Paladar

O Cachacier

Tudo sobre cachaça, por Mauricio Maia

O serviço da cachaça: como restaurantes e bares estão difundindo o consumo da bebida através da informação

Muitos já devem ter ouvido algum apreciador de cachaças reclamar que a bebida ainda sofre muito preconceito. Mas este cenário está mudando através de cursos e muita informação

18 janeiro 2017 | 16:59 por Mauricio Maia

Mais do que com o preconceito em relação à bebida, o mercado da cachaça sofre de falta de informação. O consumidor brasileiro, por incrível que possa parecer, não conhece cachaça. E tem em seu imaginário a convicção de que ela é uma bebida forte, rústica e de baixa qualidade. Porém ela não é.

A cachaça de alambique é uma das bebidas destiladas de maior qualidade em todo o mundo, com uma complexidade de sabores que nenhuma outra pode oferecer. Isso em função de sua qualidade técnica, de produção, e principalmente por causa de sua qualidade sensorial. A grande gama de madeiras utilizadas no envelhecimento da cachaça oferece um leque enorme de aromas e sabores, que fazem frente ao gostos sempre muito parecidos do carvalho, única madeira utilizada para envelhecer bebidas no exterior, como conhaque, uísque, bourbon, grappa, tequila, rum, etc… E cachaça também, claro.

 

Serviço de taça

Serviço da cachaça em uma taça de degustação durante um curso. FOTO: Mauricio Maia/Acervo Pessoal

 

Com um trabalho de educação e muita informação, esse preconceito vem sendo quebrado aos poucos, com paciência. Porém, ainda existe uma ponta na cadeia produtiva que carece de mais atenção: o serviço.

É muito raro encontrarmos bares e restaurantes que possuam um profissional especializado no serviço da cachaça, que conheça as características sensoriais da bebida, sua história, suas curiosidades e particularidades. Assim, a tarefa de entender o consumidor, saber ler a situação e poder ofertar o produto corretamente fica a cargo do garçom, que também não o faz porque realmente não tem a informação ou não recebeu treinamento adequado para tanto. Aí, o cliente que não conhece a bebida, mesmo tendo curiosidade, acaba optando por escolher outra. Por isso, é fundamental oferecer profissionais preparados e capacitados para atender essa demanda do mercado e a ampliar ainda mais o consumo consciente da  cachaça.

Devemos levar aos bares de todo Brasil a multiplicação latente de informação. Através de história, conhecimento produtivo, apreciação, seleção e treinamento de serviço adequado, teremos a oportunidade de gerar uma rede de profissionais preparados, que por sua vez atenderão aos consumidores, passando a informação correta, gerando uma rede de multiplicadores em progressão geométrica. Isso é crescimento de mercado.

Sáude!

PS: Como muitos de vocês sabem, sou professor. Leciono sobre a cachaça em diversos cursos pelo País que vão de cursos livres a turmas das faculdades de gastronomia. E recentemente desenvolvi em parceria com a consultora Isadora Bello Fornari e a bartender Jessica Sanchez, um curso que visa dar essa bagagem ao profissional de serviço, seja ele de salão ou de bar. A primeira edição ocorre neste final de semana no Rio de Janeiro.


SERVIÇO 

Curso de Especialização em Cachaça
Apreciação, serviço e desenvolvimento da cachaça

  • Vizinho Gastrobar – Vogue Square – Av. das Américas, 8.585, Barra da Tijuca
    Quando: 21/1 e 22/1,  das 10h às 14h
    Degustação orientada: 22/1 a partir das 14h
    Quanto: R$ 50 para não alunos, grátis para alunos
  • Galeto Sat´s – Rua Real Grandeza, 212, Botafogo
    Quando: 23/1 e 24/1, das 18h às 22h
    Degustação orientada: 24/1 a partir das 22h
    Quanto: R$ 50 para não alunos, grátis para alunos
  • Inscrições: somos@rosariorsr.com

Tags:

0
Comentários
0

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.