Paladar

Comida

Comida

Universidade americana cria massa que muda de formato ao entrar em contato com a água

Pesquisadores do MIT desenvolvem massas programáveis com gelatina, amido e impressora 3D

06 junho 2017 | 21:23 por Leonardo Ribeiro

Especial para o Estado

Até massas são programáveis. Uma dupla de pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology's (MIT) Tangible Media Group criou um tipo de macarrão que pode adquirir diferentes formatos ao entrar em contato com a água.   

Wen Wang e Lining Yao, pesquisadores da universidade americana, começaram o estudo investigando como diferentes materiais respondem à umidade. Resolveram, então, fazer testes combinando uma impressora 3D, conhecimentos de gastronomia molecular e gelatina, substância que naturalmente se expande ao absorver água. 

Três formatos de massas criados a partir da uma tira achatada.

Três formatos de massas criados a partir da uma tira achatada. Foto: Michael Indresano Production|Divulgação

Para fazer as massas, os pesquisadores utilizaram finas camadas de gelatina, com diferentes densidades. Depois, com uma impressora 3D, adicionaram celulose comestível em diferentes pontos de cada camada. Em contato com a água, a gelatina se expande, mas a celulose funciona como uma barreira, controlando a quantidade de água absorvida. Assim, a combinação permite criar tipos diferentes de macarrão, como um fusili ou penne, e de forma controlada pelos pesquisadores. São massas programáveis. 

Os pesquisadores começaram os estudos pelos formatos tradicionais e levaram os resultados para uma cozinha de verdade para teste. O chef responsável para criar pratos com a invenção foi Matthew Delisle, do L'Espalier, em Boston. No vídeo abaixo, além mostrar etapas da pesquisa e da criação, é possível ver um pedaço da massa "abraçando" caviar e outras etapas da elaboração das receitas. 

Uma das apostas da nova tecnologia é que ela permite armazenar o produto em embalagens mais econômicas e que ocupam menos espaço - o macarrão é comprado em formato achatado e ganha diferente contornos (e usos culinários) ao tocar a água fervente. “Nós fizemos cálculos simples com embalagens de macarrão, e mesmo se fossem embalados perfeitamente, ainda teríamos 67% do volume da embalagem formado por ar”, diz Wang. 

Quanto ao sabor, Wang diz que sua invenção “tem uma boa textura e ótimo gosto”. Yao complementa dizendo que ainda parece gelatina - o que pode até ser gostoso, mas ainda não lembra macarrão. 

Massa com tomates e ervas, criação do chef Matthew Delisle.

Massa com tomates e ervas, criação do chef Matthew Delisle. Foto: Michael Indresano Production|Divulgação

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.