Paladar

Comida

Comida

Cortina de fumaça: a produção de carne de fumeiro no Recôncavo Baiano

Produtores de Maragogipe, no Recôncavo Baiano, mantêm viva mais uma tradição gastronômica brasileira ameaçada de extinção, a carne de fumeiro, cortes de porco salgados e defumados devagarinho no moquém

15 abril 2015 | 19:19 por redacaopaladar

Por Daniel Telles Marques (texto) e Fernando Sciarra (fotos)

De Maragogipe/Bahia 

Nem mesmo Dorival Caymmi, o mais baiano dos baianos, colocou a carne de fumeiro em seus versos. Cantou o vatapá, o caruru, o acarajé, as baianas, a vida dura dos pescadores, mas não os moquéns em que as carnes de porco são defumadas por horas, onde negros e caboclos se debruçam imersos nas nuvens de fumaça zelando pela qualidade de uma das iguarias mais baianas e menos turísticas.

Comida de baiano iniciado, a carne de fumeiro – ou apenas o fumeiro, como se chama a carne defumada no moquém –, é ingrediente proibido, integrante da lista de produtos tradicionais que não estão adequados às exigências legais. Resiste na ilegalidade, com produtores na pequena Maragogipe, incrustada no Recôncavo.

Ficou com água na boca?

Maragogipe é ora vale, ora monte, tem vegetação densa ao entorno e manguezais. Requer tração para enfrentar suas ladeiras e benevolência para perceber nos casebres carcomidos pelo tempo a riqueza perdida no passado. A origem do nome não é unanimidade entre historiadores. Há uma sobre povos nativos da região, os Marago-jyp (“braços invencíveis”), outra como significado para “rio dos marahús ou dos maracujás” – apesar de não haver indícios de que o lugar tenha sido uma região fértil em maracujás – e a última para vocábulos tupi-guarani, sendo “mara” um correspondente à guerra, “goia” a vale e “ipe”, rio, ou seja, vale e rio onde se faz a guerra.

LEIA MAIS:

+ Carne de fumeiro em restaurantes da Bahia e de São Paulo

Nada no batismo faz menção às atividades que colocaram a cidade no mapa do paladar. Foi ali que surgiu a variedade de café Maragogipe, levada para a América Central e praticamente extinta no Recôncavo. A cidade foi polo de produção fumageira para três grandes empresas de charutos até o início do século passado; e como lugar de produção de uma das iguarias mais tradicionais da Bahia, pouco conhecida fora do Estado.

Sob o sol sem trégua da segunda parte da manhã, Simone Assis agarrava-se à traseira da moto na descida da ladeira de paralelepípedo do Alto do Cruzeiro. As pernas, apesar de acostumadas às subidas e descidas ingratas, estavam atrasadas para o percurso até a praça do Fórum, ponto de encontro para quem chega à cidade em busca do seu produto mais nobre, ainda que ilegal.

Presidente da Associação de Produtores de Carne de Fumeiro, organização que reúne os remanescentes da técnica de conservação e têmpera da carne de porco, o moquém, Simone, é a porta voz de uma tradição em vias de extinção. Como os produtores ainda não conseguiram se adequar às exigências do Ministério da Agricultura e da Vigilância Sanitária para a produção das mantinhas, chouriças gordas e magras, linguiça de cabeça, entre outros defumados do focinho ao rabicó, a entidade que Simone representa é para a justiça algo como uma organização criminosa gastronômica.

Crescida em meio à fumaça e sangue, Simone acompanhava o pai na matança dos porcos, no destrinchar e depois, na salga e defumação lenta e longa das peças de carne. Com ele, também aprendeu a técnica rústica que, pelo teor de sal e tipo de defumação, faz a carne resistir mais tempo em cozinhas que até a metade do século passado não tinham geladeiras.

Viu junto com a ascensão social e o arrocho nas regras sanitárias de produção, a debandada de produtores, que hoje são apenas 14. Fumeiro passou a ser vista como carne de gente pobre, porém é cara demais para o pobres (com a defumação, perde até 20% do peso original), sem competitividade no mercado. E de alguns anos para cá, ações do Ministério Público têm acuado os produtores por conta das condições sanitárias de preparo. “Tratam a gente como bandido”, diz Simone.

A promotora Neide Romão tem seu ponto. “Os locais (de produção e manipulação da carne) se encontram inadequados para o abate e beneficiamento. Instalei um inquérito civil para apurar irregularidades que chegaram ao meu conhecimento, não somente sobre a falta de estrutura, como também o transtorno que causavam e causam a quem está no entorno”, diz. Segundo ela, esses motivos obrigaram o Ministério Publico a ajuizar uma ação civil pública para requerer o fechamento dessas unidades. Os produtores resistem, atrás de uma cortina de fumaça que embaralhou o consumo local com a proibição legal.

