Paladar

Luiz Horta

Narizinho arrebitado

23 fevereiro 2009 | 16:40 por Luiz Horta

Tenho mania de cheirar perfumes, uma forma de passar o tempo em aeroportos aborrecidos. Mas a brincadeira vem perdendo o encanto pela crescente patopolização dos aromas. Todos os perfumes são parecidos, muito adocicados e muito óbvios, enfaram em segundos. Também pudera, são feitos na Suiça, pela mesma empresa. Já não há perfumistas artistas que assinam suas criações, tudo é escolhido num catálogo e produzido em escala.

Estava neste lamento quando entrei no Bon Marché e vi um stand da Penhaligon’s. Faz muito tempo que não uso perfume, desde que comecei a sério o assunto de vinhos. Se o próprio perfume não atrapalha, pois nos acostumamos e deixamos de senti-lo, assim mesmo prejudica os outros, é um horror alguém perfumado numa mesa em que se prova vinhos. Mas quando usava perfume usava o Blenheim Bouquet da Penhaligon’s que tem um cheiro potente de cardamomo.

Fui lá provar, há umas delícias, English Fern, por exemplo e o Lavender. Mas a epifania aconteceu ao lado, o stand vizinho era da Creed.

Ficou com água na boca?

Não conhecia. Cheirei uns, coloquei um pouco de outros nas mãos, borrifei uns nas tiras de papel. Fui embora. Quando cheguei no hotel o aroma não parava de inebriar, uns cheiros antigos,tocando em chaves da mémoria que só os perfumes sabem mexer.

Googlada: Creed era fornecedor da Rainha Victoria e outros nababos, só usa ingredientes naturais, não importa o preço dos almíscares e tem uma lista de clientes que parece um livro de história.

E é caríssimo.

Estou lamentando ter espirrado estes aromas nas mãos, na esquerda uma coisa chamada Irish Tweed e na direita Royal Delight e na manga do casaco o (nome esquisito) Tabarome, que o site diz ter sido criado para Churchill ( este não brincava, tem champagne e charuto para ele também, até um formato de charuto ele batizou). E Churchill, ça va sans dire, nasceu no Palácio de Blenheim, de onde saiu o nome do perfumme Blenheim Bouquet. Agora, porque o magnífico edíficio dos Duques de Malborough (pronuncia-se Marlboro, sim senhor) tinha cheiro de cardamomo me escapa inteiramente. Talvez a Índia vitoriana?

Estou lamentando porque não vou ter dinheiro para um vidro e preciso continuar cheirando isto! Tem a perfeita complexidade e umami, é confort smell, como um grande vinho.