Paladar

Cúpula da Cachaça se consolida como espaço de fomentação do mercado

O Cachacier

Tudo sobre cachaça, por Mauricio Maia

Cúpula da Cachaça se consolida como espaço de fomentação do mercado

Durante três dias, diversos assuntos ligados à nossa branquinha tiveram voz e discussões produtivas e acaloradas

06 fevereiro 2017 | 17:11 por Mauricio Maia

Um fim de semana de imersão, inteiramente dedicado à cachaça. Em Analândia, interior de São Paulo, especialistas, produtores, sommeliers e agentes de instituições, associações e órgãos de fomento passaram três dias discutindo o mercado do destilado nacional: seus problemas, as possíveis soluções e ações efetivas para fomentar crescimento e amadurecimento. Essa foi a 5ª Cúpula da Cachaça.

A Cúpula é um grupo multidisciplinar formado por 13 especialistas na bebida com atuações destacadas nos mais diversos segmentos do mercado. O encontro, que até hoje sempre foi fechado para seus membros, desta vez foi aberto para a participação de convidados externos.

Durante as discussões, ficou claro que a atual situação do mercado, e do País de uma maneira geral, exige que todos estejamos unidos em torno de um projeto para o crescimento da categoria dentro do mercado de destilados. Os desafios são enormes. Diversos fatores como a grande informalidade, a alta carga tributária e a falta de informação do público de uma maneira geral fazem com que discussões francas sejam o ponto de partida fundamental para que reivindicações sejam ouvidas e ações sejam tomadas em prol de nossa branquinha.

Debate na Cúpula da Cachaça

O bartender Jean Ponce, Sidnei Maschio, da Cúpula da Cachaça, e Natanael Bonicontro, da Cachaça Companheira. FOTO: Mauricio Maia/Acervo Pessoal

 

Uma das estratégias traçadas por produtores presentes e agentes do mercado, como o Ibrac (Instituto Brasileiro da Cachaça), é unir forças para que a cachaça possa ser reconhecida pelo público como um destilado de qualidade superior, e como a verdadeira bebida brasileira, ressaltando valores de nossa história e cultura. Também serão lançados esforços em benefício da educação profissional e da divulgação institucional da bebida, que ganham um papel importantíssimo, levando informação de qualidade ao profissional e ao consumidor.

A quinta edição do evento ficou marcada pela cordialidade e por uma discussão proativa, rica e profunda, ressaltando o papel que a Cúpula da Cachaça vem assumindo desde a sua fundação de ser um agente agregador, que conversa com os mais diversos segmentos do mercado e assume posições firmes e atuantes.

No último dia do encontro, foram eleitas as pessoas que vão assumir a liderança do grupo este ano, lutando para que a cachaça ganhe o lugar de destaque que achamos que ela merece. Foram eleitos o novo presidente para o biênio 2017/2018, na pessoa deste que vos escreve, e reeleito o secretário geral, Manoel Agostinho Lima Novo. Esperamos estar à altura da presidência de Milton Lima, que liderou a Cúpula por 5 anos, desde sua fundação, e ressaltamos nosso compromisso de não medir esforços para divulgar a cachaça de qualidade por todo o Brasil e no exterior. Nas próximas semanas será divulgada a ata do encontro e vou publicar o conteúdo comentado de cada ponto discutido.

Também foram definidas as regras para o III Ranking da Cúpula da Cachaça que se inicia em agosto deste ano.

Saúde!

P.S.: Falando em encontro, será realizada na próxima terça-feira, 7, o 14º Encontro Aberto da Confraria Paulista da Cachaça, o primeiro de 2017. Diversas marcas participarão e é uma boa oportunidade de provar e conhecer novas cachaças, e outras nem tão novas assim.


SERVIÇO
14º Encontro Aberto da Confraria Paulista da Cachaça
Quando: 7/2, a partir das 19h
Onde: Laudry Deluxe – Rua da Consolação, 2.937, Jardins
Quanto: R$ 40, que inclui água, degustação de até 10 rótulos de cachaça e participação na palestra (20h)

Tags:

0
Comentários
0

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.