Paladar

Viagem ao Chile – vinhos da Morandé

09 maio 2007 | 11:13 por Jamil Chade

Cheguei ao Chile na segunda-feira para verificar os vinhos da Morandé, cujas linhas de produção passaram por uma ampla remodelação e estarão brevemente de volta ao Brasil, importados pela Carvalhido, do Rio de Janeiro (21-2233-5577).

Chegada com muita fome, pois não deu para comer o peru num molho branco servido no vôo da LAN.

Deixamos a mala no hotel e fomos para o Europeu, um restaurante de classe, formal e de grande prestígio, que fica na Afonso de Córdoba 2417, no bairro de Vitacura, tel. 56-2.208.3603.

Ficou com água na boca?

Carlos Mayer Awandter, chamado de El Suisso, foi escolhido chefe do ano e o seu restaurante também ganhou vários prêmios. A tartare de atum estava deliciosa, apesar de picada demais. O peixe foi transformado numa massa. Bom mas meio neutro o congrio com risoto de frutos do mar (além do ponto) e ótimos o atum selado com gergelim e o turbot. Os peixes e mariscos no Chile costumam ser espetaculares.

Um belo e reparador jantar com os amigos Luciana Fróes, do Globo, Ângela Falcão, Rolanda Morin, da importadora e Jorge Carrara, colunista de vinhos da Folha.

Como iríamos provar quase todos os vinhos da Morandé nos dias seguintes, preferimos optar por produtos que não encontramos no Brasil:

Novas Winemaker´s Selection 2005
Um corte de Chardonnay, Marsanne e Viogner feito com uvas do frio Valle de Casablanca cultivadas organicamente pelas Vinícolas Orgânicas Emiliana, ligada à gigante Concha y Toro. Um branco intenso, elegante, equilibrado e com ótima acidez. Toques de limão siciliano. Muito fino e complexo, 14.440 pesos (91/100 pontos).

Leyda Garuma Vineyards 2006
Feito no mais frio ainda Valle de San Antonio-Leyda, perto do Pacícido. Ótimo e muito fresco. O que se espera de um Sauvignon fresco, ótimo para bebericar e abrir os serviços. Aromático, típico e muito fresco. Equilibrado. 13,5% de álcool, 13.300 pesos (88/100 pontos).

De Martino Single Vineyard Chardonnay 2005
Do Valle de Limari, que fica bem ao norte de Santiago (e das demais regiões vinícolas). Aroma bom, com algo mineral. Boa acidez, mas pouca concentração. 14% de álcool. Final meio rústico (86/100 pontos).