Paladar

Fernanda Meybom: Coluna 10 – Entrevista com Randy Mosher – Parte 1

Fernanda Meybom: Coluna 10 – Entrevista com Randy Mosher – Parte 1

06 março 2015 | 20:08 por Raphael Rodrigues

FOTO: Reprodução

Design Gráfico, Cervejeiro Caseiro, Escritor, Professor… Com vocês: Randy Mosher! – Entrevista – Parte 1

Dentre todas as palavras que podem definir Randy Mosher, gostaria de acrescentar mais uma: simpatia! Novembro do ano passado estive em Chicago para fazer o curso de Mestre em Estilos do Siebel Institute of Technology e lá conheci o simpático Professor Randy. E uma de nossas conversas rendeu uma divertida entrevista que acabou dividida em duas partes – sim, o assunto rendeu.
Com vocês, Randy Mosher!

Como um Designer Gráfico se tornou também um Professor e Escritor de Cervejas?
Eu culpo a publicidade ou mais especificamente o meu trabalho nas agências de publicidade. Foi o inicio da minha carreira profissional. Eu tinha grande responsabilidade na área de projetos criativos e por este motivo, logo ocorreu a transição de Diretor de Arte para Diretor Criativo, um trabalho que envolve além de tudo, escrever bem. Também tive a sorte de ter uma ótima chefe, uma hábil escritora, mas que também era muito exigente e firme em suas críticas, sendo para mim, um grande aprendizado. Além disso, comecei a produzir cerveja caseira em 1985. A medida que ia criando receitas, eu comecei a montar um sistema para organiza-las utilizando planilhas e gráficos com dados para fácil acesso. Esse material estava começando a se transformar em uma boa pilha de informação, e em algum momento, ocorreu-me que poderia ser o começo de um livro.
Mais tarde, fui contatado por um homem chamado Charles Finkel, que na época não só comandava a mais importante empresa de importação de cerveja nos EUA, mas ele também tinha um negócio de fabricação de cerveja caseira, ele pensou que poderia ser interessante publicar meu livro, o Brewer´s Companion (em 1991). Tinha (e ainda tenho) uma ótima amizade com ele e realmente devo-lhe muito, porque ele impulsionou o começo de minha carreira na área de publicação de cervejas e me apresentou a pessoas como Michael Jackson e Charlie Papazian. Mastering Homebrew foi construído nos moldes do Brewer´s Companion, embora seja um livro muito maior, totalmente moderno e que vai muito além do seu antecessor. Ainda assim, os leitores poderão reconhecer alguns dos gráficos e outros detalhes do primeiro livro.

Quantos livros você já publicou?
Contando os dois livros que estou lançando agora, 6 livros. (Disponíveis: Brewer’s Companion, Radical Brewing, Tasting Beer, Mastering Homebrewing e Beer for All Seasons).

Você mesmo faz o design gráfico do seus livros?
Sim e não. Nos livros Brewer’s Companion e Radical Brewing, sim. Com Tasting Beer e Mastering Homebrew, enviei aos editores vários gráficos, além de imagens de rótulos antigos e outras ilustrações e também fotos. Com Mastering (Homebrew), a editora gastou todo o seu orçamento de design antes mesmo de finalizar o livro, então eu tive a permissão para complementar esta parte, com a criação de mais de 250 novas fotos e outros elementos gráficos que deram ao livro muito mais vida. De agora em diante, farei o design completo de todos os meus livros.

Você esta lançando dois livros: Mastering Homebrew e Beer for All Seasons. Você pode falar um pouco sobre o Mastering Homebrew?
Mastering Homebrew é um guia geral para fabricar cervejas em pequena escala. Aqui estão algumas coisas que eu acredito que o fazem único:

– Ciência suficiente para garantir que as pessoas possam entender as razões por trás da produção de cerveja e o que é preciso para controlar seu processo de fabricação e consequentemente, para tomar decisões que coincidam com o que se tinha em mente antes de começa-la.

– Grande enfoque sobre a matéria prima e a ciência por trás do sabor de cada destes ingredientes.

– Incentivo, desde o início, que as pessoas se envolvam desde a criação da receita, ao invés de depender de kits e outras facilidades. Mesmo uma receita nova exige que as pessoas façam escolhas de modo a cerveja final possa ser um produto diferenciado.

– Um monte de gráficos inovadores que apresentam conceitos numa forma visual, o que consequentemente torna mais fácil para as pessoas entenderem melhor questões sobre processos cervejeiros do que simplesmente ler um parágrafo de texto.

– Citações de cervejeiros lendários que eu conheço, ao longo de todo o livro, compartilhando muitos detalhes sobre como eles pensam e o que sentem que é importante para este tema.

– Ferramentas para ajudar a desenvolver receitas, desde a geração de ideias até o gerenciamento da complexidade na combinação de ingredientes.

– Uma abordagem internacional inspirada nas minhas viagens ao redor do mundo, desde Itália, Escandinávia, Austrália, Argentina e claro, o Brasil.

– Uma abordagem altamente visual, que não só atrai o leitor pelas ilustrações, como também cria um tipo de aprendizagem diferente do usual.

Qual a principal motivação para escrever um livro para cervejeiros caseiros?
Inicialmente, era uma simples oportunidade. Eu havia sido abordado por várias editoras para escrever um livro sobre fabricação de cerveja caseira, portanto, após algum tempo analisando foi escolhido a que seria melhor para o tema em questão. Desta forma, o maior desafio de um livro com uma abordagem geral como esse (fabricação de cerveja caseira), é encontrar uma maneira de torná-lo realmente diferente de tudo que já foi publicado. Eu não queria escrever algo que parecesse com o Ray Daniels em Designing Great Beers ou com John Palmer em How to Brew ou ainda, qualquer um dos livros do Charlie (Papazian). Assim, o livro realmente segue meu ponto de vista único e também oferece o que eu penso que os cervejeiros mais novos realmente querem: as ferramentas para ajudá-los a se expressarem através de receitas de cerveja. Vejo cerveja como uma fina arte e eu queria que as pessoas partilhassem esta visão. Eu penso que é algo que os fabricantes de cerveja industriais nunca serão capazes de entender ou muito menos seguir.

Qual seria seu primeiro conselho para um cervejeiro caseiro que almeja começar um negócio com cervejas?
Você deve sentir como se esta fosse a única coisa que poderia fazer na vida. Fabricação de cerveja é um negócio difícil, que requer muito trabalho e muitas habilidades diferentes, o que de certa forma, é o que me atrai. Porém, você tem que trabalhar muito duro para isso. As pessoas podem provar a sua cerveja, porque você é local, ou esperto, ou bom em mídias sociais, mas eles não vão continuar a comprá-la, a menos que seu produto também seja de altíssima qualidade. Isso é uma grande dificuldade para as pequenas cervejarias que não costumam ter dinheiro para laboratórios e outros programas de controle de qualidade ou para investimento técnico em profissionais, por isso, temos que observar obsessivamente boas práticas e continuar a investir o tanto quanto possível em qualidade.

E sobre cervejas brasileiras, alguma favorita?
Estive no Brasil uns dois anos atrás, por isso seria muito injusto com as cervejas das cervejarias mais recentes, que ainda eu não provei, nomear alguma aqui. Essa tarefa eu vou deixar para depois do festival.

Em breve publico a segunda parte da entrevista.

Cheers,

Agenda do Randy no Brasil:
– Jurado do Concurso Brasileiro de Cervejas
– 2ª Edição do Concurso de Rótulos Randy Mosher
– Lançamento do livro Mastering Homebrew
*texto de tradução livre

Tags: