Paladar

Restaurantes e Bares

Restaurantes e Bares

Vegetariano Homa é nova aposta do chef José Barattino

Novo restaurante, em Pinheiros, do chef-executivo do Eataly tem culinária vegetariana servida em tigelinhas, mesa comunitária, balcões e auto-serviço

28 março 2018 | 20:06 por Patrícia Ferraz

O logo do Homa tem uma berinjela com uma pequena coroa e isso resume a filosofia do restaurante que abre na próxima terça-feira, 3 de abril. “Aqui o vegetal é rei”, explica o chef José Barattino, um dos sócios da casa, que tem como parceiros Gilson de Almeida, dono da hamburgueria Na Garagem, e Philippe Nogueira. A cozinha é vegetariana – mais exatamente ovolactovegetariana, com alguns pratos veganos. “Aqui não entra bicho”, diz Barattino, que continuará dando expediente no Eataly, onde é chef-executivo.

Arroz de beterraba

Arroz de beterraba Foto: Tiago Queiroz|Estadão

O reinado de legumes e verduras ali vai além do logo. Ele está na procedência nobre dos vegetais, que vêm de uma rede de fornecedores (alguns orgânicos) que Barattino reuniu nos tempos em que comandava a cozinha do Emiliano e promovia uma feira de produtores. Mas está principalmente no protagonismo dos vegetais, que são o ingrediente principal do cardápio, tratados como tal, com técnica apurada, respeito aos pontos de cocção e que surgem em combinações instigantes. 

LEIA MAIS:

Ficou com água na boca?

+ Brunch é a estrela do Botanikafé, que acaba de ser inaugurado no Baixo Pinheiros

+O Baixo Pinheiros está fervilhando: confira 47 dicas de lugares onde comer e beber

No Homa não há pratos. Tudo é servido em bowls – alguns são fixos, outros variam conforme a semana, para acomodar sugestões quentes ou frias. O cardápio vai variar conforme as estações. 

São seis opções fixas, entre elas cevadinha quente com mandioca de especiarias, com dill e amendoim torrado. Outra opção é o arroz cremoso de beterraba, servido com ricota. Tem também uma salada de arroz e grãos com manga e legumes grelhados. E um cuscuz de couve-flor com legumes assados. Ao todo, são quatro opções quentes e duas frias, caso da salada de rúcula com lâminas de batata, cebola roxa e molho de semente de girassol, com pipoca de sorgo.

Logo do restaurante, com "berinjela rainha"

Logo do restaurante, com "berinjela rainha" Foto: Tiago Queiroz|Estadão

Além dos fixos, há dois bowls especiais, que variam a cada semana. A terceira sugestão são “pratos clássicos que ninguém vai notar que são vegetarianos”, como diz Barattino. É o caso da berinjela à parmegiana, do dahl indiano ou da polenta com caponata, que se revezarão no menu. 

O esquema é de auto-serviço, que anda em alta na cidade, por questão de custos. O cliente escolhe o que vai comer, paga, recebe uma senha, retira no balcão da cozinha seu pedido – que vem numa simpática bandeja de madeira. E se acomoda pelo salão. 

Há apenas uma mesa comunitária, para 16 pessoas, e os outros 40 lugares do restaurante se espalham por balcões de madeira com banquetas, alguns ao ar livre, protegidos do sol por ombrelones, outros no salão.

Cevadinha com mandioca

Cevadinha com mandioca Foto: Tiago Queiroz|Estadão

Os preços dos pratos variam de R$ 19 a R$ 32. Para beber, cidra de maçã engarrafada, duas opções de cerveja, suco e água. 

Em tempo: Homa quer dizer humano, em esperanto.

​SERVIÇO

HOMA

R. Benjamin Egas, 275, Pinheiros

Horário de funcionamento: 11h30/16h30 (fecha seg.)

Tel.: 3097-9031

Ficou com água na boca?