Paladar

Entrevista com Leandro Santos, vencedor do Bar Aberto, reality de coquetelaria

Balcão do Giba

Drinques para fazer em casa

Entrevista com Leandro Santos, vencedor do Bar Aberto, reality de coquetelaria

O influenciador social, mais conhecido como Mussum Alive, foi consagrado o melhor bartender amador do Brasil

04 de dezembro de 2020 | 14h15 por Gilberto Amendola

Olá, amigos, todos bem?

Seguimos respeitando os limites impostos pela pandemia, privilegiando a nossa saúde (e a dos outros).

Mas hoje chegamos com coisas bonitas!

Como foi bonita a vitória do Leandro Santos no primeiro reality show de coquetelaria em TV aberta…

Bonita também é o nome de uma nova casa do Itaim…

A luta do Cabíria para se manter durante a pandemia…

E a volta da beleza de uma competição como o World Class.

Mas vamos começar com nosso papo com o campeão do Bar Aberto, primeiro reality show de coquetelaria na TV aberta, comandado pelo bartender Márcio Silva.

Entrevista
Leandro Santos, digital influencer (@mussumalive) e campeão do Bar Aberto

Antes do papo, um pouquinho da história do Leandro…

Técnico me mecânica de formação, ele trabalhava com inspeção veicular em 2007. “Eu ficava em uma filial de uma empresa de inspeção que tinha um computador com internet e muito tempo livre. Era o dia inteiro olhando sites, blogs e etc..”, contou.

Em 2008, quando o mundo começou a falar sobre o Twitter, Leandro resolveu criar um perfil na rede. No início, sem muito amigos e seguidores, costumava falar para ninguém. “Mas nessa mesma época começaram a surgir os perfis fakes de humor, como o perfil do Victor Fasano, Nair Belo, Hebe Camargo…Achava legal porque os seguidores sabiam que aquilo era fake e mesmo assim se divertiam”, disse.

Então, Leandro resolveu criar um perfil fake, mas, como tinha medo de processos, optou por homenagear uma personalidade que já não “estivesse mais entre nós”. “Na época, eu ouvia muito Originais do Samba (grupo que Mussum participou antes mesmo de fazer sucesso como humorista nos Trapalhões). Por isso, decidi criar um fake do Mussum – onde fazia piadas como se fosse o próprio Mussum comentando coisas da atualidade”, falou.

Em meados de 2009, as agências de publicidade começaram a procurar o Leandro para que ele fizesse postagens pagas – algo bem comum nos dias de hoje, mas que, naquela época, ainda era uma novidade (estamos falando de um período pré-influenciadores).

“Poxa, daí saquei que dava pra ganhar dinheiro com isso. Chegou o momento em que ganhava mais com twitter pago do que com o meu salário de inspetor. Meu impulso era largar o trabalho e viver só disso, mas fiquei ‘meio assim’ porque naquela época o Orkut estava morrendo. Então, decidi fazer meu site e blog, tudo para ser dono do meu próprio conteúdo”, disse.

Em 2010, Leandro lançou o site Bebida Liberada, onde misturava humor e bebida.

Mas o tempo passou e veio o hype do Youtube. Não demorou para que ele sacasse que estar naquela plataforma também era importante. “Pesquisei muitos vídeos no YouTube sobre coquetelaria. Vi os profissionais que eram chamados de burro nos comentários e recebiam críticas porque colocavam 30 e não 45 ml de tal bebida, por mexer 3 e não 4 vezes com a colher bailarina… Entendi, logo, que eu precisava fazer um canal deixando claro que eu não era profissional, mas mostrando que se eu posso fazer em casa, qualquer um poderia fazer também”, lembrou,

No início, os vídeos eram mais sérios e compenetrados. Mas, Leandro, morador do Jardim Sapopemba, extremo leste de São Paulo, experimentou colocar no ar os vídeos em que as coisas não saiam como ele havia planejado.  “Eu começava a gravar os vídeos  e passava um carro tocando funk, tinha o som do vizinho usando uma furadeira… Eu não conseguia gravar! Achei que não daria para usar nada. Mas, quando fui olhar o material, achei engraçado. Deu certo. Deu certo lá em 2013 e continua dando certo até agora.”

Agora, a nossa entrevista:

Como você foi parar no Bar Aberto?

