Paladar

Luiz Horta

Feriado nacional

21 abril 2009 | 22:13 por Luiz Horta

É um bom dia para comentar uns vinhos brasileiros que andei provando.
No almoço de domingo abrimos várias garrafas para ver como andam as coisas. Infelizmente, houve decepções. Felizmente alegrias.

As decepções, os Cabernet Sauvignon Vallontano, 2004 e 2005, excesso de rusticidade. E o Vallontano Chardonnay, que eu esperava com certa antecipação, pois os brancos brasileiros ainda têm muito para crescer. Mas era de corpo ligeiro demais, apagado na acidez.

As alegrias, o Merlot Pizzato, muita fruta, gostoso, correto, acompanhou maravilhosamente um sanduba de pernil de cordeiro. Sem maiores pretensões, um vinho sem maquiagem, claro e direto.

Ficou com água na boca?

E, para minha grande surpresa, pois temia encontrar um madeirão sobrepujando tudo, o novo no mercado, Chardonnay Salton Virtude, da linha top da empresa, junto ao Talento e o Desejo.

É um branco intenso, muito potente, moderno e com muita ambição. Como sempre no caso da Salton, tecnológica e técnicamente perfeito, o que costuma dar em vinhos algo monótonos, mas neste caso, não.

O vinho tem suficiente estrutura e acidez para segurar a madeira, que é presente, mas não empapuça. É claro que se trata de um Chardonnay de Novo Mundo, estilo californiano, nem quer, nem tenta ser francês, mas é bem simpático que seja assim, despudoradamente falante e presente.

Das garrafas abertas era a que menos prometia, temia um branco pesado. Foi a melhor. Vou repetir.