Paladar

Restaurantes e Bares

Restaurantes e Bares

A ressaca da comida de rua

Nos últimos dois anos, a onda da comida de rua ganhou força e inundou São Paulo. Claro, já havia carrinhos de milho, pipoca e hot-dog na cidade – mas a novidade, então, era que preparações mais complexas e com ingredientes de qualidade, a preços acessíveis, também ocupariam as ruas. E o melhor: tudo seria reconhecido oficialmente pela Prefeitura, que sancionou lei e regulamentação entre o fim de 2013 e o começo de 2014. Passada a onda, no entanto, parece ter sobrado apenas espuma, seguida de ressaca.

15 julho 2015 | 22:39 por joseorenstein

Nem a promessa de uma comida de qualidade a preço razoável nem a ocupação efetiva da rua se realizou. “Virou uma grande porcaria. A maior parte do que existe não é voltada para a gastronomia. Não tem qualidade. E o pior, ficou elitista – tem gente pagando por R$ 25, R$ 30 por um hambúrguer ruim, só porque é feito num food truck”, diz Checho Gonzales. Ele, ao lado do chef Henrique Fogaça, organizou nos últimos dois anos a feira O Mercado, que teve a última de suas 33 edições domingo passado.

O evento foi um dos pioneiros do movimento de popularização da comida que antes se achava em restaurantes, reunindo chefs de cozinha para vender pratos a no máximo R$ 15. O público total foi de 150 mil pessoas. “Acho que deu uma banalizada. Percebi uma queda no movimento e estava cada vez mais difícil achar gente vendendo bons produtos”, diz Checho.

FOTOS: Isabele Ribeiro/Estadão

Ficou com água na boca?

O chef do restaurante Vito, André Mifano, rodou com um food truck patrocinado no fim de 2013 e participou das reuniões que deram forma à lei da comida de rua. “É triste que a coisa tenha evoluído para isso. Comida de rua era para ser ágil, de qualidade, acessível. Mas tem muito aventureiro que botou um monte dinheiro num food truck sem saber cozinhar e agora tem que pagar o que investiu”, diz. “O apocalipse do food truck está por vir – e acho que muitos poucos, só os que têm um produto bom, vão sobrar.”

Um dos casos mais bem-sucedidos é o de Márcio Silva, que, ao lado de Jorge Gonzalez, pilota o Buzina Food Truck. “Conto nos dedos da mão os que vendem comida de qualidade”, diz ele, que tem dois trucks circulando em São Paulo – principalmente em pontos privados.

Nas ruas?

A saída tem sido recorrer a feiras e festivais. Que pipocaram pela cidade, cobrando caro (até R$ 800 por dia, por carro), mas que fecharam na mesma velocidade com que abriram, caso do Wheelz Gastronomia Urbana. Para o consumidor, ir às feiras significa longas filas e gastos de até R$ 60. “Acho que houve uma euforia no começo, e agora o mercado está se regulando”, diz Mauricio Schwartz, produtor da pioneira Feirinha Gastronômica e dono do Butantan Food Park – onde ele diz receber de 15 mil a 20 mil pessoas por semana. “Há muito espaço para crescer. Para muita gente, a praça de alimentação do shopping ainda é a única opção.”

Bom e ruim

O que funcionou e o que não deu tão certo depois de mais de um ano da lei de comida de rua.

Passeio. Apesar das filas e de ter gente sem muita experiência comandando food trucks, os parques de comida se consolidaram como opção de lazer para milhares de paulistanos, que lotam eventos nos fins de semana.

LEIA MAIS:

+ Food truck vira restaurante 

Ficou com água na boca?