Um amigo viu uma postagem Convite em que uma mulher procurava pessoas que não eram profissionais, mas que gostavam de coquetelaria. Marquei meu nome na postagem, recebi uma ligação e começamos a trocar ideias.  Tudo isso foi antes da pandemia. Depois, quando veio o convite, pensei, poxa, não estou fazendo nada, vou topar…

O que fez de você o vencedor desse reality?

Acho que consegui entender sobre coquetelaria durante o jogo. Sabe, existe o ‘Mussum Alive’ que faz drinques no YouTube, que é basicamente eu sendo eu mesmo. Quando fui para o reality, eu fui muito inseguro.  Pensei em um reality de coquetelaria como uma parada glamurosa, chique, coisas que não tinha atingido nos meus vídeos… No primeiro e segundo episódios do programa, eu não fico nem entre os piores e nem entre os melhores. Eu não tinha encontrado meu lugar no jogo. No terceiro episódio, decidi arriscar, falar das coisas que falo normalmente. Além do drinque e dos ingredientes, mostrar minha personalidade no drinque. Para sair como vencedor, tive que ser eu mesmo.

Você trouxe a periferia, quebrando aquela coisa da coquetelaria como um club vip… 

Minha visão de coquetelaria é democrática, coquetelaria é pra todo mundo. Eu sempre vi servirem nos botecos o rabo de galo, o bomberinho… A coquetelaria sempre existiu em toda a sociedade. O que eu tento fazer é mostrar, para quem não tem acesso aos ingredientes mais difíceis, que é possível se divertir em casa. A minha ideia sempre foi facilitar o acesso das pessoas.

Com quais coquetéis você ganhou o programa?

Na final, ganhei com dois coquetéis,  o Olho de Tigre, inspirado na música do Djonga, que fala sobre racismo. E o Resistência, que levanta um chamado sobre as pessoas que resistem, como minha mãe que também resistiu.  Ela, que veio do interior da Bahia e criou um filho sozinha. Foi uma homenagem para ela…A gente fala sobre resistência, mas pensa muito no agora. A gente esquece de quem já passou por isso, quem já caminhou para que a gente pudesse correr hoje.

Uma final com a Nathiaga foi bastante emblemático, não é?

Todo o programa foi uma quebra de paradigma. Quando vi que tinham quatro pretos entre 10 competidores, vi que era uma honra participar desse projeto. Foi uma honra ser uma disputa preta na final. A Nathi é demais. Quero muito ser amigo dela e colocar ela em tudo o que puder colocar. Essa final foi uma vitória mesmo antes do último drinque. Quando dei conta de que éramos nós na final, achei que o programa já estaria bem ganho seja lá quem de nós dois levasse o primeiro lugar.

Como você enxerga a questão da representatividade no mundo da coquetelaria?

Na verdade, as pessoas na periferia, nos fluxos e rolês já consomem e gostam de mostrar que podem consumir boas bebidas. A questão, na minha opinião, é trazer os negros e a periferia para a representatividade da mídia. Gostaria de ver propaganda de bebidas representando esse consumidor – que existe e consome os produtos.

O programa foi gravado antes do assassinato do caso João Alberto, que foi brutalmente assassinado em um Carrefour de Porto Alegre…

Sim. E espero que essa participação sirva para abrir os olhos para o movimento negro e antirracista. É muito importante falar sobre racismo. E não só as pessoas pretas, mas as pessoas brancas também precisam falar.

Mas voltando a questão da representatividade…

Você vê poucos bartenders e mixologistas pretos famosos ou na mídia. A falta de representatividade está no bar, mas não só.  Eu, que trabalho com internet, também percebo a pouca representatividade de influencers negros no mercado digital. Os influenciadores pretos, tem número, mas não fecham tantos trabalhos como os influenciadores brancos. Em uma pesquisa recente descobriram que os influenciadores pretos recebem menos por trabalho do que os brancos. A gente precisa mostrar e expor isso.

Você é um cara que no Twitter sempre dá sua opinião sobre os mais diversos temas, vai continuar assim?

Falo das minhas posições políticas,  falo sobre o movimento negro… Quando comecei eu não falava, eram apenas brincadeira. Mas, nas eleições de 2018, aconteceu um fenômeno: falei mal de um político e comecei a receber ofensas racistas. Depois desse acontecimento, senti necessidade de postar mais sobre essas questões. Durante o programa,  fiz uma postagem falando de política e fiquei bolado. Será que vai dar problema… ? Não deu. E continuei postando.

