Paladar

Bebida

Bebida

Mundo do vinho perde mais dois franceses

Morreu nos últimos dias Etienne Hugel, diretor da vinícola Hugel, na Alsácia, e Louis Latour, da Maison Louis Latour, na Borgonha

11 abril 2016 | 15:38 por Isabelle Moreira Lima

O mundo do vinho perdeu mais dois franceses na última semana. Etienne Hugel, diretor-comercial da vinícola de sua família, a Hugel, em Riquewihr, na Alsácia, e o produtor borgonhês Louis Latour, da Maison Louis Latour, uma das maiores da região - e que não guarda relação com o Château Latour, que fica em Bordeaux.

As mortes ocorreram menos de um mês depois das de Henri Bonneau, produtor de Châteauneuf-du-Pape, no sul do Rhône, e de Paul Pontallier, enólogo do célebre Château Margaux.

+ LEIA MAIS

Dois ilustres enólogos franceses morrem em uma semana

Ficou com água na boca?

Ettienne Hugel tinha 57 anos e era conhecido por sua capacidade de comunicação - era um mestre das redes sociais - e simpatia. Bem-humorado, em eventos da indústria, era comum que aplicasse nos colegas tatuagens temporárias com nomes de uvas. Membro da 12ª geração da família Hugel, ele via os filhos e sobrinhos começarem a trabalhar na vinícola. 

Etienne Hugel, da vinícola Hugel, na Alsácia

Etienne Hugel, da vinícola Hugel, na Alsácia Foto: Divulgação

Etienne, que substituiu seu tio Jean na empresa, tinha como função viajar o mundo para divulgar a produção da Hugel, assim como recebia convidados importantes na vinícola. Acabou por virar um embaixador não só da Hugel, como da Alsácia.

Casado com a sommelière japonesa Kaoru, ele viajava constantemente para a Ásia, que virou um mercado-chave para a Hugel. Etienne deixa a mulher e dois filhos.

Louis Latour tinha 83 anos e era responsável pela modernização da Maison Louis Latour, uma das maiores da região, que dirigiu por 40 anos. 

Fundada em 1797, o Domaine Louis Latour conta com 47 hectares, sendo 28 deles de vinhedos Grand Cru na Cote d’Or. Louis Latour era parte da 10ª geração da família a cuidar da vinícola.

Nascido em 1932, Latour assumiu a empresa em 1958 e ficou no posto até ser sucedido por seu filho Louis-Fabrice em 1999. Suas benfeitorias incluem o início da produção de Chardonnay em Ardèche em 1979 e um projeto similar para produzir Pinot Noir no Domaine de Valmoissine em 1989. Ele também ergueu uma vinícola moderna, a Clos Chameroy, na fronteira de Beaune no fim dos anos 1970 e abriu subsidiárias nos EUA (1986) e no Reino Unido (1990).

 

Ficou com água na boca?