Paladar

Luiz Américo Camargo

Eu só queria jantar

B maiúsculo

13 setembro 2010 | 07:53 por Luiz Américo Camargo

Há alguns meses eu não ia ao Le Jazz, o pequeno e movimentado bistrô da Rua dos Pinheiros, 254. Escrevi sobre a casa no fim de 2009, quando fiz as primeiras visitas. Voltei ao restaurante na semana passada e fiquei bem impressionado com a evolução da cozinha.

Se antes o Le Jazz se destacava especialmente pelo bom custo/benefício, agora está se impondo ainda mais pelos pratos. É certo que a proposta é trabalhar com os standards, com os clássicos da cuisine bistrotière. Um repertório de domínio público, enfim, com pouco espaço para a criação. Entretanto, está tudo bem acertado: sabor, equilíbrio, personalidade. Certamente o que não tem faltado é a possibilidade da prática cotidiana, já que a casa está sempre cheia. Isso faz diferença.

O mais interessante é que o pequeno restaurante compreende perfeitamente o que é ser um bistrô: algo mais próximo da simplicidade, do prazer de saborear um prato bem executado a bom preço, do que a mera emulação do ‘estilo francês’ de servir. Seja num patê de campagne ou num steak tartare, existe atenção com os detalhes: condimentos, execução técnica, apresentação. E não apenas com aquilo que vem a ser o centro do prato, mas também com seus contornos. A salada é bem preparada, as fritas são ótimas e por aí segue.

Ficou com água na boca?

Um bistrô, enfim.