Como foi gravar o programa na pandemia?

Antes de gravar, fizemos testes de sangue e covid-19. Ficamos confinados durante uma semana no hotel. Eu, que não saia de casa por ter mãe idosa, me senti bem cuidado.

E a relação com o apresentador e bartender Márcio Silva durante o programa? Rolou mesmo aquelas broncas?

Eu entrei como um aluno entraria em uma sala de aula. Toda crítica,  usei como aprendizado. Durante o programa, de forma consciente, aplique técnicas que aprendi ali, com o Márcio. Perto de profissionais como o Márcio, você tem que aproveitar para aprender e não para debater.

Você é um frequentador de bar?

Adoro. Gosto muito do SubAstor, do Espaço 13…

Qual seu coquetel preferido?

Gosto dos refrescantes, que podem levar qualquer base alcóolica. Gosto dos drinques que podem ser tomados em um churrasco, por exemplo. Gosto de gim tônica, uísque sour, caipiroska…

Ih, caipiroska foi polêmico…

(Risos) Aí deixo com os profissionais. Como amador, não me meto…(risos)

E como vai ser daqui pra frente?

Como já trabalho com redes sociais, eu pretendo usar esse impulso para produzir mais. Só que vou tentar profissionalizar meu conteúdo. Eu aprendi muito durante o programa. Quero recomeçar de uma forma mais profissional. Quero continuar ensinando as pessoas a fazer drinques fáceis, mas de um jeito mais profissional. Quero recomeçar de um jeito melhor.

Sua relação com bebidas alcoólicas sempre foi saudável?

Depois do vídeos no YouTube, passei a entender a questão de que beber menos é beber melhor…Não tem necessidade de beber muito para se divertir.

Aprenda a fazer em casa o coquetel finalista do Leandro Santos, o Resistência:

Ingredientes
2 folhas de hortelã
3 amoras
50 ml Beefeater london dry
20 ml xarope de açúcar 1:1
50 ml água de coco
Ginger Beer

Modo de preparo

Em um mixing glass com gelo, adicione a dose de gim, xarope de açúcar, amoras maceradas, hortelã e água de coco. Mexa até gelar o copo. Coe para um copo baixo com gelo e complete com ginger beer. Finalize com uma fatia de limão desidratado.

Inauguração: Bonita Bar e Cozinha

O Itaim Bibi acaba de receber uma casa nova, o Bonita Bar e Cozinha. Com inspiração cubana, o lugar tem 420 metros quadrados, teto retrátil e um espírito arejado.

“A casa tem uma pegada cubana. Viajei e trouxe mais de 3 mil fotos de Havana. Montei um mosaico com essas fotos e mostrei para a arquiteta que fez o projeto (Maria Clara Spyer). Queria esse clima, essa inspiração”, disse Rodrigo Toigo, sócio-fundador do Bonita Bar e Cozinha .

Se a inspiração arquitetônica é cubana, a cozinha segue outros caminhos. O destaque são as pizzas napolitanas individuais. Destaque para a pizza que leva o nome da casa, a Bonita (muçarela, ricota, mix de cogumelos, azeite trufado e broto de beterraba).

Mas aqui a nossa conversa principal são os drinques. A casa conta com uma carta assinada pelo mixologista Marco de La Roche, editor do site Mixology News. Na carta, coquetéis como Cuban OAK Fashioned (rum Bacardi Oro, Angostura, açúcar e cítrico em barril de carvalho e o French Daiquiri (rum Bacardi Superior, licor elderflower e limão tahiti).

Antes de encerrar, a  pergunta clássica precisou ser feita no caso desse novo espaço: por que Bonita Bar? “É Bonita porque fiz uma casa pensando nas mulheres. Não queria que fosse um bar com pegada masculina, como são a maioria dos bares. Não é pé sujo. Não é botequeiro. Eu queria um lugar em que as pessoas pudessem comer bem, ter conforto, que fosse decorado, mas não fosse esse glamour cafona de alguns lugares”, explicou Toigo – que também é diretor da Ford Model’s.

O bonita fica na Rua Clodomiro Amazonas, 142, Itaim Bibi.

Novidades: Cabíria

Os bares estão se reinventado para não morrer no meio do caminho e para vencer a crise causada pela covid-19. Algumas casas tiveram que rever seus dogmas e encontrar saídas que não estavam em seus horizontes. Neste momento, o importante é resistir – e acredito que toda resistência será recompensada no próximo ano.

Assim é a história do Cabíria, bar que nasceu com uma vocação boêmia, mas que está se transformando.

A proprietária Maria Eduarda Del Rio Pinto Lima, a Madú, contou que a casa precisou se adaptar a uma rotina mais similar a de um restaurante, com cardápios de almoço (inclusive almoço executivo – R$ 36, 90) e jantar. Para a empreitada gastronômica, juntou-se ao Cabíria o chef Marco Lofredo, do Berlusconi Trattoria.

“Com a pandemia, percebemos que o bar não se sustentava sozinho. Então, com o chef Lofredo desenvolvemos um cardápio de gastronomia italiana autêntico. O que acontece agora é que as pessoas passam mais tempo na casa, aumentando o consumo”, falou Madú.

A coquetelaria, claro, não perdeu seu protagonismo. A casa investe em clássicos bem executados e em quatro drinques autorais, como o Blow-up (com uísque, limão siciliano, xarope de açúcar, Angostura, vinho rosé e licor Beirão).

O Cabíria fica na R. Cônego Eugênio Leite, 1028, Pinheiros.

 

World Class

World Class Competition, um dos maiores campeonatos de coquetelaria do mundo, retoma em formato online. Na etapa nacional, e em sua 12º edição, os interessados podem solicitar a ficha de inscrição ou mais detalhes pelo email br-dba@msxi.com.
Os competidores deverão enviar uma receita de drinque autoral com até 5 ingredientes – especialmente produzida com o rótulo Black Label – utilizando no mínimo 30 ml do uísque. As receitas deverão ser enviadas no e-mail br-dba@msxi.com com nome do coquetel, ingredientes, modo de preparo, graduação alcoólica, história por trás do drinque e uma foto.
Os competidores também precisarão gravar um vídeo de até 2 minutos reproduzindo suas receitas e postar no feed de seu perfil pessoal do Instagram até 20 de dezembro. Os perfis deverão ser abertos para visualização dos jurados.

Belle Époque

Seguindo as harmonizações, que acontecem todos os meses no Belle Époque, em dezembro o tema será linguiças e cachaças. O evento que acontece no próximo dia 9, e em parceria com a Gouveia Brasil, terá o bartender Chris Carijó comandando a noite e apresentando duas cachaças diferentes e um drinque feito com a bebida.
A harmonização gastronômica fica por conta do chef Alecs Qintaro que servirá três entradinhas, dentre elas um angu de linguiça e linguiça flambada na cachaça. As vagas são limitadas e o valor do evento é de R$ 75. O Belle Époque fica na Rua Mourato Coelho, 575, Pinheiros.

Jack Honey

Sucesso do verão passado, o pack Jack Honey & Lemonade volta ao mercado. Além do Jack Honey, o Pack vem com uma caneca exclusiva . O pack mantém o preço da garrafa de um litro, ou seja, estará disponível em todo território nacional por R$ 159,90 (valor sugerido).
Receita do Jack Honey & Lemonade:
Encha uma caneca com gelo;
. Despeje 50 ml de Jack Honey;
. Cubra com suco de limão (preferencialmente de limão-siciliano);
. Complete com refrigerante de limão.

Tanqueray Rangpur

Tanqueray Rangpur é o mais novo lançamento da Diageo no Brasil. O rótulo é a combinação de Tanqueray com um toque cítrico do limão cravo da cidade de Rangpur (Índia). Esse novo rótulo se junta aos demais produtos Tanqueray no Brasil, Tanqueray Sevilla e Tanqueray Nº 10.
Tanqueray Rangpur está disponível em garrafas de 700 ml no site The Bar, nas principais redes de varejo, bares e restaurantes por R$ 174,90, com teor alcoólico de 41,3%.

Kits de Natal

 A Draco Still House apresenta uma linha de kits para presentear nas festas de fim de ano. Os kits são compostos pelo gim (à escolha entre London/Néroli/Hibiscus) + 2 taças e + 2 botânicos à escolha (entre hibisco, cardamomo, pimenta rosa e zimbro). Os valores variam entre R$ 195 (kit London Dry), R$ 213 (Kit Néroli) e R$ 217 (Kit Hibiscus).

Outra opção é o kit Negroni Perfeito (R$ 257), composto pelo Draco Negroni (750 ml), com o lançamento da marca, à base de Gin Draco London Dry, Campari e vermute artesanal; 2 copos para negroni personalizados; 1 forma com tampa para gelo gigante (5X5 centímetros), 1 descascador de laranja e 1 caixa de madeira personalizada. Os kits estão disponíveis em dracogin.com.br .

Delivery SP, Santos e RJ

Top Cocktails

O Top Cocktails é um empório digital que oferece artigos selecionados para quem quer consumir coquetelaria sem sair de casa. O projeto é uma criação do Marcelo ⁣Sant’Iago (editor do Difford’s Guide Brasil) O Top Cocktails  oferece kits de drinques engarrafados de bares selecionados, um clube de assinaturas para receber coquetéis em casa, dicas de bares e bebidas, workshops e, em breve, uma marca própria de coquetéis prontos para beber. A loja virtual deve entrar no ar em breve. Para mais informações: @topcktls.

Dita Coquetéis
O Dita Coquetéis entrega clássicos e autorais na cidade de São Paulo. Pedidos pela DM @ditacoqueteis ou pelo (11) 95148-4718.

50/25 Cocktails Co.
O 50/25 Cocktails Co. é o projeto de drinques engarrafados do head bartender e consultor de bar Paulo Ravelli  e da criadora de conteúdo digital Xan Ravelli. São garrafas de 375 ml com diversas variações de negroni e outros drinques autorais. Os pedidos devem ser feitos pelo WhatsApp (11) 94602-6313. Mais informações no Insta do projeto, @50vintecinco.

Koya
O Koya será inaugurado até o fim do ano. Mas enquanto esse dia não chega, ele está funcionando como  um projeto de coquetéis engarrafados assinados por Thiago Pereira – com drinques que em breve estarão disponíveis no site www.koya88.com.br. Além disso, ele também  oferece um clube de assinatura, em que é  possível receber mensalmente um kit com 8 garrafas com coquetéis. Os pedidos também podem ser feitos pelo Instagram, @koya88.

Homemade Coffee Drink
O Homemade Coffee Drink faz delivery de coquetéis que levam um toque de café em sua composição. Na carta, coquetéis como Boulevardier Coffe, Kingston Coffe e outros. Cada drinque sai por R$ 25. Além dos coquetéis, o serviço também trabalha com um Cold Brew (R$ 15) e charuto premium (R$ 15). Os pedidos devem ser feitos pelo direct do Instagram, @homemadecoffeedrink. As entregas são feitas de quinta a sábado.

Frank Bar
O Frank Bar lançou a plataforma de coquetéis sob encomenda, o “Frank Bar na sua Casa”. Nela, os clientes poderão escolher entre oito opções de drinques. Os coquetéis tradicionais têm valor de R$ 75, enquanto as criações exclusivas saem por R$ 80. Cada garrafa comporta 160 ml, equivalente a cerca de duas doses. O cliente recebe ainda as guarnições. Retiradas na Rua São Carlos do Pinhal, 424 (mediante agendamento prévio realizado no momento da compra). Encomendas pelo site.

Yuu drinks
O Yuu drinks entrega coquetéis com frete fixo de R$ 10 para cidade de São Paulo. No cardápio, clássicos e autorais. Os coquetéis custam R$ 24. Para pedidos, DM pelo Instagram (@yuu.drinks) ou via WhatsApp (99545-1564).

At Home Speakeasy
A bartender Adriana Morais e Rafael Pires Domingues (bartender do Frank Bar) juntaram forças para criar o At Home Speakasy. O serviço de coquetéis delivery estreia com 3 criações da dupla: o cachaça-tai, o banana old fashioned e o tangerina sour. Os pedidos devem ser feitos pelo WhatsApp 99298- 0634.

Jazz Factory
O Jazz Factory e o Quincas bar são parceiros no delivery de coquetéis e criações do  bartender Bryan Rocha. Destaque para o Yoda Juice (com néctar de rúcula). Você pode pedir pelo Ifood ou pelo telefone 3675-6337.

Bio Bar
O Bio Bar nasceu para ser um bar itinerante, mas a pandemia do coronavírus fez com que o projeto se transformasse em um serviço de delivery de coquetéis. Na carta, drinques clássicos e sazonais. Os pedidos podem ser feitos pelo Instagram (@obiobar) ou pelo site www.biobar.com.br.

Sip Lovers
Os Sip Lovers, grupo que tem atuado na distribuição de garrafinhas para bares realizarem seus deliverys com menos custo, inaugurou sua própria loja virtual para venda de coquetéis. Na plataforma, é possível encontrar drinques autorais de bartenders convidados e clássicos modernos. Na estreia, os bartenders convidados são Jean Ponce (Guarita Bar), Marcelo Serrano (Venuto) e Adriana Pino (vencedora do World Class Brasil 2018).  Conheça e peça os drinques no www.siplovers.com ou no Instagram @siplovers.

Staff Cocktails
O Staff Cocktails começou a operar nessa semana com delivery de drinques. No cardápio, coquetéis como negroni, old fashioned, gim tônica, macunaíma e a possibilidade de pedir drinques específicos (sujeito à disponibilidade). Eles têm 250 ml (três doses, em média). Os pedidos podem ser feitos via DM (@staffcocktails) ou pelo Whatsapp (98696-6444). O Staff também está atendendo em Santos!

Locale Caffè
Acaba de ser inaugurado o Locale Caffè, misto de bar e café típico italiano no Itaim Bibi. O projeto está sendo lançado nos formatos take away e delivery. Os pedidos podem ser feitos por WhatsApp (94140-4371), via um link direto localizado no Instagram da marca (@locale.caffe) ou diretamente no local, das 8h30 às 22h. É possível pedir versões de Aperol Spritz, Negroni e Dry Martini engarrafados, todos por R$28. O Locale Caffè fica na Rua Manuel Guedes, 349, Itaim Bibi.

Molotov Bar
O bar também iniciou o seu serviço de delivery de coquetéis. São oito opções em diferentes tamanhos, acompanhadas de gelo transparente e guarnições. Pedidos pelo goomer.app/molotov.

Adote um Bartender
O projeto Adote um Bartender já começou a entregar drinques por delivery. Comprando os coquetéis do projeto, você também ajuda os profissionais da área que estão em situação mais difícil nesse momento do País. Por enquanto, os pedidos devem ser feitos pelo Ifood, no restaurante Graxa Discos.

Térreo Bar
A cada final de semana, o Térreo Bar prepara uma carta diferente para o delivery. Os interessados devem consultar o Instagram do bar, @terreobar, e mandar seu pedido por DM.

Boca de ouro
Os órfãos do Boca de Ouro (eu incluso) já podem respirar aliviado. O ‘Boca’ começa o seu delivery, com os pratos do chefe Alê, os drinques do Rodrigo Roso e todo charme e elegância de  Arnaldo Hirai e Renato Martins. Claro que o clássico ‘bolovo e macunaíma’ estão disponíveis. Os pedidos podem ser feitos pelo Ifood. Ah, finalmente o ‘Boca’ tem um perfil no Instagram, o @barbocadeouro.

The Lab
The Lab voltou com seu próprio Delivery. Os pedidos podem ser feitos via Ifood ou direto no site do Thelabdelivery.com.br. Entre os autorais estão os surpreendentes Fish Martini, Influenza e o Black Berry Blood (que eram clássicos da carta do saudoso H. Gin).

Mule Mule Muleria
A casa especializada em Moscow Mule está entregando delivery pelo Ifood, Rappi ou pelo telefone 3614-9098.

Riviera Bar
Um dos mais tradicionais bares de São Paulo também está realizando delivery de drinques. Os clássicos da casa estão disponíveis pelo Ifood e pelo goomer.

Ipo Bar
O Ipo está com delivery de drinques clássicos, como o gold rush, negroni, boulevardier (com um toque de manga rosa) e gimlet. As garrafas custam R$ 65 e rendem 4 coquetéis. Os pedidos devem ser feitos pelo direct do Ipo no Instagram, @ipobar.

Bang Bang Café
O Bang Bang também iniciou o seu delivery de coquetéis artesanais e clássicos. Para pedidos, escreva para o WhastApp (94117- 7863).

Mix n’ Gin
Drinques autorais e clássicos. Delivery e retirada. De 6ª a domingo, entre 18h e 23h. Pedidos pelo direct (@mixngin), WhatsApp (98073-5161) e telefone (2597-8090).

