Paladar

Luiz Horta

A reprova

26 abril 2009 | 01:10 por Luiz Horta

Um amigo, cuja opinião respeito, insistiu que eu não provara o Cabernet Vallontano 2004 do jeito certo, que o vinho precisava decantação e que é um bom vinho nacional.

Eu sou dócil, apesar de resmungão e gosto de colocar as verdades à prova, inclusive e principalmente, as minhas. Não tem nada melhor na vida que mudar de opinião (tem sim, desistir também é ótimo. Uma boa desistida é uma das grandes criações do espírito humano).

Tirei uma parte do sábado para retestar o vinho. Abri, cheirei. Estava totalmente diferente. A outra garrafa da semana passada era uma bomba de bretanomices, não era aquele cheirinho longínquo de estábulo, presente nos grandes Bordeaux inclusive, era um mergunho profundo e de nariz numa pocilga inteira.

Ficou com água na boca?

Este de hoje, ao contrário, tinha fruta, um tostado simpático. Percebi que talvez aquela garrafa estivesse defeituosa. Mas me contive, não provei. Decantei e fui fazer uns sanduíches e cuidar de outros assuntos.

Três horas depois de aberto o vinho, provei-o. Muito interesante, austero, ótima acidez, bom corpo e boa passagem pela boca, com um retrogosto tostado e elegante. Só incomodam os taninos um pouco duros demais, secantes, algo que eu sempre jogo na conta do péssimo clima da Serra Gaúcha, onde chove na época da colheita e as sementes não amadurecem. Mas num aspeto geral o vinho realmente é bom e bem feito.

Dei o braço a fermentar.