Paladar

Bebida

Bebida

Saca essa rolha

Isabelle Moreira Lima

2017 traz a promessa de uma nova era para a produção do Cava

Produção do espumante espanhol, até então não organizada por região ou hierarquia, vai ganhar primeira categorização: status de 'premium' para alguns rótulos

28 dezembro 2016 | 17:08 por Isabelle Moreira Lima

Um Cava é um Cava é um Cava – não importa se custa R$ 60 ou R$ 500, se é produzido na Catalunha, seu berço essencial, ou em qualquer outro lugar da Espanha. Até hoje, a produção do espumante espanhol não era subdividida ou organizada por hierarquia, região, casta, nada, o que sempre causou confusão para quem não pesquisou antes de adquirir uma garrafa. Tudo isso contribuiu para a difusão da ideia de que é difícil encontrar um Cava bom. 

 

  Foto: Tony Cenicola|Estadão

Mas 2017 traz a promessa do começo de uma nova era. Uma primeira categorização está sendo lançada para Cavas “premium” que se enquadrem em algumas regras: no campo, só vinhas com mais de dez anos e produção máxima de 8 quilos de fruta por hectare; na garrafa, 36 meses de contato do vinho, sempre safrado e sempre brut (ou ainda mais seco), com as leveduras. Se tudo isso for cumprido, o vinho (base e final) tem que ser aprovado por um painel de degustadores e só então pode ser chamado de Cava de Paraje Calificado.

A casa Gramona, uma das mais reconhecidas da Espanha, vê a qualificação como um jeito de salvar uma denominação de origem mal delimitada. A casa inscreve três de suas linhas, a III Lustros, a Celler Batlle e as Gramonas Enoteca. No Brasil, os rótulos Gramona são importados pela Casa Flora.

Ficou com água na boca?

Para Damiá Deàs, há 25 anos enólogo da pequena Vilarnau (do gigante González Byass), o futuro é auspicioso e pode tirar o que há de melhor de cepas como a Macabeo (estrutura, acidez e aroma), Parellada (finesse e frescor) e Xarel-lo (estrutura e álcool), estrelas autóctones do Cava. Da casa, só um Cava receberá o selo de Paraje: trata-se de El Capricis, feito 100% com Xarel-lo fermentado em madeira de castanho nativa, que lhe confere um caráter abaunilhado e rico, que não chega ao Brasil.

De Paraje. Cava dentro da nova qualificação da DO da Vilarnau

De Paraje. Cava dentro da nova qualificação da DO da Vilarnau Foto: Divulgação

Por aqui, a casa é representada pela Inovini, que traz o Vilarnau Reserva Rosé (R$ 104,50), feito com a cepa autóctone Trepat (85%) e Pinot Noir (15%), com notas de geleia de morango e um toque balsâmico no nariz. Não levará o selo de Paraje (“Teremos só um rótulo”, informa Deàs), mas pode ensinar um pouco mais sobre Cava, esse desconhecido tão familiar.

 

 

Ficou com água na boca?