Paladar

Bebida

Bebida

Cinco grandes clássicos da coquetelaria

VÍDEOS: Aprenda a fazer dry martini, margarita, negroni, bloody mary e whisky sour

08 julho 2016 | 14:10 por Carla Peralva

Para um clássico ser um clássico, a receita precisa estar correta. Inspire-se com a história de importantes criações da coquetelaria e aprenda os ingredientes e o modo de preparo correto com Ale D'Agostino, barman do Spot.  

 

Dry martini

O mais clássico dos drinques. Sua história remonta à Guerra Civil americana (1861-1865), e seu nome apareceu pela primeira vez num guia de coqueteis de 1888. Na vida real e na ficção, ele é o drinque com o maior número de fãs ilustres. Para o escritor William Somerset Maugham, o dry martini devia ser sempre apenas misturado, nunca batido na coqueteleira, para não “quebrar” o gim. Já James Bond, o 007, gosta do seu batido. A escritora Dorothy Parker é creditada por uma frase espirituosa que dá uma ideia da potência desse drinque: “Dry martinis são como seios de mulher —um é pouco, três é demais”. Confira a receita por escrito. 

 

Margarita

São muitos os que clamam ter inventado a margarita. E há tantas Margaritas (nome de mulher muito comum em países de língua espanhola) homenageadas quantos autoproclamados criadores. Mas o importante é: esse drinque, uma espécie de "tequila sour", foi criado no México entre 1930 e 1948. E não se engane quanto ao sal - ele não está ali só para embelezar, ele faz parte do sabor do drinque. Confira a receita por escrito.   

Ficou com água na boca?

 

Negroni

Uma parte amaro (estilo de licor italiano amargo, o mais famoso é o Campari), uma parte vermute (feito com vinho fortificado com outra bebida de maior teor alcoólico e aromatizado com ervas e especiarias), uma parte gim. Esse é o negroni, batizado em homenagem ao conde Camillo Negroni que, em 1919, em Florença, o pediu que o barman Fosco Scarselli desse uma "levantada" no americano - bebida comum na região de água com águas com Campari e vermute -, deixando-o mais alcoólico. Scarselli tirou a água com gás, colocou gim e criou um clássico. Confira a receita por escrito.  

 

Bloody mary

A origem do bloody mary é incerta, e tema de disputa entre diferentes bares em Paris e nos EUA. A versão mais aceita da história conta que o drinque foi inventado por Fernand Petiot. A questão é quando: em 1920, quando Petiot era um jovem bartender no Harry's New York Bar, em Paris, ou na década de 1940, já de volta aos Estados Unidos, onde a mistura (ainda não temperada) de vodca com suco de tomate já era popular devido ao comediante George Hessel? Confira a receita por escrito. 

  

 

Whisky sour

Criação americana que data de 1870, tem a estrutura típicas do drinques "sour" (azedos): um elemento azedo (o suco de limão), um elemento doce (o açúcar), um elemento alcooólico forte (o uísque). A clara de ovo é usada para dar textura. Confira a receita por escrito. 

Ficou com água na boca?