Paladar

Vamos em frente…

27 outubro 2008 | 12:02 por Jamil Chade

Agradeço, mais do que sinceramente, comovido mesmo, as mensagens de incentivo. Eu já estava pensando em desistir ou mudar tudo no blog. Afinal, meu texto de recomeço, tão difícil de escrever, ficou um tempão sem o menor eco. Nenhuma mensagem e eu já tinha um novo texto pronto tirando o blog do ar. Posteriormente, vim a saber que a falta de mensagens foi conseqüência de problemas técnicos.

Foi quase emocionante ler as mensagens de boas vindas e as dúvidas dos amigos. Não quero deixar nenhuma sem resposta. Como já disse antes, quero caprichar bastante nos vinhos, compartilhando com os amigos os que tomei e gostei (e dos que não gostei tanto).

Benedito e Edu, acredito que há um prazer extra em “descobrir” um “bom e barato”. Antenado (detesto a expressão) na crise (detesto crises), ando abordando chilenos e argentinos básicos, baratos. Recomendo a leitura da última coluna no Paladar, que vou colocar no blog, sobre os chilenos baratos, que revelou pelos menos três boas opções (dois acima da média – Terra Andina e Cono Sur Bicicleta). Na próxima semana, continuo no tema e espero encontrar também alguma coisa boa para os leitores do Paladar e do blog.

Ficou com água na boca?

Suen, o Tokaji (ou tokay) é um vinho doce feito, parcial ou totalmente com uvas atacadas por um fungo, a botrytis, também chamada de podridão nobre. Quanto mais botrytis, melhor. No caso do Tokay, a quantidade de uvas botritizadas é revelada pelo número de puttonyos que aparece no rótulo. Puttonyos são pequenas barricas de vinho feitos apenas com uva botritizadas. Essas uvas são selecionadas, vinificadas separadamente e colocados nessas pequenas barricas. Assim, um Tokajy cinci puttonyos é teoricamente melhor que um de dois puttonyos. Há outros grandes vinhos botritizados em outros países, como os das categorias Trockenbeerenauslese Beerenauslese, da Alemanha; Sauternes da França e outros…

Mila, os pratos baianos nem sempre festejam vinhos, mas uma boa moqueca vai bem com um Sauvignon Blanc (desde que não se abuse do dendê). Há ótimos feitos com essa uva no Chile, Um Sauvignon com uma moqueca capixaba (sem dendê) fica ótimo.

A Bonarda é uma uva em ascensão na Argentina. Sem dúvida, uma cervejinha bem gelada vai bem com um pastel de queijo. Mas isso não exclui outras opções, como o Beaujolais geladinho. Tudo vai depender da ocasião. Não me vejo bebendo um tinto ao lado de uma barraca de feira…

As citações em Latim foram inspiradas pelos filósofos caipiras Alvarenga e Ranchinho. Em seus shows, sempre que um falava uma palavra em inglês o outro retrucava: “Esta foi para mostrar o perparo”.

Assim, para o amigo latinista Romane é bom lembrar que nem tudo que reluz é ouro e nem tudo que balança cai. Certamente, o vinho lubrifica uma boa conversa (e faz suportar melhor uma conversa não tão boa). Terminando filosoficamente, na língua de Virgílio: Sic transit gloria mundi (ou seja, o trânsito continua imundo na rua da Glória).

Vamos em frente que o negócio é passar bem!