Paladar

Restaurantes e Bares

Restaurantes e Bares

Guia Michelin 2017 muda pouco em relação a 2016

Foi revelada a lista dos restaurantes estrelados do Rio e de São Paulo pelo centenário guia francês de 2017 e, como se esperava, não houve grandes surpresas, mas as polêmicas permanecem

10 maio 2017 | 20:10 por Patricia Ferraz

ANÁLISE

O Guia Michelin Rio e São Paulo 2017 traz poucas emoções. A publicação, que chega às livrarias na próxima semana e foi lançada numa belíssima festa na noite da última segunda-feira (8) no Hotel Unique, em São Paulo, repete algumas das classificações que causaram espanto na edição do ano passado e no anterior. Direto ao ponto: mais uma vez, o Michelin iguala casas bastante distintas e separa restaurantes que deveriam estar na mesma faixa. 

O chef Pier Paolo Picchi, que conquistou sua primeira estrela, foi uma, das boas, novidades deste ano

O chef Pier Paolo Picchi, que conquistou sua primeira estrela, foi uma, das boas, novidades deste ano Foto: Alex Silva|Estadão

Rankings, premiações e avaliações são sempre polêmicos. E o centenário guia vermelho de restaurantes, apesar de muito respeitado, não tem sido poupado das críticas aos longo dos anos, isso não é novidade. No Brasil há apenas três edições, o guia causou polêmica desde o início, ao considerar que o País não tem sequer um restaurante “excepcional” apto a receber a classificação máxima de três estrelas.

Se o Michelin deixou de considerar toalhas de linho, cristais e prataria como requisito para as estrelas e atualmente leva em conta apenas a comida (como declara), é de estranhar a distância imposta entre o paulistano D.O.M., o único classificado com duas estrelas, e casas de cozinha igualmente sofisticada como o Maní (em São Paulo), o Lasai e o Olympe (esses dois no Rio), para citar apenas as declaradamente contemporâneas. 

LEIA MAIS:

+ Guia Michelin revela novos restaurantes estrelados do Rio e de São Paulo

Outra questão controversa é igualar restaurantes japoneses como Jun Sakamoto e Kinoshita ao Huto e ao Kosushi, com suas concessões ao paladar ocidental. E o excelente Shin Zushi, o lugar para onde todos os chefs vão quando querem sushi, por que continua sem estrela? Será que o já notório mau humor do dono espantou o inspetor do guia?

A concessão da primeira estrela ao paulistano Picchi é uma boa notícia, mas o que torna o restaurante de Pier Paolo Picchi tão superior ao Gero e ao Tre Bicchieri, outros italianos de cozinha semelhante a do novo estrelado? 

A Casa do Porco tem a vocação de Bib Gourmand, seleção para a qual acaba de entrar. Mas isso faz pensar nos critérios de classificação do guia – os tempos mudaram e o espírito do público idem. Perguntei a quase todos os chefs estrangeiros célebres que estiveram no Brasil nos últimos meses quais os lugares de que mais gostaram. A resposta foi unânime: A Casa do Porco. 

A fila é puxada pelo catalão Albert Adrià, que esteve lá três vezes na mesma semana e saiu elogiando a comida, a ideia, o ambiente. As longas filas de espera atestam que público e chefs estrangeiros estão com o mesmo espírito – e quem se interessa pelos rumos da gastronomia tem aí um bom caso para analisar.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.