Paladar

Faça um Dry Martini e passe a quarentena com classe

Balcão do Giba

Drinques para fazer em casa

Faça um Dry Martini e passe a quarentena com classe

Trago a receita que costumo preparar em casa e algumas sugestões de como personalizar o clássico drinque

12 de maio de 2020 | 05h07 por Gilberto Amendola

Como a cantora Kátia havia previsto em meados de 1987, “não está sendo fácil”.

Mas, apesar dos pesares, vamos tentar passar por essa quarentena com alguma classe, elegância e boa coquetelaria.

Por isso, o drinque desta semana é o clássico Dry Martini.

Existem muitas polêmicas e variações envolvendo o coquetel, mas a vida já está difícil demais para que a gente fique problematizando aquilo que vai beber em casa. Aqui, trago a receita que costumo preparar em casa para o meu próprio e egoísta deleite.

Receita Dry Martini
Ingredientes:
75 ml de gim
15 ml de vermute seco
Azeitona
Preparo:
1. Coloque uma taça de martini (coupé) no congelador.
2. Coloque em um mixing glass com gelo até quase a metade, 75 ml de gim e 15 ml de vermute seco.
3. Mexa com ajuda de uma colher bailarina por 20 ou 30 segundos (o tempo vai variar de acordo com a diluição do gelo que você usar).
4. Tire a taça do congelador. Coe o líquido do mixing glass para a taça.
5. Acrescente uma azeitona.
6. Seja pleno (a).

Personalize o seu Martini

Você pode mexer nas proporções (entre o gim e o vermute seco) e mudar substancialmente o seu coquetel. Quanto menos vermute, mais seco será o seu drinque. Algumas pessoas gostam do seu Martini só com o “cheirinho” do vermute. Fique à vontade para obedecer o seu coração.

Gosta de vermute? Experimente um Martini 50/50 – com a mesma quantidade de gim e de vermute.

Quer “sujar” o seu Martini? Faça um Dirty Martini! Basta acrescentar uns 5 ou 10 ml de água de azeitona.

Tem bitter em casa? Então, acrescente um dash de bitter de laranja no preparo do seu Martini. Funciona super bem.

“E se eu não tiver azeitona?”
Você pode usar uma casquinha de limão-siciliano. Ou optar por uma cebolinha em conserva (que vai transformar o seu Martini em um Gibson). Se não tiver azeitona, casquinha de limão-siciliano ou cebolinha, não se estresse. Beba mesmo assim.

Ah, mais o James Bond (007) toma batido e com vodca… Não acho que “bater” (chacoalhar a coqueteleira ao invés de mexer com uma colher) um Martini seja uma boa ideia.

Mas se você quer muito bancar o 007 siga em frente. Coloque tudo na coqueteleira e mande ver. A vida já anda muito difícil pra gente ficar colocando muitas regras.

A vodca também não é a minha escolha para esse coquetel, mas se você prefere vodca não se avexe, não. Troque o gim pela vodca de sua preferência e tenha um The Kangaroo (mais conhecido como vodca Martini).

Tem Lillet em casa?
Faça um Vesper:
Ingredientes:
60 ml de gim
20 de vodca
10 de Lillet
Preparo:
1. O princípio é o mesmo do Dry Martini que você aprendeu no começo desta coluna. Eu prefiro mexido, mas muitos bares bacanas batem o coquetel. Então, não tenha medo de usar a coqueteleira aqui.

Tags:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?

Tendências