Paladar

La Bodeguita: Tapas e platillos para a noite

Luiz Américo Camargo

Eu só queria jantar

La Bodeguita: Tapas e platillos para a noite

23 dezembro 2014 | 17:19 por Luiz Américo Camargo

O ainda novo La Bodeguita tem duas identidades muito diferentes: a do almoço e a do jantar. A do meio-dia é mais serena, com música em volume baixo e ainda não muitos comensais ocupando o deck externo e os dois salões. Dos fogões, saem apenas as sugestões do menu executivo, sem maiores atrativos (com pratos mais para genéricos do que para espanhóis, na linha “filé mignon na chapa com legumes”). À noite, numa espécie de metamorfose, o lugar enche, a atmosfera fica animada, quase barulhenta, e a cozinha diz a que veio.

Com uma extensa lista de tapas, platos e platillos servidos a partir das 18h, a Bodeguita apresenta alguns de seus montaditos (as tapas sobre pedaços de pão) logo no balcão. Não há a informalidade das casas bascas e catalãs, onde você se serve e depois informa o que comeu. É preciso escolher, pedir, e o prato é levado até a mesa pelo garçom. Mas, vá lá, são bons exemplares, como o de jamón cortado à minuta (e finamente) e o de tomate assado com queijo canastra, talvez apenas um pouco caros (R$ 6 a unidade).

Ficou com água na boca?

Alma noturna. La Bodeguita é mais legal de noite do que de dia. FOTO: Divulgação

Contudo, gostei mais das opções pedidas pela carta, preparadas pela chef Juliana Beividas, sob a supervisão da galega Concepción Arias, mãe de um dos sócios. São itens tradicionais, mas que, de uma maneira ou outra, apresentam sempre um pequeno truque (no bom sentido), sempre um interessante toque de cozinha – de cocinera, melhor dizendo.

As batatas-bravas (R$ 22), por exemplo, têm seu molho picante enriquecido por caldo de frutos do mar. Os pimentões de piquillo crocantes (R$ 28), recheados de siri e empanados, são montados sobre um provocativo molho rosé com notas de curry. As lulinhas na chapa (R$ 29) vêm à mesa com limão e azeite de ervas, inclusive um longínquo coentro, que funciona bem. O arroz con leche (R$ 16), servido como se fosse um flã e acompanhado por um equilibrado sorvete de canela, demonstra duas texturas evidentes: uma primeira camada, mais cremosa, e a segunda, com grãos bem al dente. A título de informação, em todas as visitas as sobremesas demoraram bem mais do que os demais pratos.

Outros standards são executados também com apuro técnico, embora sem heterodoxias. Como o gazpacho (R$ 12), de textura encorpada; a tortilha de batatas (R$ 12), dourada por fora e úmida internamente; o polvo à galega (R$ 53), com o molusco macio, mas sem perder a firmeza da mordida. Considerando ainda que as bebidas têm preços razoáveis e o serviço é educado e relativamente desenvolto, o programa agrada. E, na comparação final, com notória vantagem da Bodeguita noturna sobre a diurna.

Por que este restaurante?
Porque é uma novidade, com bons tapas e pratos de inspiração espanhola.

Vale?
O menu executivo, opção única do almoço, com entrada, prato e sobremesa, custa R$ 39. Pedindo pelo cardápio e compartilhando, gasta-se entre R$ 50 e R$ 100 por cabeça, sem bebidas. A lista de vinhos contempla rótulos simples e com preços amenos, a maioria abaixo dos R$ 100. Vale.

SERVIÇO | La Bodeguita
Onde: Al. Tietê, 360
Tel.: 2691-3557
Quando: 12h/16h e 18h/0h (de 5ª a sáb, até 1h).
Estacionamento: Manob. R$ 20.
Ciclorrotas próximas: R. Bela Cintra e Al. Lorena.
Metrô: Consolação (1 km)

>>Veja a íntegra da edição do Paladar de 25/12/2014

Tags: