Paladar

Comida

Comida

Pancs da periferia culinária

Aprenda mais sobre pancs e deguste pratos feitos com essas plantas no 9º Paladar Cozinha do Brasil

05 novembro 2014 | 17:07 por mariliamiragaia

Jaracatiá, ariá, bertalha, lírio-do-brejo, vêm atraindo a atenção de chefs como Alex Atala (D.O.M.) e Helena Rizzo (Maní). São espécies comestíveis raramente usadas na cozinha, que foram chamadas pelo biólogo Valdely Kinupp de plantas alimentícias não convencionais, “pancs”.

Tudo azul. Flores de ervilha-borboleta, que podem ser usadas no preparo de arroz, musse e refrescos, e dão tom azulado às receitas. FOTOS: Divulgação

Ficou com água na boca?

Entre as plantas listadas no livro estão aquelas ligadas a tradições culinárias que vêm se perdendo, como o jaracatiá. No interior de São Paulo o miolo de seu tronco (com textura de coco) era usado para fazer doce e sua fruta, servida cristalizada – fica com sabor semelhante ao da tâmara.

O livro oferece uma alternativa à “monotonia alimentar”. Mas para as pancs deslancharem ainda há um longo caminho, que precisa passar pelo fomento governamental, avalia Kinupp, que diz estar animado com o espaço cada vez maior que a biologia vem ganhando nas cozinhas profissionais. “Com a valorização de produtos locais, estamos na crista da onda”, brinca.

Plantas Alimentícias não Convencionais no Brasil

Autor: Valdely Kinupp e Harri Lorenzi

Editora: Plantarum

Preço: R$ 80

>>Veja a íntegra da edição do Paladar de 06/11/2014

Ficou com água na boca?