Paladar

Junho também é o mês da diversidade no mundo da coquetelaria

Balcão do Giba

Drinques para fazer em casa

Junho também é o mês da diversidade no mundo da coquetelaria

Programação do site Mixology News debate a LGBTQIA+fobia dentro do bar; e mais: confira como foi a visita do Balcão ao The Punch Bar

18 de junho de 2021 | 14h19 por Gilberto Amendola

Olá amigos de Balcão! Todos bem?

O blog de hoje vem com o mês da diversidade nos bares, evento virtual realizado pelo site Mixology News; também vou contar um pouco sobre minha visita ao The Punch Bar e, é claro, notícias e lançamentos do mundo da coquetelaria.
Mas vamos começar pelo Mês da Diversidade no Bar no Mixology News. Você considera o bar um ambiente progressista e livre de preconceitos? A orientação sexual do bartender é uma questão para empregadores ou clientes? Esses e outros temas serão debatidos até o final de junho, durante o mês do Orgulho LGBTQIA+, nas plataformas do Mixology News.
A condução dos debates e entrevistas ficará a cargo do bartender e ativista Thomas Souza. O evento tem o patrocínio da Cointreau. “Tem quem ainda esconda sua orientação sexual para se estabelecer no mercado e não sofrer censura ou retaliação. Culturalmente, a gente sofre uma série de condicionamentos para não exercer, na totalidade, a expressão de quem nós somos de verdade.  Eu acredito que, aos poucos, com informação e educação, vamos conseguir passar por cima disso. Tenho esperança e otimismo de conseguir agir ativamente em relação a esse dilema”, disse Thomas. “Já perdi muito trabalho, já recebi muito não por conta da minha orientação sexual”, completou.
Entre as entrevistadas no mês da diversidade está a bartender Thatta Kimura. “Eu acho importante discutir a diversidade na nossa área. Eu sinto que os bartenders deixam de ser parte do que eles são, principalmente nas mídias sociais, por conta de ter medo de não conseguir trabalho ou ser demitidos”, disse Thatta. “Eu conheço pessoas trans que trabalham em bar que não postam nada relacionados ao universo LGBTQIA+ por medo do contratante descobrir. São milhões de problemáticas que fazem a gente não falar da nossa orientação sexual. Eu mesmo já fui menos verbal sobre minha orientação”, completou.
O evento também conta com convidados que não são do mercado da coquetelaria, mas que atuam, de forma marcante, no combate ao preconceito. Entre as convidadas está Larissa Sanchez  – mulher transexual, estudante de psicologia e palestrante sobre população LGBTQIA+.
” Quando se fala em bares, nós precisamos nos atentar para o consumo do álcool, que é um elemento potencializador do ego e dos desejos profundos. Neste sentido, temos uma sociedade que já está se sentindo mais livre para ser LGBTQIA+fóbica, sem medo de punições”, lamenta Larissa. “A melhoria deste cenário passa pela capacitação dos funcionários do bar”, disse. Segundo ela, essa capacitação significa desde compreensão para a proteção desta população até o conhecimento das terminologias e pronomes de tratamento.
“A contratação de minorias em  posição de linha de frente do bar, especialmente trans, vai  causar espelhamento e identificação social. A ocupação de espaços públicos de destaque se tornam uma esperança para outros que também podem almejar esses postos”, disse Larissa.
Programação:
Instagram: @mixologynews
YouTube : @mixologynews
Entrevistas no portal Mixology News 
Os bartenders confirmados são:  Thatta Kimura (SP), Maicon Onofre (SP), Lukas Siqueira (PR), Cláudio Galicia (SP), Camila Carlos (SP), Thiago Ceccotti (MG), Matheus Savastano (SP), Thomas Souza (SP), Carol Grance (SC) e Nayara Beceli (Santos).~ Live no Instagram // Influenciadores e autoridades na causa
Durante os dias 21 a 25 de junho, a partir das 18:00, todas as lives acontecerão no Instagram.
21/06 –  Pedro Melo & Paloma Santos
22/06 –  Larissa Sanchez
23/06 –  Transgarçonne RJ (Breno Cruz e Duda Itajahy)
24/06 –  Coletivo Ada Coleman
25/06 –  Maite Schneider (TransEmpregos)~ Webinar no Youtube // Diversidade na Coquetelaria 28/06 – 19:30 às 21:00
Com mediação de Thomas Souza e participação de  Talita Simões (SP), Giselle Salviano (SP), Wanderson Sá (SP), João Morandi (PE), Pâmela Lopes (SC),  Duda Bonatto (SP), Romero Britto (PR), Thomas Ramos (RJ) e Chula Barmaid (SP).