Ar de churrasco e copo de cerveja

Dia de moquear é também dia de cerveja. Valfredinho, um dos melhores produtores da região, corta um naco da mantinha e um pedaço de uma das linguiças e as coloca sobre a brasa, fazendo a gordura pipocar ao entrar em contato com o fogo, perfumando mais ainda a fumaça que nublava a manhã. Um litrão de cerveja aparece na mão de quem chega e o expediente se confunde com farra.

Ilegalmente, Valfredinho continua a produzir dentro da cidade. Corpo suado e pintado pela fuligem das brasas, ele cobre e descobre as matinhas para concentrar a fumaça. Faz isso por quatro a cinco horas, no moquém, num cenário de varais de madeira repletos de carnes estendidas a um metro de altura do braseiro e , fumaça constante – misturada ao delicioso cheiro de churrasco – e montes de carnes já preparadas descansando sob uma mesa de madeira.

Sua produção sai rumo a Salvador no porta-malas de um carro comum como estratégia para passar pela fiscalização nas estradas e diminuir o risco de apreensão da mercadoria. Parte fica na cidade, vendida na feira de sábado e em restaurantes de toda a região.

A proibição do fumeiro é dessas que não pegou. Na feira de Maragogipe, encontra-se a carne com facilidade. Mas mesmo em Salvador, bares e restaurantes vendem a carne abertamente, é petisco frequente nas mesas. Desde que o Ministério Público passou a acompanhar de perto a produção, Simone e companhia se organizaram para contornar a situação de ilegalidade.

Com apoio da prefeitura de Maragogipe e do consórcio Enseada Indústria Naval, elaboraram um projeto para a construção de uma central de beneficiamento de fumeiro que atenderia as exigências sanitárias para a produção do fumeiro. Com a suspensão das obras do Estaleiro no começo do ano, o projeto da central também está parado.

O projeto prevê a construção de um prédio para armazenamento da carne in natura e preparo do fumeiro, com paredes azulejadas, mesas de aço inox e uma central de defumação a ser compartilhada por todos, mesmo que cada um dos produtores tenha seus segredos.

O chef Caco Marinho, de Salvador, é um entusiasta do fumeiro. Embarcou para o Recôncavo para conhecer produtores e coloca esporadicamente nos cardápios de seus restaurantes o fumeiro de Maragogipe. Diz estar preocupado com a criação de uma central de beneficiamento por temer a uniformização de todos os produtores. “Não adianta azulejar tudo para acabar com a salmonela e botulismo se matar a tradição”, diz.

Cortes da tradição

Mantinha

Mantinha

A mais famosa dos fumeiros, é feita com o chã de dentro ou coxão mole do porco, tirada em um corte que é motivo de orgulho entre os produtores. Rosada e fibrosa, é a melhor opção para grelhar ou assar sob a brasa. Ideal para escondidinho e farofas. Já foi usada em substituição ao bacon no preparo de um espaguete a carbonara pelo chef Caco Marinho, do restaurante DOC Casual Dinning, de Salvador. Para reconhecer uma boa peça, fique atento ao peso: se tiver mais de quatro quilos, provavelmente a peça veio de uma porca velha, de carne dura.

Linguiça de cabeça

Feita apenas sob encomenda, é elaborada com carne da cabeça do porco e grandes nacos de gordura (à semelhança de alguns embutidos europeus). É ideal para petiscar acompanhada de uma boa farofa e cerveja de qualidade.

Choriça gorda

Choriça gorda

É feita com tripa de boi e recheada com aparas das mantinhas, temperadas com alho, cominho e sal. Os pedaços grandes são intercalados por grandes nacos de gordura. É o corte certo para fazer o “feijão gordo”, a feijoada baiana do dia a dia, que leva feijão carioquinha, carne seca, às vezes costela de boi, e pedaços de mantinha. Encontrado em feiras e comido em najés (tigelas de barro) com muita farinha, preferencialmente a feita em Maragogipe.

Choriça magra

Choriça magra

Tem teor de gordura menor que o da gorda, mas fora isso, é praticamente a mesma receita. Ideal para grelhar na churrasqueira, mas é preciso lavar bem a peça de carne antes de usar, para reduzir um pouco o sal.

>>Veja a íntegra da edição do Paladar de 16/4/2015

Ficou com água na boca?