Paladar

Bebida

Bebida

Tem barbera e syrah em Cocalzinho

Por Cintia Bertolino

29 maio 2013 | 23:05 por redacaopaladar

Especial para o Estado, de Pirenópolis, Goiás

Pois foi justamente isso que o goiano fez. Em 2005, ele plantou as primeiras mudas de Barbera e Sangiovese, além das variedades Syrah e Tempranillo, todas importadas da Itália. Fez um vinhedo de 4 hectares, há 950 metros de altitude, em sua fazenda incrustada na goiana Serra dos Pirineus.

Diante de interlocutores boquiabertos com a ideia de vinhedos resplandecendo no Cerrado goiano, Marcelo rejeita a pecha de ousado. Com precisão quase científica, deixa claro que gastou muito tempo pesquisando clima, solo e o estilo de vinificação que gostaria de implantar. “Descobri que nossa região é ideal para algumas uvas tintas. O clima é similar ao dos desertos californiano e chileno”, diz. “Temos uma extraordinária amplitude térmica. Durante o dia, faz sol e muito calor. À noite, esfria e a temperatura chega a cair pela metade.”

Ficou com água na boca?

A escolha das uvas levou em consideração as características da Barbera e da Syrah, que produzem vinhos encorpados, potentes, além da adaptabilidade e o fato de essas variedades não serem tão difundidas no Brasil.

Graças à previsibilidade do clima, a vindima goiana regula com a europeia. A colheita é feita entre agosto e setembro, à noite, horário em que o clima está ameno. “Uma das características da viticultura tropical é o controle que o produtor tem nas mãos. Não há mudanças drásticas no clima, mais comuns no Hemisfério Norte.”

A primeira safra rendeu 800 garrafas, em 2008. Marcelo desarrolhou um pouco antes da hora. Não conteve a curiosidade. Gostou do que experimentou. Em 2009, o vinhedo foi poupado. A safra 2010, lançada em 2011, rendeu cerca de 4 mil garrafas de Intrépido, feito com Syrah (foto). e Bandeiras, com Barbera e uma pequena porcentagem de Tempranillo e Sangiovese. Lembra pouco o Barbera produzido em Alba e Asti, na Itália. Amadeirado demais, passou por estágio em carvalho novo.

Para a safra 2012, o produtor está empolgado: espera para os vinhos uma evolução e tanto.

 FOTO:  André Dusek/Estadão

Intrépido, 2010. Feito com Syrah e um pouco de Tempranillo, passou 11 meses em barrica de carvalho. Tem o frescor e o aroma de ameixas vermelhas da Syrah, com potencial para envelhecer. Um vinho surpreendente. Ganhava um brinde quem decifrasse a procedência.

Onde comprar: Pirineus Vinhos e Vinhedos

 pirineusvinhos at gmail.com

Tel.: (62) 3331-3922

>> Veja todas as notícias da edição do Paladar de 30/5/2013

Ficou com água na boca?