara por estas bandas, na cada de R$ 20 a long neck. Para sair do lugar comum de Guinness, Guinness e mais Guinness, resolvi sugerir algumas stouts e porters, estilos aparentados, para degustar hoje: alguns deles estarão no meu copo.

1) Meantime London Stout: boa cerveja para começar. Com 4,5% de teor alcoólico, segue o estilo de uma “session beer”, ou aquela que pode ser tomada em quantidades maiores durante a noite. Já foi avaliada aqui.

Ficou com água na boca?

2) Young’s Double Chocolate Stout: já subindo a ladeira, com uma cerveja mais encorpada, que leva chocolate em sua composição. Apesar de ter 5,2% de teor alcoólico, parece mais forte do que realmente é. Veja a avaliação aqui.

3) Baden Baden Stout: uma cerveja bem mais alcoólica (7,5%) e com malte torrado bastante pronunciado, até um pouco áspera. Mas que vale a degustação.

4) Flying Dog Gonzo Imperial Porter: além do malte torrado e notas de chocolate, lúpulo bastante destacado marca o aroma e o sabor desta cerveja americana, já avaliada aqui.

5) Colorado Demoiselle: cerveja do estilo porter feita com adição de café pela Colorado, de Ribeirão Preto. Já foi premiada lá fora. A avaliação do blog você vê aqui.

6) Guinness Special Export: a cereja no bolo. Com 8% de teor alcoólico, quase o dobro da “irmã” Draught, tem muito mais corpo e sabor, além de carbonatação mais intensa, presença mais forte de malte e um ligeiro “azedo”, parte do estilo, para balancear a doçura dos grãos. Foi avaliada pelo blog em 2009.

E você, tem mais alguma sugestão de cerveja para a festa de hoje? Mande seu comentário. Ah, quase ia me esquecendo: por favor, nada de cerveja nem chope verde hoje. Trata-se apenas da bebida com corante, tradição da qual pretendo passar longe. Para fechar, uma sugestão de ditado para a hora do brinde, que reli no livro “O Catecismo da Cerveja”, de Conrad Seidl:

“May we get what we want/

May we get what we need/

But may we never get what we deserve”

(“Que nós tenhamos o que queremos, que nós tenhamos aquilo de que

precisamos, mas que nunca tenhamos aquilo que merecemos”)

Tags: