Paladar

Comida

Comida

Psst... Vai uma galinha de cabidela?

Um bom naco de queijo canastra, de leite cru, só se for clandestino. Uma opulenta galinha de cabidela, embebida naquele molho escuro e denso, só se for contrabandeada. Uma colherada de mel puro e evoluído, de abelhas nativas, só se for tirado do quintal de casa. Hoje, comer essas comidas tradicionais no Brasil é incorrer na contravenção. Some-se ainda à lista a proibição do tacho de cobre, fundamental para fazer doces como o de figo mineiro, e a interdição aos utensílios de madeira em cozinhas profissionais, como as tradicionais colher de pau e tábua de corte, e tem-se um rol de ilegalidades para quem apenas quer saborear o que sempre se saboreou nestas terras.

06 setembro 2012 | 08:00 por joseorenstein

Há um ano o Paladar publicou o Manifesto Cozinhista Brasileiro, uma edição mostrando que a cozinha tradicional do Brasil estava ameaçada. Se não de extinção, pelo menos de encolhimento – e de esquecimento. Um dos motivos é que produtos e práticas peculiares à nossa cultura gastronômica, como os citados acima, esbarram em regulamentos sanitários bastante antigos .

Há dois meses, o Paladar voltou ao assunto, lançando o Manifesto Cozinhista Brasileiro Parte II – Conversa com a Anvisa. O debate, realizado durante o 6º Paladar – Cozinha do Brasil, reuniu representantes da Anvisa, chefs, produtores e especialistas.

Nesta edição, Paladar explica os empecilhos que impedem ou dificultam a chegada de produtos e práticas tradicionais da cozinha brasileira a sua mesa.

A Anvisa e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) ocupam-se de regular os alimentos no País. Ambos foram procurados pela reportagem. A Anvisa mostrou-se disposta a esclarecer as normas que segue, ao passo que o Mapa sequer respondeu às questões.

Ficou com água na boca?

A divisão de tarefas entre os dois órgãos (que você pode conferir no gráfico acima) é uma primeira fonte de problemas, porque cria áreas de sombreamento e opõe visões distintas sobre os alimentos: no Mapa o olhar é do veterinário, com prioridade à exportação; na Anvisa, predomina o trabalho do químico, preocupado com os riscos de contaminação da população.

Perdido entre a fiscalização de Mapa e Anvisa fica o patrimônio sociocultural enfeixado pelos produtos e práticas tradicionais da cozinha brasileira, assim como os chefs e pequenos produtores e os que trabalham com esses alimentos.

À primeira vista, a questão dos pequenos produtores pode até parecer menor. Mas, olhando mais de perto, é justamente o contrário: o pequeno produtor é o elo da cadeia produtiva que resguarda grande parte do patrimônio gastronômico brasileiro, ao zelar pelas técnicas e receitas locais. E o problema é que a legislação ignora sua existência, submetendo-o às mesmas normas que regulam as grandes indústrias.

“As normas sanitárias tendem a promover excessiva homogeneização e industrialização em detrimento da tipicidade. Claro que a garantia da saúde é legítima, necessária, mas é preciso buscar o equilíbrio”, diz Juliana Santilli, promotora do Ministério Público do Distrito Federal.

A ideia por trás disso tudo é simples: que se possa comer o que de melhor a cozinha brasileira tem a oferecer.

ilustrações: Farrell/AE

Ficou com água na boca?