Paladar

Bebida

Bebida

Época de colheita de vinhos em promoção

A pedido do Paladar, cinco especialistas escolheram cada um cinco boas compras na safra de liquidações do ano

15 janeiro 2014 | 21:25 por redacaopaladar

Passadas as festas de fim de ano, as importadoras e lojas dão a largada para a tradicional temporada anual de ofertas, um jeito de driblar este que é o trimestre comercial mais fraco do ano.

É uma época de oportunidades e riscos. “Antes de tomar uma decisão precipitada, o consumidor deve se perguntar: este é um rótulo que eu sempre quis comprar? Será que não encontro vinhos mais convidativos entre os de preço cheio?”, recomenda o enófilo e consultor José Luiz Pagliari.

É importante saber que há algumas razões para um vinho estar na promoção: estar no limite do prazo ideal de consumo, estar com o rótulo danificado ou ter deixado de ser importado pela empresa, que agora quer liquidar o estoque.

O Paladar convocou cinco especialistas para avaliar as promoções das principais importadoras. Cada um escolheu cinco rótulos que valem a pena e deu dicas de como evitar ciladas.

EVITE ROUBADAS

Cuidado com os brancos de safras muito antigas, salvo se forem vinhos sabidamente longevos. Nos tintos, observe a safra, a uva, a região, o produtor e o grau alcoólico, para avaliar o potencial de envelhecimento – vinhos mais alcoólicos e fortificados duram mais. Informe-se antes de ir às lojas. Estude, compare preços, leia avaliações.

Examine as garrafas. Rótulos enrugados ou manchados não são garantia de que o vinho está estragado, mas você pode evitar levar para casa essa dúvida.

Ao comprar champanhe ou espumantes, que não costumam trazer a data em que foram arrolhados, pergunte ao vendedor quando aquele vinho foi importado.

DANIELA BRAVIN

Sommelière e proprietária do restaurante Bravin

1583 Albariño de Fefiñanes 2010

De R$ 200,90 por R$ 116, na Decanter

Lindo albariño com madeira que, bem aplicada, resultou num vinho equilibrado. Aromas cítricos, mineral, boca gorda e fresca. Boa harmonização com vieiras.

TEXTOTeroldego Rotaliano Mezum 2004

De R$ 247 por R$ 123,50, na Decanter

Oportunidade de provar o vinho feito por Paolo Zanini, especialista na casta Teroldego, que tem aromas de framboesas, mirtilos, alcatrão. Vinho de enorme tipicidade. Vai bem com carne branca.

Domaine Clos Ouvert Carmenère 2009

De R$ 97,50 por R$ 47,50, na World Wine

Resultado do projeto de dois enólogos no Vale do Maule que tinha supervisão de Marcel Lapierre e usava a técnica da maceração carbônica. É uma chance de provar um vinho que não será mais produzido. Nariz herbáceo, notas de especiarias e defumado. Boca rica e equilibrada, com acidez marcante. Longo. Bom para acompanhar carnes de grelha e sem molhos.

Egon Müller Scharzhofberger Auslese Goldkapsel

De R$ 666 por R$ 333 (375 ml), na Grand Cru

Ouro líquido. Se couber no bolso, a hora de comprar é agora. A família mora no local e pratica vitivinicultura desde 1797. Feito a partir de uvas botritizadas, tem aromas potentes e ricos. Na boca, é denso e elegante. Surpreendente. Combina com foie gras.

Champagne Brut Carte Blanche Maxime Blin

De R$ 230 por R$ 161, na Vinea

Maxime Blin é um jovem vinhateiro cuja família trabalha em Champagne há quatro gerações. Boa chance

de compra. Vinho de muita estrutura e frescor, combina com ostra.

JOSÉ LUIZ PAGLIARI

Enófilo e consultor

Champagne Brut Carte Blanche Maxime Blin

De R$ 230 por R$ 161, na Vinea

Pode até não ser o champanhe mais barato que você pode encontrar no comércio, mas a garantia de ser negociado pelo importador garante a origem legal do produto. O diferencial desse espumante é ser produzido só com as duas principais castas tintas da região, a Pinot Noir e a Pinot Meunier, com a predominância da última. A ausência da Chardonnay tira um pouco da cremosidade, mas garante à bebida um perfil mais terroso.

Pinot Gris Tradition 2009 Hugel & Fils

De R$ 114,70 por R$ 74,56, na World Wine

Este branco do tradicional produtor alsaciano é uma boa introdução à variedade Pinot Gris, cepa de personalidade, com seu corpo e vocação para a mesa, enfrentando pratos relativamente pesados. Com potencial de guarda, tem um caráter mais seco se comparado aos que são produzidos usualmente na região, com colheita mais tardia.

