Paladar

Bebida

Bebida

Após 40 minutos de prova e tensão, Diego Arrebola é sommelier bicampeão brasileiro

Arrebola alcançou a melhor pontuação entre seis candidatos

03 março 2016 | 19:43 por Isabelle Moreira Lima

Eram 40 minutos para degustar três vinhos às cegas e concluir seus produtores e safras, provar cinco líquidos em taças pretas e dizer do que se tratava cada um deles, realizar serviço de espumante - e certamente o estouro da rolha seria uma gafe imperdoável -, passar por uma rodada de harmonizações com ingredientes pegadinha, decantar um vinho antigo cheio de sedimentos e apontar erros em uma carta de vinho com mais de 10 deles. E, no meio disso tudo, dizer de onde vêm as uvas Pecorino, o que é um vinho laranja e do se trata o tucupi negro mesmo? Diante de tamanho desafio, até campeões tremeram.

 

  Foto: Divulgação

Diego Arrebola, vencedor da última edição do concurso de melhor sommelier do país, realizada em 2012 pela Associação Brasileira de Sommeliers (ABS), subiu ao pódio mais uma vez: tirou o primeiro lugar no Concurso Brasileiro de Sommeliers 2016, realizado nesta quarta-feira, 6, na ABS-SP.

Alcançou a melhor pontuação entre seis candidatos. Mas isso não significa que ele estava tranquilo ou que as provas fossem fáceis. Havia truques em todo lugar: uma taça suja de batom entre as que deveriam ser utilizadas dá uma ideia de em que tipo de casca de banana os desatentos poderiam escorregar.

Em segundo lugar ficou Ramon Rodrigo Justino Piemonte, do Sofitel do Rio, e em terceiro Lerizandra Salvador, do Vicolo Nostro.

Em um mês, Arrebola, que atua como consultor autônomo, vai passar por tudo de novo em Mendoza, onde participa, também pela segunda vez, do campeonato mundial de sommeliers, realizado pela Association de la Sommelerie Internationale (ASI). Diz que se ficar entre os 20 primeiros, fica feliz. “Almejar o primeiro ou segundo lugar seria um delírio”, diz.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.