Paladar

Servir bem é o mais importante!

Um café para dividir

Histórias e experiências sobre o café

Servir bem é o mais importante!

A postura de um barista bicampeão mundial pode ser muito inspiradora: mais vale um atendimento cortês do que prêmios para exibir

23 novembro 2017 | 16:46 por Ensei Neto

O Campeonato Mundial de Barista é, sem dúvida, o mais importante evento para esse profissional do serviço do café. Surgiu, ainda nos anos 1990, com foco no café expresso, que definiu o modelo de competição.

Basicamente, a competição é formatada em 3 etapas num tempo total de 15 minutos. Na primeira o barista deve preparar um café expresso para os 4 juízes. Seleção do café, habilidade no preparo e descrição sensorial precisa são os principais quesitos julgados.

Em seguida, o barista deve preparar os cappuccinos, quando são avaliados os desenhos artísticos feitos com leite vaporizado sobre o expresso, a textura da crema e o resultado sensorial, conferindo se a proporção entre o café, o leite e a espuma estão corretas.

Ficou com água na boca?

Finalmente, o competidor deve apresentar uma bebida à base de café de livre criação.

Numa das competições mais emblemáticas do Campeonato Barista USA, a que aconteceu durante a Feira de 2010 da então SCAA – Specialty Coffee Association of America, em Ananheim, CA, presenciei um encontro que define perfeitamente o perfil de um barista campeão mundial.

Naquele ano, o representante dos Estados Unidos foi o barista Michael Phillips, que trabalhava em uma das mais emblemáticas torrefações, o Intelligentsia Coffee & Tea, de Chicago.

FOTO: Rodrigo M. Ramos/Arquivo Pessoal

Na feira, o Intelligentsia montou um espaço muito simpático com um balcão para filtrados, tendo uma parede de paletes de madeira de fundo, onde seus habilidosos baristas se revezavam. Michael estava preparando cafés filtrados quando pediu desculpas porque teria de se ausentar para poder se apresentar na competição. E aguardamos. Mais tarde, ao voltar ao espaço Intelligentsia, ele já estava novamente na lida, preparando e servindo cafés, levando xícaras sujas para lavar e, até, eventualmente, lavando porque o movimento estava grande.

Logo mais, todos ficaram sabendo do resultado: Michael conquistou o titulo de campeão barista USA pela segunda vez. Nesse mesmo ano, Michael se tornou o primeiro norte-americano a vencer o Campeonato Mundial Barista, em Londres.

Era, então, o momento para uma pergunta inevitável: “Por que, afinal, você está aqui servindo café, mesmo sendo campeão americano?” Sua resposta foi contundente: “Minha preocupação é servir bem o meu cliente. A competição serve apenas para medir se estou melhor preparado que os meus amigos nessa provas. O que é importa para o cliente é ser bem atendido.”

Sem qualquer afetação, Phillips manteve seu ritmo de trabalho, preparando filtrados, explicando sobre os cafés servidos, lavando xícaras e, é claro, esparramando seu largo sorriso quando encontrava velhos amigos.

A lição que fica é que não importa se o barista de sua cafeteria preferida não seja campeão brasileiro ou mundial, mas, sim, o fato de que seu atendimento seja cortês e atencioso.

Se assim for, sua experiência será sempre muito boa!

Abraços cafeinados!

Tags: