Paladar

Só queijo

Aventuras lácteas entre o Brasil e a França

Uma voltinha pela França queijeira… de bicicleta!

Quase do tamanho de Minas, a França tem mais de mil receitas de queijo. Em seis meses, uma engenheira pedalou 4.900 km em busca dos mais autênticos

30 janeiro 2018 | 19:16 por Débora Pereira

“- Eu percorri a França de bicicleta e visitei 68 produtores de queijo!” se orgulha Claire Perrinel, 26. Antes disso, a jovem trabalhava em um laticínio (Laiterie du Val d’Ancenis, do grupo Laïta) no setor de gestão de energia, seu primeiro emprego após concluir uma faculdade de  engenharia de alimentos. Depois de dois anos nessa atividade, ela sonhava com outros horizontes. “- Apesar de achar interessante as tecnologias e procedimentos industriais, eu fui percebendo que isso inevitavelmente me afastava de uma relação mais próxima com o queijo…”, explica ela.

Foi para resgatar a relação com os queijos autênticos que decidi me dedicar às duas paixões da minha vida: queijo e ciclismo“, diz Claire. Paisagem da Bretanha. FOTO: Claire Perrinel/Acervo Pessoal

Curta-metragem para eternizar a aventura

Seis meses de preparação foram necessários para a realização do projeto, que custou 8.000 euros para alimentação, hospedagem e equipamentos: uma bicicleta e duas sacolas totalizando 25 kg com barraca, saco de dormir e equipamentos leves de filmagem. “– Antes de começar o percurso, eu listei algumas fazendas da rede Bienvenue à la Ferme [site especializado em turismo rural] para me hospedar, depois os próprios produtores foram me indicando outras queijarias e tive a sorte de dormir nas próprias fazendas” conta ela.

Ficou com água na boca?

O projeto foi financiado coletivamente – ela recebeu 2.815 euros de uma campanha do KissKissBankBank – e o restante de quatro empresas patrocinadoras. Os amigos que apoiaram financeiramente receberam queijos como contrapartida. “– Enviei todos os queijos da região de Auvergne, pois queijos de massa dura são mais fáceis de viajar”, disse Claire. Com a ajuda de um amigo cineasta, as imagens da viagem foram transformadas em um curta-metragem. Para assistir em português, clique nas configurações e selecione a legenda “português brasileiro”.

Da primavera ao outono, para escapar do inverno

Sempre percorrendo as estradas nacionais (que não cobram pedágio e são mais simpáticas), Claire se orientava por um mapa impresso da França “– Eu só usava o Google Maps quando estava completamente perdida, foram poucas vezes” ela disse.

Ela deixou a casa dos seus pais em Laval, na região do Pays de la Loire, no dia 10 de abril de 2017 rumo à Bretanha. Depois, em direção ao sul, percorreu a região do Cantal e dos Pireneus. Já no verão europeu, subiu as montanhas de Aspe (região de Nova Aquitânia) e em seguida pedalou para Nîmes, para visitar a região leste pelo vale de Thônes. Dando continuidade, ela chegou ao norte e passou em Lille (onde nos conhecemos em sua visita à redação da revista Profession Fromager, onde trabalho como jornalista). De lá foi para a Normandia e finalmente voltou para casa no dia 14 de outubro. O período foi escolhido para evitar o inverno.

– Para gerenciar a solidão, amigos me acompanharam de bicicleta algumas vezes, por 3 ou 4 dias, mas eu aprecio muito estar sozinha, encontrei um equilíbrio entre estar comigo mesma e conhecer todas essas novas pessoas. Nas praças das pequenas vilas onde passei, as pessoas vinham me questionar, curiosas de ver a bicicleta e os sacos, elas ofereciam ajuda, esses momentos foram muito reconfortantes, foi bom sentir essa solidariedade”, contou ela.

Na fazenda Darley, Bretanha, Claire recebe todo amor de uma vaca. FOTO: Claire Perrinel/Acervo Pessoal

Claire muda de rota rumo a uma queijaria artesanal

Três meses se passaram desde que ela voltou. “– Um período que permitiu digerir minha experiência (e todos os queijos que provei… 🧀) ” brincou ela. A partir de março, ela vai colocar a mão na massa em uma das primeiras queijarias do seu percurso, dos produtores Stan e Emeline da fazenda Carré d’Ouailles. Mas paciência, somente em fevereiro as ovelhas vão parir suas crias e a produção de queijo começa mesmo em março “– Vamos deixar a natureza fazer seu trabalho para então fazer queijo!” finaliza Claire.

A fazenda de criação de ovelhas Carré d’Ouailles fica perto da casa dos pais de Claire.  FOTO: Claire Perrinel/Acervo Pessoal

Claire vai participar do Salon du Fromage de Paris, dia 27 de fevereiro de 2018, em uma conferência sobre sua aventura ciclista queijeira.

As aventuras de Claire e seu diário estão disponíveis no seu  site.

Tags: