Paladar

Comida

Comida

E o caipira ficou ciscando em terceiro lugar

Elas foram cozidas um pouco em sous-vide, a 65°C, e depois fritas. Cortadas em pedaços e servidas assim, com a carne suculenta e a pele crocante. As sobrecoxas de quatro frangos não tinham diferenças visuais marcantes, um tonzinho mais rosado aqui, um pedaço pálido ali. Nada que desse pistas sobre a vida daquelas galinhas. Estresse e confinamento teriam de ser descobertos na boca. A vida livre e feliz, idem. E depois de provar todos aqueles pedacinhos, constatamos que não preferimos os sabores com os quais estamos acostumados (granja) e nem os de galinhas caipira. O campeão era orgânico, o segundo colocado, um frango convencional. A galinha caipira, de sabor forte e carne resistente, não foi tão bem. O chef, caipira convicto, defendeu as da roça, que precisavam de mais tempo na panela.

Ficou com água na boca?