The Punch Bar

Hoje, vou levar vocês para o The Punch Bar – um speakeasy com características japonesas e excelência em hospitalidade.
A casa atende apenas por meio de reservas – e somente até nove pessoas por vez.  Todos os drinques são preparados pelo próprio dono do bar, o Ricardo Miyazaki (quando puder operar com a totalidade da sua capacidade, cerca de 20 pessoas, é provável que Miyazaki conte com um bartender em sua equipe).
Já o pré-atendimento e todas as outras tarefas da casa ficam por conta de  Naomi Miyazaki. O casal é o responsável por levar cada cliente para um ambiente de gentilezas e delícias etílicas. Os petiscos chegam por uma portinhola diretamente do restaurante vizinho, o excelente Washoi.
Nunca fui para o Japão. Sonho em conhecer seus bares premiados e seus geniais bartenders. Enquanto esse dia não chega, vou me concentrar na ótima brisa oriental que vem do The Punch. Acho também que o The Punch serve como um aquecimento para as Olimpíadas que estão chegando.
O The Punch Bar fica na Rua Manuel da Nóbrega, 76, Lj 17 – Paraíso. As reservas devem ser feitas pelo WhatsApp 11-9734-23186. Ou por DM no @thepunchsp.
Minhas impressões do que bebi por lá. Só medalhistas de ouro:
Velvet Almond – Rum ouro, rum branco, jerez fino, licor de amêndoa e Japonese Umami Bitter. R$ 38.
Um ótimo cartão de intenções do Miyazaki. Todos os elementos do drinque repetem a harmonia do bar. O mix de runs e o jerez seguram a onda do licor de amêndoa – e não deixam o coquetel cair na armadilha do “docinho”. O Japonese Umami Bitter (que Miyazaki trouxe do Japão) é o toque oriental desta história. Um coquetel reconfortante, feito para você se ajeitar no balcão e por lá ficar. Um alívio, uma delícia.
Sakura Mankai (Desabrochar da Cerejeira) – Sakê Junmai Ginjo, vodca Suntory Haku, destilado de pera oriental, cordial de hana ume (flor de hibisco) e bitter de sakura. R$ 44.
Assim como a gastronomia, a coquetelaria também tem o poder de nos transportar para outros países e culturas. Nunca estive no Japão, mas meu projeto de vida inclui visitar o país durante o festival das cerejeiras (que acontece durante a primavera). Com o Sakura Mankai senti o cheiro de um lugar que eu nunca fui. Esse poder de aguçar nossa imaginação já faz deste um drinque que vale a pena ser conhecido. Leve, uma brisa, pura primavera no Japão.
Kuro Bunê – Mugi shochu, bourbon, vermute tinto, Umechu – licor de umê e Peychaud’s bitters. R$ 45
O carro chefe do The Punch. Uma espécie de vieux carré (coquetel clássico de New Orleans – que leva rye uísque, conhaque, vermute tinto, benedictine, Angostura bitters e Peychaud’s bitters) com pegada oriental. Se você também é do time dos “clássicos encorpados” essa é uma escolha segura. Pode ser uma ótima pedida para terminar sua visita. Também é um coquetel que me levou para um Japão noturno, uma Tóquio de cinema de ação, dos bares escondidos e mistérios. Faz um contraste bonito com o drinque anterior, o Sakura Mankai.

Dama da Noite – Cachaça branca premium, jerez fino, lillet, licor st.german e spray de absinto. R$ 40.
Aqui, o The Punch abraça o brasil usando a cachaça em um belo martini. Uma bela alcaparra faz o papel da azeitona em um martini tradicional. A presença da cachaça é bastante suavizada. Complexo, para iniciados. Recomendo muito.

 

Café Caribeño – Defumado rum Kraken, vinho do porto Tawny, licor de café, licor maraschino, Angostura e defumação. R$50.
Aqui, observar o preparo de Miyazaki já é parte da própria experiência. Gosto do papel do vinho do porto na coquetelaria. O Café Caribeño é um drinque de despedida, o último da noite.
NOTÍCIAS 

Shot 1 – O Pasquim Bar e Prosa acaba de lançar 8 drinques inspirados na Copa América e na Eurocopa. Todos os drinques estão disponíveis  no valor de R$29,90. O Pasquim fica na Rua Aspicuelta, 524 – Vila Madalena.

Shot 2 – A cervejaria Avós, em parceria com o site Difford’s Guide,  acaba de lançar a Baltic Cognac Julep. A cerveja leva em sua composição o  Cognac Martell V.S.O.P . Trata-se de uma Baltic Porter, como aromas e sabores que remetem à melado, alcaçuz, chocolate escuro (com um leve gosto torrado) e hortelã.   Parte de uma edição especial de cervejas que homenageiam coquetéis, serão produzidas apenas 130 garrafas de 330 ml e disponibilizadas no delivery da Avós ao custo unitário de R$ 69.

Shot 3 – No dia 1 de julho será lançada a cachaça artesanal e sustentável, a  Cãna. Neste primeiro momento, ela pode ser comprada apenas no e-commerce da marca.  Um dos diferenciais da Cãna é sua filtragem  é feita com carvão de cascas de coco.O valor no e-commerce será de R$ 128 (750 ml).

Shot 4 – A final global do 12º Bacardi Legacy ocorre na próxima semana com transmissão ao vivo (pela página oficial da Bacardi), diretamente de Londres, e em formato totalmente digital: as semifinais serão nos dias 22 e 23, e a grande final mundial, com 8 competidores, acontece no dia 30 de junho. Representando o Brasil, o finalista é o bartender Mário de Oliveira, de São Paulo ( @granmario ), vencedor da última edição, em 2019, que este ano concorre com outros 41 finalistas de diversos lugares do mundo.

 

 

Tags:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?