Paladar

Comida

Comida

Janaina Rueda reformula merenda escolar dentro de projeto do governo estadual

Chef do Bar da Dona Onça começa em agosto a ensinar receitas para merendeiras; meta é atingir mais de 2.000 escolas estaduais até 2018

07 julho 2016 | 22:20 por Ana Paula Boni

No começo do próximo mês, Janaina Rueda vai dar expediente na Escola Estadual Maria José, na Bela Vista, onde ela própria estudou na adolescência. Das 6h30 às 11h30, a chef vai sujar o avental na cozinha da escola ao lado das quatro merendeiras do local para ensinar dez receitas que vêm testando há quatro meses.

Estrogonofe de carne, frango de caçarola, feijoada, macarrão bolonhesa, peixada, ovo com lentilha, carne de panela, carne moída, cuscuz de frango e macarrão com sardinha são os novos pratos da merenda escolar estadual, projeto da Secretaria de Educação para melhorar o que é servido aos alunos.

Justamente a baixa qualidade da merenda foi alvo, neste ano, de protestos de estudantes - e, não bastasse isso, a alimentação dos alunos ainda é centro de uma investigação do Ministério Público, devido a denúncias de esquema de fraude com verba da comida. Sob nova gestão desde janeiro deste ano, a secretaria tem feito ajustes e ganhou a chef como aliada no que se refere ao que os alunos vão comer.

“Quando me chamaram, tinha acabado de dar problema na merenda escolar, eu falei que não topava. Mas tem uma coisa de cidadania, né?”, conta ela. “Você entra na secretaria e o olho já enche de lágrima. Educação é tudo. E é também todo o problema do Brasil.”

Ficou com água na boca?

A chef Janaina Rueda, do Bar da Dona Onça

A chef Janaina Rueda, do Bar da Dona Onça Foto: Tiago Queiroz|Estadão

Na proposta de Janaina Rueda, que trabalha de forma voluntária, saem os nuggets congelados e as salsichas industrializadas, entram novas receitas e novo modo de preparo, para a comida ganhar mais sabor. Com isso, as merendeiras aprendem novas técnicas e melhoram os preparos, a direção da escola pode aproveitar melhor o dinheiro destinado a comidas (além do que é licitado), e os alunos (espera-se) se engajam na proposta e comem melhor.

“Quem está ganhando conhecimento, na verdade, sou eu. É uma rede muito grande. São mais de 7.000 cozinheiros comigo”, diz, referindo-se às merendeiras, que somam 7.700 em todo o estado, mais de 60% só na capital.

Até o dia 12 de agosto, Janaina estará na escola Maria José, que se transformará em escola-piloto. De lá, na segunda quinzena de agosto, ela começa a dar treinamentos para as cozinheiras de outras escolas da capital, numa das cozinhas profissionais da Escola Técnica Estadual (Etec) da Santa Ifigênia. A primeira turma terá 210 merendeiras - são dois dias de aula, com 5 receitas da nova merenda escolar em cada dia.

Até 2018, meta é treinar mais de 7.000 merendeiras das escolas estaduais

Até 2018, meta é treinar mais de 7.000 merendeiras das escolas estaduais Foto: Tiago Queiroz|Estadão

A ideia do governo é ter, até 2017, mais cinco escolas-piloto e expandir o treinamento para o interior do estado até 2018. Na rede gerenciada pelo governo estadual, são 2.499 escolas com mais de 2,8 milhões de alunos. Para divulgar esse novo conteúdo, serão produzidos vídeos que as mães dos alunos poderão acessar, além de cartilhas com as receitas que serão distribuídas entre as merendeiras em cada escola.

Segundo a secretaria, a ideia é usar pratos brasileiros que já fazem parte do receituário familiar e que poderão ser replicados em casa pelas mães dos alunos. “Ela não está gourmetizando nada. A alimentação já era nutritiva e saudável e agora também vai ser saborosa”, diz Wilson Levy, assessor do secretário da Educação, José Renato Nalini.

Para Janaina, que está usando itens já licitados pelo governo e elaborou as fichas técnicas de todos os preparos, a maior dificuldade não é técnica nem burocrática. “Só estou preocupada se os alunos vão gostar.”

 

Ficou com água na boca?