Oguru Sushi & Bar
Restaurante japonês com delivery de drinques autorais e clássicos. Eles estão disponíveis pelo aplicativo Ifood ou, para take away apenas no Itaim Bibi, via WhatsApp (99297-8679), com 10% de desconto.

Rafael Pires Domingues
Rafael Pires Domingues, bartender do Frank Bar, está fazendo delivery por conta própria. O trabalho é 100% artesanal e feito na casa do Rafa. Todos os coquetéis produzidos são feitos com a cachaça Arbórea. Cada coquetel sai por R$ 35. Para pedir o seu drinque entre no Instagram do Rafael, @rpdomingues.

Zenzero Drinques SP
Zenzero é uma empresa especializada em delivery de drinques que nasceu na Serra Gaúcha. Agora, desde abril está em São Paulo com a proposta de delivery. O Zenzero atende pelo Ifood. Os preços variam de R$ 27 a R$ 50.

Soroko’s Bar
O Soroko’s Bar está preparando drinques para delivery. A casa está nas plataformas Uber Eats e ifood.

Boteco Mano do Céu
O bar já fazia delivery antes mesmo da pandemia. Na carta, negroni com Cynar 70 no lugar de vermute, clássicos como Bitter Giuseppe e Old Fashioned. Além do autoral Scarpa (que leva cachaça branca, Cynar e Brasilberg). O Boteco Mano do Céu atende pelo Ifood.

Espaço 13
O Espaço 13 está com delivery em dias fixos, nas quintas, sextas e sábados. Os pedidos podem ser feitos pelo WhatsApp (99368-5785).

Fortunato Bar
O Fortunato também está fazendo delivery dos seus ótimos coquetéis. Quem quiser, pode pedir pelo telefone 4680-2966.

Degrau Bar
O Degrau Bar está realizando delivery de coquetéis, cervejas e lanches pelo Ifood ou para retirar no local.

Benzina
Os coquetéis saem por R$ 20 (100 ml) e mais taxa de entrega. Os drinques devem ser encomendados com um dia de antecedência pelo direct do Instagram do Benzina (@benzina.bar) ou pelo Instagram do próprio Gabriel Santana (@gsantana.bartender). Pedidos também podem ser feitos pelo WhatsApp (98888-2365).

Talita Simões/ Drinks@Home
A bartender Talita Simões também está produzindo coquetéis para entrega. Entre os coquetéis, dois tipos de gim tônica e o Greta (gim, mix cítrico de casca de abacaxi, tônica e zimbro). Pedidos e encomendas pelo WhatsApp (96081-2223) ou pelo Instagram @talitasimoesmixology.

Drosophyla Bar
O ‘Dró’ também tem o seu delivery de comidas e coquetéis. Os pedidos devem ser feitos pelo telefone 3120-5535. Ou pelo WhatsApp 98588-1031/ 98588-1172. O menu pode ser acessado no Instagram do bar, @drosophylabar.

QT Pizza Bar
O cliente pode pedir pelo Ifood ou retirar no local os aperitivos em garrafinhas de 210 ml (R$ 36 cada): Armando (Amaro, vermute branco e Fernet), negroni (bitter aperitivo, vermute tinto e gim) e old fashioned (bourbon, xarope de açúcar e bitter). Detalhe, são três drinques pelo preço de um, enviados sem gelo.

Lupe Bar y Taqueria
O Lupe está no Ifood com ótimos coquetéis e, principalmente, dando um gostinho de sua nova carta. O bar lançou o coquetel No Manes! pelo aplicativo de entrega Ifood.

Cubq
O bar itinerante Cubq está fazendo delivery de coquetéis autorais e clássicos por meio do Ifood. Quem quiser conhecer mais da proposta do bar deve acessar o site www.cubq.com.br.

Balaio IMS
O restaurante está disponibilizando seus ótimos drinques autorais pelo aplicativo de entrega Ifood.

Jiquitaia
O restaurante tem três opções de coquetéis em seu delivery (caju amigo, detox e rabo de galo). Faça os pedidos pelos números: 99954-0071 ou 3262-2366.

Venuto
O restaurante Venuto, que tem como sócio o bartender Marcelo Serrano também está no Ifood.

Grog Bar
O Grog está entregando kits de coquetéis que variam entre 2 a 15 drinques. Você pode pedir pelo direct do Instagram do bar @grog.bar ou pelo número 98551-4800.

