Paladar

Bebida

Bebida

Serge Hochar: Bravura, carisma e ótimos vinhos

O ano começou com a triste notícia da morte de Serge Hochar. O libanês à frente do Château Musar estava em férias com a família em Acapulco quando morreu subitamente, aos 75 anos, enquanto nadava no mar.

07 janeiro 2015 | 16:53 por marcelmiwa

Assumiu o Château Musar em 1959, após se formar em enologia em Bordeaux, sob a tutela de Émile Peynaud. Sofreu com o período de guerra civil em seu país (1975-1990), mas conseguiu manter a Musar entre as cinco vinícolas sobreviventes da guerra. Mas não foram apenas a bravura e a persistência de colher e transportar uvas desviando-se de bombardeios que o colocaram entre os grandes do mundo do vinho, e sim a reconhecida a qualidade de seus rótulos – o tinto feito à moda de Bordeaux com Cabernet Sauvignon, Carignan e Cinsault e o branco que lembra o grande espanhol Viña Tondonia feito com as uvas nativas Obaideh e Merwah. Hochar viajou o mundo promovendo o vinho de seu país. A mescla de enólogo e embaixador levou a revista britânica Decanter a elegê-lo Homem do Ano em 1984, na edição inaugural do prêmio.

Viajante. Hochar corria mundo promovendo vinhos libaneses. FOTO: Sasha Maslov/NYT

Em 2012, Hochar esteve no Brasil para apresentar seus vinhos no Encontro Mistral, evento de seu importador. O vizinho de estande era o produtor Pascal Jolivet, do Loire. No momento que o francês teve de sair de seu posto por alguns minutos, Serge Hochar não teve dúvidas e assumiu o posto de Jolivet para servir os visitantes. Foi impressionante vê-lo explicar os vinhos do vizinho e comentar a influência do solo com sílex em alguns Sauvignons Blanc do Loire. Como o libanês dizia, “o vinho está acima de questões políticas”. Seus filhos, Gaston e Marc, e seu sobrinho, Ralph, já cuidavam do dia a dia da vinícola e seguem como responsáveis pelo Château Musar.

Ficou com água na boca?

>>Veja a íntegra da edição do Paladar de 7/1/2015

Ficou com água na boca?