Fabre Montmayou Grand Vin 2007

De R$ 228 por R$ 136, 80, na Expand

Um clássico do novo vinho argentino, com a elegância do proprietário bordalês, feito de uvas de videiras quase centenárias de Luján de Cuyo. Predominantemente Malbec, traz Cabernet Sauvignon e Merlot no corte moderno e harmônico.

Peique Viñedos Viejos 2007

De R$ 120,20 por R$ 72,12, na Decanter

Produzido com a uva Mencia da D. O. Bierzo, de vinhas com 55 anos ou mais, é um tinto prazeroso, para costurar uma conversa entre amigos à mesa.

Antiyal Blend 2009

De R$ 230 por R$ 161, na Vinos e Vinos

Outro grande representante do Cone Sul, produzido por Álvaro Espinosa, é um corte de Carmenère, Cabernet Sauvignon e Syrah do Valle del Maipo. Segue as normas de agricultura biodinâmica. Fruta e mineralidade enchem o paladar.

LENA MATTAR

Sommelière

Strabon Bronce 2009

De R$ 55,60 por R$ 22,24, na Decanter

Vinho elaborado 100% com a casta Tinta de Toro (Tempranillo) que, depois de seis meses em barricas francesas e americanas, ganhou boa estrutura, aromas de frutas negras, chocolate e baunilha. Ótima pedida para compor o estoque de vinhos do dia a dia (foto).

Champagne Laurent-Perrier Brut

De R$ 269 por R$ 219, na Ville du Vin de Alphaville

Quem não abre mão de champanhe na hora das borbulhas pode aproveitar o momento para adquirir os rótulos tradicionais.

Amelia 2011

De R$ 199 por R$ 169, na Ville du Vin de Alphaville

O legal desse Chardonnay chileno é que ele é diferente da maioria dos que vêm do Chile. O primeiro gole foi uma (boa) surpresa! Mineralidade e frescor da região de Casablanca.

Campo ai Sassi Rosso di Montalcino 2007

De R$ 145 por R$ 72,50, na Grand Cru

Para os fãs dos vinhos italianos feitos à base de Sangiovese, esse rosso di montalcino (uma versão mais simples e fresca dos cobiçados Brunellos) é uma boa oportunidade – bom produtor, bom vinho e ótimo preço.

Rèmole Toscana 2008

De R$ 55 por R$ 27,50, na Grand Cru

Do mesmo produtor do Campo ai Sassi, esse seria um vinho despretensioso para o dia a dia, bom para acompanhar macarronadas. Leve e fresco, cai bem nestes dias quentes, pois pode ser servido um pouco mais refrescado.

ENNIO FEDERICO

Enófilo e consultor

Santa Rita Floresta Apalta 2005

De R$ 131 por R$ 91,70, na Grand Cru

Duplamente premiado em eventos internacionais, a safra 2005 desse vinho foi considerada marcante por Robert Parker e recebeu 90 pontos do crítico Stephen Tanzer. Como oito anos já foram suficientes para o amaciamento dos taninos, deve ser bebido de preferência em 2014.

Mullineux Syrah 2010

De R$ 165 por R$ 124, na Qual Vinho?

Uma nova geração de viticultores orientada pelo terroir está criando na África do Sul vinhos de classe mundial. É o caso desse Mullineux, que recebeu 5 estrelas no John Platter’s Wine Guide – considerado a bíblia dos vinhos sul-africanos – e 92 de Robert Parker!

Gil Luna Reserva Especial 2005

De R$ 254,30 por R$ 132,90, na Decanter

A bodega Gil Luna é uma pequena propriedade em Toro. As uvas com o nome regional Tinta de Toro são cultivadas organicamente em vinhedos com mais de 60 anos. Envelhecido por 24 meses em carvalho francês de primeiro e segundo usos, o blend leva também 5% de Grenache. Difícil encontrar um reserva espanhol por esse preço.

Domaine E. Guigal Condrieu 2009

De R$ 320 por R$ 256, na Expand

De produção muito limitada, é um vinho encorpado, rico em álcool, com sabor marcante. No paladar, é delicado, elegante, untuoso e harmônico, com leve acidez. Experiência rara.

Castello Banfi Centine IGT 2010

De R$ 81,20 por R$ 52,78, na World Wine

Blend de Sangiovese, Cabernet Sauvignon e Merlot – portanto, um supertoscano –, o Centine 2010 foi envelhecido por seis meses em barricas de carvalho e recebeu 87 pontos da Wine Spectator. Deve ser bebido em 2014.

ALEXANDRE BRONZATTO

Advogado e degustador do “Guia Gambero Rosso 2014″

Barolo Cascina Nuova 2009

De R$ 219 por R$ 131,40, na Vinos e Vinos

É quase impossível achar Barolo no Brasil por menos de R$ 200. Imagine então achar um de bom produtor, caso de Elvio Cogno, por menos de R$ 150? Ótima compra, assim como o Barbaresco Bordini 2010 (de R$ 220 por R$ 132), do mesmo produtor.

