Paladar

Bar Convent 2020, marcada para junho, promete ser 40% maior que em 2019

Balcão do Giba

Drinques para fazer em casa

Bar Convent 2020, marcada para junho, promete ser 40% maior que em 2019

A segunda edição da maior feira de bares e coquetelaria do País terá novos expositores, além de melhor estrutura voltada às palestras

17 de janeiro de 2020 | 20h16 por Gilberto Amendola

Em 2019, o Bar Convent (BCB) São Paulo plantou uma semente importante na coquetelaria do País. Em seus dois dias de duração, o BCB promoveu uma troca valiosa de experiência entre profissionais brasileiros e estrangeiros.

Falou-se muito de consumo sustentável e responsável do álcool, do Brasil no contexto da coquetelaria mundial e de novos produtos e tendências.

 

O sucesso, claro, criou expectativa para o passo seguinte, o BCB de 2020 – que ocorre entre os dias 15 e 16 de junho.

O blog conversou, por e-mail, com o diretor de educação do BCB, Marco de La Roche; Fernando Nagamine, diretor do BCB São Paulo; e Carolina Oda, embaixadora do BCB São Paulo.

No ano passado, o blog esteve na feira e gravou esse vídeo. Confira:

 

Agora vamos à entrevista: 

Marco de La Roche, diretor de educação do BCB São Paulo.

Qual foi o legado da 1ª BCB para o universo dos bares e coquetelaria do Brasil?

O BCB foi um divisor de águas no que pudemos experimentar em eventos de coquetelaria no Brasil. Os números são impressionantes e acredito que é o conjunto da obra que ficará marcado nesta primeira edição. A grandiosidade dos stands das marcas, a diversidade e qualidade dos temas das palestras, a organização impecável e experiente e a internacionalização do evento já na primeira edição são os pontos que eu vejo como legado do BCB SP nesta primeira edição.

 O que faz um diretor de educação em um evento como o BCB? E o que teremos em termos de palestras e workshops? Qual será o foco?

Minha função é basicamente convidar os melhores nomes da coquetelaria nacional e internacional e propor junto a eles temas que estão em alta, organizar e garantir que as palestras serão um sucesso. Os desafios do primeiro ano são diferentes do segundo. Temos um compromisso em promover grandes nomes nacionais da coquetelaria e ao mesmo tempo receber grandes nomes da coquetelaria internacional. A tendência é que no BCB SP 2020 nós tenhamos grande lendas internacionais nunca vistas no Brasil, que os palestrantes brasileiros se aprofundem cada vez mais na qualidade da apresentação e que temas específicos, raros e importantíssimos sejam compartilhados. Acredito que superaremos a expectativa do evento do ano passado.

 

Fernando Nagamine, diretor do BCB São Paulo.

Aparentemente, 2020 será um ano de incertezas econômicas no País, você acredita que o setor tem força para ultrapassar esse período que pode ser turbulento? O que será preciso? Criatividade? Parcerias?

Já faz alguns anos que nós vivemos períodos de incertezas no País e, mesmo assim, o setor tem demonstrado força para driblar quaisquer turbulências. Vide a quantidade de novas marcas de destilados que surgiram nos últimos anos, principalmente gins. Acredito que 2020 não será diferente e que, apesar de todas as dificuldades, será mais um bom ano para o setor. Independentemente das incertezas, a criatividade, sem dúvida, é uma das ferramentas para se diferenciar no mercado. Acrescentaria que ter um bom planejamento, não somente para 2020, mas médio prazo, ajuda as marcas a terem clareza de onde querem chegar. O exercício do planejamento faz com que as empresas entendam melhor o seu momento e o que precisam fazer para realizar o próximo passo.

Fernando, qual a expectativa para o próximo BCB? O evento cresceu em relação ao ano passado? O que será diferente?

As expectativas para a segunda edição do BCB São Paulo estão incríveis. Atualmente, contamos com mais de 90% dos espaços já comercializados e faltando quase seis meses para o evento. Em 2020, o evento será cerca de 40% maior em termos de espaço e esperamos um público 25% superior à primeira edição. De novidades, além dos novos expositores já confirmados estamos trabalhando para atrair cervejas e mais marcas de cachaças. Também teremos mais uma arena de conteúdo, já que tivemos uma grande demanda por palestras em 2019 e melhoraremos a estrutura de áudio e vídeo das arenas – algo que foi solicitado pelo público visitante.

Carolina Oda, embaixadora do BCB São Paulo.

 

Qual a sua expectativa em relação ao que um evento como esse pode trazer de mudanças para o setor? Profissionais mais preparados? Novas técnicas?

