Paladar

Comida

Comida

Se no Sul é cuca, em MG é queca. E vem de cake

Os ingleses levaram a receita para Nova Lima. Lá ela virou tradição, que espalha seu cheiro pelas ruas desde novembro

19 dezembro 2012 | 23:09 por Redação Paladar

Por Rusty Marcellini

Especial para o Estado, de Minas Gerais

Quem vai à mineira Nova Lima em novembro e dezembro sente um cheiro no ar. “Ele indica que o Natal está chegando”, diz Miracy Guy. A baiana que foi casada com inglês e mora em Minas Gerais há mais de 50 anos fala do cheiro de açúcar queimado, especiarias e conhaque da queca, bolo com frutas secas e castanhas, herança dos ingleses que trabalharam nas minas de ouro da cidade. “Queca vem de ‘christmas cake’, o bolo de natal inglês”, diz Miracy, que aprendeu a receita nos anos 1970 com uma família de ingleses. “Eu trabalhava na casa da senhora Gladys James. Ela me ensinou a fazer o bolo que os ingleses davam como presente no Natal.” Miracy decidiu fazer como os conterrâneos do marido e passou a distribuir o bolo como presente.

Miracy. ‘… nozes, passas, , cerejas, figos e o segredo: conhaque’. FOTO: Rusty Marcellini/Estadão

Sentada ao lado da mesa repleta de formas com massa de bolo crua, ela lista os ingredientes: “farinha, açúcar, fermento, ovos, castanhas, nozes, passas, gengibre, noz-moscada, canela, cerejas, figos e um segredinho: conhaque”, cochicha como se revelasse onde está o tesouro.

Enquanto espera a assadeira esfriar, ensina que quanto mais velha, melhor a queca. “Com o tempo, os temperos ficam mais fortes. O sabor é outro. Queca provada logo depois de assada não presta.” Ela assa suas quecas semanas antes do Natal.

Depois de presentear muita gente nos anos 1970, Miracy percebeu que o bolo podia virar negócio. “Cansei de dar de mão beijada. Agora só por encomenda.” E não é a única na cidade. Dezenas de famílias vendem quecas no Natal. “É por isso que Nova Lima tem esse cheiro bom em novembro e dezembro.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.