Paladar

Comida

Comida

No Japão, não se viaja de trem sem levar um bentô

De Tóquio

10 junho 2015 | 21:35 por joseorenstein

No Japão, uma viagem de trem não é completa sem um bentô. Nas milhares de estações espalhadas pelo país, a cena é comum: antes de embarcar, os japoneses fazem fila para comprar seu bentô – ou o ekiben (“eki” é estação de trem em japonês, e “ben” é a forma abreviada de bentô). Depois, acomodados em suas cadeiras, abrem a caixinha e pinçam a comida cuidadosamente preparada e apresentada, enquanto a paisagem passa pela janela.

 

FOTOS: Júlia Rettmann/Estadão

Ficou com água na boca?

Como as viagens de trem são parte do cotidiano japonês, o ekiben acabou se tornando uma instituição cultural no país. Recentemente, virou até tema de livro: em abril, foi lançado no Japão, com versão também em inglês, um volume dedicado ao bentô de trem. Em Ekiben – The Ultimate Japanese Travel Food, a autora Aki Tomura, conta um pouco da história dessa tradição e retrata 57 tipos de ekiben de todo o Japão em belas fotos.

LEIA MAIS:

+ Pense dentro da caixinha

+ Izakaya reabre como bentô deli

+ Onde comprar bentô e acessórios para marmita em São Paulo

A origem do ekiben está atrelada à chegada dos trens no Japão, na Era Meiji (1868-1912), quando o país se abriu ao Ocidente e se industrializou. O bentô, que então já era tradicional, foi adaptado às cada vez mais corriqueiras viagens de trem. Era uma forma de ganhar tempo – aproveitava-se a viagem para comer – e, também, uma fonte de prazer.

Não há uma forma única nem um conteúdo específico no ekiben – há os de carne, os só de vegetais, os de frutos do mar, cada um vendido num tipo de caixinha diferente: de cerâmica, de plástico, de isopor, de dois andares e até em formato de trem-bala.

Como conta Tomura em seu livro, os ekiben são em geral feitos por pequenos produtores e cooperativas locais, mais do que grandes redes de comida. Assim, uma forma acessível de conhecer um pouco da hipercomplexa e variada gastronomia japonesa é provar o ekiben local em cada estação de trem.

A princípio, olhando de fora, especialmente para um ocidental não letrado, a Ekibenya Matsuri, localizada no corredor central da movimentada estação de Tóquio, é apenas mais uma loja de bentôs. Mas um parede com dezenas de reproduções de ekibens de plástico (outra mania japonesa, as comidas plastificadas) dá noção da variedade abrigada ali.

Hiroto Yamada, atendente da loja, conta que em um dia comum mais de 10 mil pessoas passam por ali em busca de um ekiben. Os mais vendidos, diz ele, são os de carne, da Província de Yamagata – finas fatias de carne grelhada sobre arroz, com vários tipos de picles como acompanhamento; entre os de peixes e frutos do mar, o maior sucesso é o de camarão de Niigata, servido também sobre arroz, com ovo. Os ekibens custam entre 800 e 1600 yenes, na Ekibenya Matsuri (algo entre R$ 20 e R$40).

>>Veja a íntegra da edição do Paladar de 11/6/2015

Ficou com água na boca?