Paladar

Bebida

Bebida

Só de birra

Heloisa Lupinacci

Da Grécia, com cerveja

Bebidas delicadas, mas expressivas, e facílimas de beber são as melhores surpresas do roteiro grego

02 agosto 2017 | 19:08 por Heloisa Lupinacci

Muitas inscrições da Grécia antiga referem-se a si mesmas. Dizem, por exemplo, “isto é uma homenagem”. Muitas vezes na primeira pessoa. “Sou uma homenagem”. Vou homenagear todas elas de uma vez, olha só. Isto é uma coluna. E estou na Grécia.

Estamos diante, portanto, de uma legítima coluna grega. Quem acompanha cerveja pode, como eu, querer torcer o nariz. Cerveja grega, sério? Sério. Esqueça a Fix Hellas, que foi importada para o Brasil com preço e status de cerveja especial. Chegava cansada e cara. Deixou, ao menos em mim, má impressão – e a sensação de que essa seria uma viagem de tomar vinho. Bobagem. Encontrei uma crescente e interessante cena de cervejas artesanais.

Esqueça as cervejas cansadas que já tomou, cerveja grega é delicada e refrescante, para-calor

Esqueça as cervejas cansadas que já tomou, cerveja grega é delicada e refrescante, para-calor Foto: Heloisa Lupinacci|Estadão

Na Grécia Antiga, de uma cidade para a outra, o dialeto poderia ser mais diferente do que a distância entre português e italiano. Na Grécia de hoje, a cada parada, há uma nova coleção de cervejarias e rótulos para serem provados. Felizmente uma boa amostra dessa forte regionalidade pode ser explorada em Atenas, onde começam a aparecer lojas especializadas (como a BeerCorner), boas prateleiras nos supermercados e extensas cartas em restaurantes.

Ficou com água na boca?

Em termos de estilo, a cerveja artesanal grega parece apontar para duas direções: de um lado, buscam o estilão norte-americano, com lúpulo até dizer chega em cervejas mais encorpadas. Por outro, com o verão bombando, clima de praia, pessoal de férias, fica bem claro que as cervejarias miram o perfil super-refrescante. E com bons resultados. Cervejas delicadas, mas expressivas, e facílimas de beber são as melhores surpresas desse roteiro.

Agora, parakalō (quer dizer por favor e soa como para-calor – que calor, que calor!), no boteco ou no quiosque (são muitos, espalhados, com cerveja e outras bebidas geladas, sorvete...), sem frescura. vai Fix Hellas, Alpha, Mythos... Elas cumprem bem o papel de para-calor.

CERVJAS GREGAS QUE VALEM A VIAGEM

FRESH CHIOS BEER  

A Chios Beer, que fica na ilha de mesmo nome, domina o topo do Ratebeer entre as cervejas gregas. Essa “house ale”, cerveja da casa, é um exemplo de equilibrio. É seca, sem ser seca demais, amarga, sem ser amarga demais, e tem textura muito agradável, chega a ser macia. A única coisa extrema nela é a refrescância: o foco é nas notas cítricas e o fim do gole é limpo, limpo. Uma delícia. Combina com spinakopita, a torta de massa folhada com recheio de espinafre perfeita para matar a fome do meio da tarde.

NISSOS PILSNER ARTISANAL  

Pilsner com jeitão bem europeu, austera, aponta para a escola alemã. Feita em Tinos, nas chamadas ilhas Cíclades, é elegante e exige atenção. Tem complexidade, apesar de ser uma cerveja para espantar o calor. Tem notas de malte bem marcadas. Tem presença, convida a pensar em combinações com comida. Eu iria de espetinho de frango, uma das maiores surpresas da comida de rua grega (quanto sabor pode existir em uma fileira de cubos de frango temperados com azeite e sal e grelhados).

 

  Foto: Divulgação

THE PELICAN PILS BEER 

“Nascida em Mykonos”, essa cerveja é como a ilha onde nasceu: uma festa. Dourada, refrescante e delicada, tem um delicioso aroma floral, que começa a conversa. Depois, é tudo grão. Goles limpos, refrescantes e fáceis. Se algum dia estiver por ali e der um pulo no sítio arqueológico de Delos, a 30 minutos de barco de Mykonos, tem essa cerveja no café dentro das ruínas. Ela fica ainda mais gostosa ali, entre uma pernada e outra. Combina com salada grega (tomate, pepino, cebola, azeitona e queijo feta).

SOLOS PSAKI IPA

Exemplo da parcela de cervejas gregas que fazem o estilo norte-americano, essa é uma boa IPA, bem equilibrada, bem à moda antiga (agora que quando se fala em IPA todo mundo pensa em juicy, é importante deixar claro), com uma base de malte parruda, bastante caramelo, amargor acentuado e notas cítricas e herbais em primeiro plano. A Solo é uma marca da ilha de Creta, mas a cerveja é produzida na Noruega e tem jeitão de americana. Combina com o souvlaki indiano, bem fusion – e bem intenso, que pode ser encontrado em Atenas e mistura as especiairas da comida indiana com a estrutura do sanduiche de rua grego (carne, molho de iogurte, pepino, tomate e alface).

Ficou com água na boca?