Estamos num momento de mercado ainda superinicial, não só por ser a segunda edição do evento, mas no cenário como um todo, estamos em um estágio de construção, um estágio anterior ao de mudança. E acho que o evento é essencial para discutirmos sobre mercado, colocar as pessoas em contato – é um grande momento para networking.  Além disso, conseguir trazer pessoas do País todo para o evento é superimportante, pois temos pouquíssimos cursos para a categoria. Vejo profissionais de Belém vindo para o evento, pois se em São Paulo temos pouquíssimos cursos e eventos para a categoria, imagina fora. As pessoas de fora da cidade vêm com muita sede de informação. E o conteúdo do BCB é bem interessante, traz um olhar crítico e a preparação das marcas em trazer novidades para o evento.

Falando em coquetelaria, bebemos bem no Brasil? Em que patamar você coloca a coquetelaria brasileira?

É difícil englobar Brasil. Eu acho que é muito diferente o núcleo “Pinheiros” e esse núcleo de bares de coquetelaria que estão em destaque, do cenário Brasil. Rodando muito eu percebo que estamos muito distantes, pois Pinheiros é uma gota no oceano, claro que o gim tônica e moscow mule estão invadindo todos os balcões, mas não dá para englobar cenário.  Estamos cada vez mais perto do que acontece fora  –  inclusive em Berlim (cidade de nascimento da BCB), não tive momentos de grande surpresa em relação à qualidade. Acho que temos ainda a síndrome de vira-lata. Se a gente comparar alguns bartenders brasileiros com os de fora, acho que o que muda é o acesso aos ingredientes, e olhe lá. Em relação à qualidade de produto, cada vez eu fico mais orgulhosa com o Brasil.

O que espera para 2020 em termos de coquetelaria? Alguma tendência no horizonte? Algo que você gostaria de ver concretizado no setor?

Acredito que vamos ter muitos lançamentos de categoria que não são tão comuns, tanto em alcoólicos como não-alcoólicos, como vermute feito de ingredientes brasileiros,  switchel (bebida não-alcoólica, uma combinação do doce do mel com a acidez do vinagre de maçã e o picante potente do gengibre)... Tem muitas pessoas empreendendo nesse sentido. E cada vez mais bares estruturados estão pensando e propondo experiências diferentes, como é o caso do Bar do Cofre (Rua João Brícola, 24, Centro Histórico de São Paulo) e os rooftoops. Ao mesmo tempo, em paralelo, vemos aparecer bares em formato do Estepe (Rua Cunha Gago, 588, Pinheiros), que trazem a coquetelaria de uma maneira mais simples e acessível.

Notícias do mundo da coquetelaria 

Shot 1 – Visitei o Grog Bar, um dos novos bares de São Paulo. Leia a matéria do Paladar clicando aqui.

 

Shot 2 – O Bartender Zulu fará o workshop ” Da cana ao copo” no próximo dia 23 de janeiro, das 16h às 18h, no Mukeka Restaurante, em Curitiba (Rua Machado de Assis, 417).

Shot 3 – O Eugênia Café Bar está com uma nova carta de verão e um dos destaques é o Quirida – um daiquiri feito com rum Carta Blanca infusionado com hortelã (Rua Conêgo Eugênio Leite, 953).

 

 

 

Shot 4 – Aliás, os bares High Line (Rua Girassol, 144, Vila Madalena ), Seu Justino (Rua Harmonia, 77 , Vila Madalena) e Pracinha do Seu Justino (Rua Harmonia, 117 , Vila Madalena) também estão oferecendo drinques de verão.

 

 

Shot 5 – O Cabiria Bar reabriu depois de uma semana fechado – o espaço, que é de fato muito bonito, foi usado como cenário para gravação de uma série.

 

Shot 6 – A Ketel One Botanical, vodca infusionada com essências naturais de frutas, será lançada nesse final de semana, no Palácio Tangará.

Shot 7 – Para o primeiro guest do ano no Praia Bar, a bartender Talita Simões convidou o bartender Chris Carijó. O encontro será na segunda-feira, dia 21, a partir das 21h. O Praia Bar  fica na Avenida Brigadeiro Faria Lima, 272.

 

Shot 8 – Com a saída do bartender Douglas Peres, o Tan Tan trouxe o consultor de bar e bartender Alex Mesquita para assumir o bar. Ótima notícia, a casa vai continuar prezando pela excelência na coquetelaria. O Tan Tan fica na Rua Fradique Coutinho, 153.

 

Ficou com água na boca?