Caledonia Whisky & Co.
O Caledonia está fazendo delivery de suas réguas de degustação de uísque. Para pedir, basta procurar o bar no Ifood.

Apotheck Bar
Drinques originais do Apotheck bar e os tônicos lançados em parceria com o bar dos arcos. Eles podem ser pedidos pelo site apothekcocktails.com.

Guarita Bar
O Guarita começou a fazer entregas. Os pedidos devem ser feitos pelo WhatsApp (9805-93746). O cardápio de comida e drinques está disponível nos destaques do Instagram @guaritabar.

O Picco
Oferece quatro drinques engarrafados para consumir em casa: vodca martini, martinez, manhattan e kingston. Todos por R$ 20. O bar atende pelo Rappi, por mensagem no Instagram @o.picco ou pelo WhatsApp (99307-7651).

Regô
O bar está oferecendo drinques engarrafados (150 ml). Entre os coquetéis, opções autorais (Lulone e 70) e clássicos (negroni e vésper). Pedidos podem ser feitos por mensagem direta no Instagram @ao.rego ou pelo WhatsApp (96252-0884). Os drinques custam entre R$ 25 e R$ 30.

Sylvester
O Slyvester faz coquetéis para retirada no local. Você pode reservar pelo telefone (3034-1268) ou pelo WhattsApp (96234-4314). Retirada na R. Maria Carolina, 745, Pinheiros.

Eugênia Café Bar
O Eugênia, em Pinheiros, aceita pedidos de coquetéis diretamente pelo Intagram @eugeniacafebar.

Astor
Disponibiliza drinques clássicos para delivery (negroni, dry martini, old fashioned, boulevardier e manhattan). Interessados devem ligar para 2883-5063.

Banqueta bar
Faz delivery do negroni clássico e da versão envelhecida em barris de carvalho ou amburana. As garrafas têm 375 ml e servem até quatro drinques. Cada garrafa acompanha um pack com quatro gelos translúcidos da Ice4Pros. Pedidos pelo direct do Instagram @banquetabar.

Imakay
O restaurante e bar já está com serviço de delivery – inclusive com alguns drinques da carta. O pedido pode ser feito por WhatsApp 3078-7786. Logo, a carta do restaurante também deve entrar no Rappi.

Pineapple Bar
Também está com drinques engarrafados para delivery. São cinco opções de clássicos (manhattan, dry martini, old fashioned, boulevardier e negroni). Cada garrafinha custa R$ 20. Pedidos pelos telefones 3031-2312/97071-0052 ou por mensagem direta no Instagram @pineapplebarsp.

Canoa Cervejaria
Embora seja uma cervejaria, a Canoa tem dois coquetéis para entrega delivery. Eles podem ser pedidos pelo site canoaemcas.com.br.

Cama de Gato
O cama de gato está fazendo delivery de kits para negroni, boulevardier, gim tônicas e muito mais. Os pedidos devem ser feitos pelo WhatsApp (95330-5499).

Santos

Hideout Speakeasy, da cidade de Santos,  está na minha lista de bares que preciso conhecer assim que a pandemia acabar (assim como o Liz, do Rio de Janeiro). Então, inaugurando a sessão Santos da nossa lista de delivery, apresento o @hideout.speakeasy. Para quem mora em Santos, o bar está no Ifood e no Goomer.

Rio de Janeiro

Liz Cocktail Co.
O Liz Cocktail entrega em toda a Zona Sul do Rio de Janeiro ou pick up. Informações e pedidos via direct @lizcocktails.

Five Dollar Shake Drinks
Entrega de 6ª e sábado na zona sul do Rio, Centro e Tijuca. Os pedidos podem ser feitos via direct @5dollarshakedrinks.

Vizinho Gastro Bar
O Vizinho está nos aplicativos Ifood e Rappi. O bar também atende pedidos via WhatsApp (21) 97154-0841.

Shake Speake Easy Bar
O Shake tem 10 opções de drinques de produção artesanal. Os pedidos podem ser feitos pelo direct @shakespeakeasybar ou pelo WhatsApp (21) 99369-0372.

Nosso
O nosso está com delivery de clássicos da casa, como o negroni envelhecido e outros. Cada garrafa serve quatro drinques. Pedidos e informações pelo celular (21) 99619-0099.

 

Tags:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?

Tendências