Paladar

Bebida

Bebida

Saca essa rolha

Isabelle Moreira Lima

Vinho Overture deveria ser uma abertura, mas virou uma ópera inteira

Irmão caçula do Opus One chega ao mercado brasileiro

11 outubro 2017 | 19:06 por Isabelle Moeira Lima

Em música, o termo overture diz respeito à abertura de uma peça sinfônica ou ópera maior que, com o passar dos anos, acabou tomando vida própria. Overture é também o nome do irmão caçula do Opus One, o vinho mais valorizado produzido na Califórnia.

Seria uma abertura para a grande estrela, nascida da parceria entre o Barão Philippe de Rothschild, de Bordeaux, e o produtor de Napa Valley, Robert Mondavi. Acontece que ele também ganhou vida própria e virou obsessão do wine hunter Vicente Jorge, da Wine.com.br, que o perseguiu durante os cinco anos em que duraram as negociações para trazê-lo ao País. Há cerca de um mês, Jorge finalmente alcançou seus objetivos e recebeu o lote de 900 garrafas do vinho que hoje é vendido a R$ 999 no site (contra até R$ 4,5 mil do irmão mais velho Opus One). 

+ Incêndio atinge 100 mil hectares na Califórnia, deixa mortos e destrói vinícolas

+ Conheça a história de um legítimo Lafite chinês

Ficou com água na boca?

Como o primogênito, o Overture é um corte clássico bordalês, de Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot, Petit Verdot e Malbec. Passa 18 meses em barrica francesa e descansa outros 18 em garrafa antes de ir ao mercado. É feito com as uvas da segunda divisão, aquelas que não são excelentes para entrar no Opus One e, por isso, nem todo ano é produzido. Podem entrar nele também vinhos reserva de outras safras, portanto pode-se dizer que é um corte de castas e de anos. Isso explica a opção de não safrar o vinho, o que torna a guarda um enigma. Vicente garante que fica excelente com cinco anos de idade, mas como comprovar seu nascimento?

 

  Foto: Wine

Provei o vinho do lote que chegou agora ao portfolio da Wine.com.br. Já estava incrível, com muita fruta negra madura, ecos de especiarias, de tabaco, uma descoberta a cada nova aspirada. Na boca, mais que elegância, usaria o termo donaire. Mil reais parece uma loucura para um “segundo vinho”. A única justificativa plausível seria a vida própria desta abertura. 

Ficou com água na boca?