Paladar

Bebida

Bebida

Saca essa rolha

Isabelle Moreira Lima

Beba o Chile em 10 vinhos de até R$ 100

Não se perca entre tantos terroirs e estilos. Esta seleção vai ajudar você a navegar entre a grande oferta de vinhos chilenos que há no mercado. São rótulos com personalidade, distantes da ideia de bebida massificada

22 março 2017 | 21:06 por Isabelle Moreira Lima

No Brasil, vinho chileno significa, ao mesmo tempo, best-seller e best-buy. É o vinho mais importado pelo Brasil (segundo dados do Instituto Brasileiro do Vinho, o Ibravin) e está entre os que oferecem melhor preço. E, justamente por isso, o mar de opções disponíveis nas prateleiras pode ser enlouquecedor, tantos são os produtores e as regiões, cujos nomes até bem pouco tempo jamais eram pronunciados por aqui – Elqui, Itata, Bio-Bio... 

O cenário vitivinícola do Chile se transforma rapidamente: nem só de vinícolas industriais e grandes operações vive o país. Hoje, são cada vez mais comuns as vinícolas butique, os projetos autorais, as práticas biodinâmicas, as associações de pequenos produtores, entre muitas outras configurações mais charmosas que a ideia de um conglomerado empresarial – ainda que eles sigam fortes e produzam alguns dos principais ícones do país (e por isso, tentemos: abaixo o preconceito!).

Em meio a uma profusão de vales com diferentes terroirs e estilos que ainda estão sendo catalogados – o novo mapa vitivinícola do Chile só deve ficar pronto em 2020 –, escolher o que beber e encontrar um bom custo-benefício pode ser uma tarefa tanto inglória quanto frustrante. Essa página tem a intenção de evitar esse sentimento e iluminar os caminhos para a apreciação de um vinho chileno com personalidade distante da ideia de bebida massificada, “de supermercado”, com preço camarada. (E se algumas castas significativas ou novas regiões ficaram de fora é porque o preço não seria tão amigo assim do seu bolso.)

 

Ficou com água na boca?

 

 

  Foto: Glauco costa Lara/Estadão

 

Se o céu é o limite...

Se o seu orçamento é mais generoso, aqui vão algumas dicas mais ousadas no quesito preço: 

● GRUS 2014 (R$ 197,29 na Decanter): segundo vinho do projeto Alcohuaz, de Marcelo Retamal no vale de Elqui, é fresco e elegante, de taninos finos e potencial gastronômico. 

● Sol de Sol Chardonnay 2009 (R$ 264 na Zahil): feito com uvas do vinhedo mais austral do país, em Traiguén.

● Tara Atacama Pinot Noir 2013 (R$ 383,50 na Bacco’s): do Atacama, tem aromas de terra e cogumelo, longe do que se espera de um pinot chileno.

Ficou com água na boca?