1583 Albariño de Fefiñanes 2010

De R$ 200,90 por R$ 116, na Decanter

Indicar um Albariño com passagem por madeira é quase uma provocação a radicais que pretendem abolir a madeira do vinho, indistintamente. Prefiro Albariños sem madeira, mas este é um exemplo de que, bem usada, ela contribui.

Champagne Jacquesson Cuvée nº 735 Brut

De R$ 332 por R$ 215,80, na World Wine

Mineral e elegante, feito com vinhos da safra 2007, completados com reservas 2006 (22%) e 2005 (6%), sem filtração.

Egon Müller Scharzhofberger Auslese Goldkapsel

De R$ 666 por R$ 333 (375 ml), na Grand Cru

Vinho de sobremesa extraordinário. Com equilíbrio perfeito entre açúcar e acidez. É de um dos melhores produtores alemães, com preço equivalente ao dos EUA.

SERVIÇO

Barrica Negra

Até 28 de fevereiro, desconto em quatro rótulos argentinos.

R. Rocha, 305, Bela Vista, 3368-6267

Casa Santa Luzia

Até o dia 20, desconto em dois portugueses e dois franceses.

Al. Lorena, 1.471, Jd. Paulista, 3897-5000

Cultvinho

Até dia 31, desconto em três espanhóis.

R. Normandia, 86, Moema, 5051-3650

Decanter

De 28 de janeiro a 1.º de fevereiro, desconto de até 50% em mais de 300 rótulos.

R. Joaquim Floriano, 838, Itaim Bibi, 3702-2020

Empório Frei Caneca

Até o dia 31, desconto em 11 vinhos de países como Itália, Austrália e Portugal.

R. Frei Caneca, 569, Shopping Frei Caneca (3.º piso), Consolação, 3472-2082

Empório Santa Maria

Até o fim de fevereiro, desconto em 15 rótulos, principalmente da Itália.

Av. Cidade Jardim, 790, Itaim Bibi, 3706-5211

Expand

Até o dia 31, descontos de 10% a 40% em vinhos de países como Itália, França, Chile e África do Sul.

Av. Magalhães Castro, 12.000, térreo, Cidade Jardim, 3552-2115 e 3847-4761

Grand Cru Importadora

Até 8 de fevereiro, descontos de 25% a 60% em rótulos do Velho e do Novo Mundo.

R. Bela Cintra, 1.799, Jd. Paulista, 3062-6388

Qual Vinho?

Até 2 de fevereiro, desconto de 20% a 30% em cinco rótulos sul-africanos.

R. Costa Carvalho, 561, Pinheiros, 3032-1007 e 3031-7739

SmartBuy Wines

Até o dia 30, descontos de 10% a 35% em rótulos dos EUA, Itália, Argentina e França.

R. Atílio Innocenti, 647, Itaim Bibi, 3045-5536

St. Marché

Até o fim de fevereiro, desconto em 13 rótulos portugueses, 3 espanhóis e 2 argentinos.

Av. Comendador Adibo Ares, 275, Morumbi, 3744-5595

Ville du Vin

Até 31 de janeiro, desconto de 10% a 45% em tintos, brancos e espumantes da França, Itália, Portugal, Chile e Argentina.

Al. Tocantins, 75, Barueri, 4208-6061

Vinea

Até 15 de fevereiro, desconto de até 60% em mais de 150 rótulos de vários países.

R. Manoel da Nóbrega, 1.014, Paraíso, 3059-5200

Vinos e Vinos

Até 7 de fevereiro, desconto de até 40% em mais de 50 vinhos, entre chilenos, franceses e italianos.

R. Sergipe, 132, Higienópolis, 3156-8425

Wine.com

A partir de amanhã e até segunda-feira, desconto em mais de dez rótulos. Todos com entrega gratuita.

www.wine.com.br

World Wine

De 20 de janeiro a 22 de fevereiro, desconto em 140 rótulos de países como Argentina, Espanha, Itália, Portugal, Chile, Estados Unidos e França.

R. Padre João Manuel, 1.269, Jd. Paulista, 3085-3055

Mistral e Vinci

Até o fim de janeiro, cotação do dólar a R$ 2,19 e vinho de brinde para compras acima de R$ 500. Na compra de 5 vinhos de uma lista, leva 6 (ou compra 11 e leva 12). Como não há redução no preço de rótulos específicos, os vinhos dessas importadoras não estão nas seleções dos especialistas.

Mistral: R. Rocha, 288, Bela Vista, 3372-3400

Vinci: R. Pamplona, 917, Jd. Paulista, 3130-4500

>> Veja a íntegra da edição do Paladar de 16/1/2014

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.