Paladar

Morandé Pionero e Morandé Reserva

20 maio 2007 | 17:34 por Jamil Chade

Ainda a viagem ao Chile, na qual visitei a Viña Morandé, que está voltando ao mercado brasileiro e provei muitos de seus tintos e brancos.

Aqui, vamos ficar com os das linhas mais básicas, começando pela Morandé Pionero, a mais barata, que deverá custar perto de 20 reais. Na origem, na loja da vinícola, os vinhos da linha Pionero custam 2.190 pesos e os da linha Reserva 3290 pesos.

Alguns muito bons mesmo, principalmente se levarmos seus preços em consideração. Os quatro melhores: Pionero Chardonnay, Pionero Pinot Noir, Pionero Merlot e Pionero Cabernet Sauvignon.

Ficou com água na boca?

Morandé Pionero Chardonnay 2005
Um branco com passagem pelo carvalho (barricas e tábuas dessa madeira) com aroma potente, gostoso, típico. Encorpado, concentrado, macio e nada e nada enjoativo. Boa acidez. Longo, deixa sensação gostosa na boca. Posteriormente provei o exemplar de 2006, ainda não no mercado e pude confirmar o alto nível do vinho. Excelente e um pouco mais fresco, com mais acidez (87/100 pontos).

Morandé Pionero Pinot Noir
Um vinho gostoso, fácil de tomar, mas que pede um pouco de tempo no copo. No primeiro gole, não impressionou muito, mas abriu depois de algum tempo. Um vinho leve, aromático, com toques floral e bem potente. Um pouco alcoólico ao final (14,4% de álcool). Quatro ou cinco meses na madeira (tábuas ou barricas), (86/100 pontos).

Morandé Pionero Merlot 2006
Um vinho do Valle de Rapel, redondo, que enche a boca e é fácil de gostar. Exemplares de outras safras foram eleitos os vinhos de melhor relação qualidade preço pelo Guia de Vinos de Chile. O tipo de vinho bom par servir numa festa, pois pode não ser grande, mas também não tem arestas que possam desagradar e que combina bem com muitos pratos. Toques de chocolate e carvalho no aroma e na boca. Potente e um pouco alcoólico ao final (14,4% de álcool). (87/100 pontos).

Morandé Pionero Cabernet Sauvignon 2005
O melhor dessa linha, um tinto do Valle del Maipo de excelente relação custo-benefício. Passou perto de oito meses em contato com o carvalho (tábuas e barricas), cujo toque aparece no aroma e na boca. Algo de chocolate, de cacau amargo e de café. Potente, mas não alcoólico. (13,8% de álcool). Já dá muito prazer, mas deve melhorar na garrafa (88/100 pontos).

Os demais da mesma linha Pionero:

Morandé Pionero Sauvignon Blanc 2006
Vinho fresco, agradável, mas pouco mais do que isso. Pouca tipicidade. Não parecia um Sauvignon Blanc. Fresco, com algo cítrico e melhor para beber despreocupadamente (82/100 pontos).

Morandé Pionero Cabernet Sauvignon-Syrah Rosado 2005
A Cabernet Sauvignon domina o corte (70%). Um rose bonzinho. Talvez para bebericar. Amargor sensível ao fundo (81/100 pontos).

Morandé Pionero Carmenère 2005
Do Valle del Maule. Um vinho que não entusiasmou. Aroma com algo floral, mas muito herbáceo, o que é típico da uva. Na boca, começou bem, redondo, doce, mas depois foi ficando herbáceo, tânico e duro. Deixa a boca rugosa. Álcool bem comportado (82/100 pontos).

Os dois provados da linha teoricamente superior – Reserva – não se destacaram tanto assim:

Morandé Carmenère Reserva 2005
Um vinho com perto de oito meses em contato com o carvalho. Muito bom no aroma, com sugestões de tabaco e especiarias. Bem pior na boca, onde começou bem, mas foi decaindo. Final rústico e alcoólico (14,4%). Taninos duros (86/100 pontos).

Morandé Reserva Cabernet Sauvignon 2005
Apenas um pouco superior ao Pionero Cabernet Sauvignon. Um vinho do Valle del Maipo, região ótima para essa uva. Oito meses em contato com carvalho. Aroma não dos mais intensos, mas muito gostoso. Algo de chocolate. Bom corpo e concentração de sabor. Deve evoluir. Álcool bem equilibrado (13,9%) – (89/100 pontos).