Paladar

Luiz Horta

O dia em que fui McLuhan

25 março 2012 | 06:53 por Luiz Horta

Marshall-McLuhan-backs-up-007-300x180.jpg

[still do filme “Annie Hall” de Woody Allen]

Quem se lembra do filme “Annie Hall” de Woody Allen sabe da cena. Na fila de um cinema, um profesor da Universidade de Columbia pontifica sobre filmes, invocando as teorias de Marshall McLuhan em sua defesa.

Ficou com água na boca?

Allen e Diane Keaton, que estão logo atrás, ficam exasperados com o papo academico-boring do sujeito.

Até que ele, Woody, perde a paciencia e diz: “vc não sabe do que está falando”.

O professor retruca: “sou professor de semiologia com doutorado em McLuhan” e canta vitória. Allen vai até um canto da sala e apresenta o próprio McLuhan, que detona o sujeito: “vc não entendeu nada da minha teoria”. E´ bem mais  engraçado que isso, mas é o sonho de qualquer pessoa, ter um especialista na hora para encerrar uma conversa pedante.

Pois eu estava comprando mortadela no St.Marché aqui de Higienópolis, ouvindo meu iPod, longe de tudo e veio um moço gesticulando. Tirei os fones e aconteceu a mclunatice.

“Vc é o Luiz Horta?”.

“Sou”.

“Estou com um vinho que juro que está bouchonée, dá para avaliar?”.

Fui, cheirei, estava completamente tomado por TCA.

Elogiei o atendente, que acho se chama Melck, bom ter um funcionário que sabe o que está vendendo com conhecimento técnico de defeitos e tal. Ele abriu outra garrafa, provamos, estava ok, um Barbaresco.

Fiquei me sentindo o McLuhan do cerrado.