Paladar

Mario Oliveira vence a etapa nacional do Bacardí Legacy; confira entrevista

Balcão do Giba

Drinques para fazer em casa

Mario Oliveira vence a etapa nacional do Bacardí Legacy; confira entrevista

Bartender do restaurante Nakka, em São Paulo, vai para final em Miami; concurso é um dos mais importantes da coquetelaria mundial

21 de fevereiro de 2020 | 18h06 por Gilberto Amendola

O “Balcão” acompanhou a final brasileira do Bacardí Legacy, um dos concursos mais importantes da coquetelaria mundial, que ocorreu na última segunda-feira, dia 17.

Originalmente, a final seria realizada na semana anterior (10) – justamente naquela fatídica segunda-feira em que o mundo desabou e São Paulo ficou debaixo d’água. Na ocasião, óbvio, a organização acertou em adiar a realização do evento.

A apresentação foi no bar Motirô, em São Paulo, e reuniu os competidores Mario Oliveira (Nakka Jardins), Matheus Cunha (Tetto Rooftop Lounge) e Roddy Oliveira (Feirinha Bar).

A apresentação dos três finalistas foi rápida, objetiva e bastante emocional – o nervosismo era claro.

 

Mario Oliveira. FOTO: Shotz.media

 

Mario Oliveira, que já havia alcançado as fases semifinais do concurso outras vezes, foi o vencedor da etapa brasileira com o coquetel Brado, garantindo o passaporte para a grande final mundial que ocorrerá em Miami.

A seguir, uma rápida entrevista com o vencedor. Aliás, no final dela, aprenda a receita de Brado – o coquetel que levou Mario Oliveira para Miami.

1. Mario, conte um pouco sobre o processo de criação do Brado? Na sua opinião, qual é a grande sacada do seu coquetel?

O Brado teve um processo criativo de quase nove meses. A ideia era criar um coquetel que fosse popular, que representasse a voz das pessoas e tivesse a essência brasileira. Brado, inclusive, é uma palavra que não tem tradução direta para outras línguas e que a maioria dos brasileiros conhece. Então eu aproveitei a originalidade e o próprio impacto sonoro das duas sílabas para trazer à tona a ideia de grito e clamor do coquetel. Além disso o chá, o Cynar, o limão e a hortelã são ingredientes mais fáceis de encontrar, o que o torna mais acessível.

Acredito que o diferencial do Brado é o movimento que trouxe junto a ele. O “espalhe sua voz” representa a força da expressão na música, na dança, escultura, teatro… a arte em si. Todo o processo do Brado se baseou na arte e na força de expressão da cultura brasileira.

2. Qual a importância de concursos como o Legacy na carreira de um bartender?

Sou um pouco suspeito para falar, porque acompanho já faz um tempo. Sempre tive a premissa de participar de um campeonato brasileiro e esse é o terceiro ano que eu participo do Bacardí Legacy. Eu me empenhei bastante para chegar aonde queria e consegui me classificar em todas as edições anteriores. Sou muito grato por isso.

Acho importante campeonatos como o Bacardí Legacy, porque consolidam uma imagem de profissionalismo aos bartenders, que nem todo mundo conhece. Além disso, pela amplitude que tem, sempre traz algo para agregar; nós nunca vamos saber de tudo e é sempre bom poder aprender mais um pouco. Para mim, o Bacardí Legacy é o campeonato mais expressivo do mundo da coquetelaria, porque te incentiva a pensar aonde você quer chegar, a construir sua história e seu legado na coquetelaria.

3. Me conte um pouco da sua história, como começou na carreira, o que fazia antes, etc?

Desde criança eu tenho contato com a coquetelaria. Meu pai também era desse nicho, então eu aprendi e fui pegando gosto pela profissão lendo os livros dele. Estudei e tive a oportunidade de trabalhar durante quatro anos no [bar] Número, onde fui acolhido pelo mestre Derivan Ferreira, um dos maiores nomes da coquetelaria no país até hoje. Depois fui para o G&T Bar, o primeiro bar de gim e tônica no país, e mais tarde fui convidado para trabalhar no Nakka Jardins, voltado para coquetelaria, onde estou há três anos. Tive a sorte de trabalhar em três lugares enriquecidos em coquetelaria e mixologia, e isso com certeza só fortaleceu e aprimorou tudo o que estudei durante esses anos.

Aprenda a receita do coquetel vencedor do Bacardí Legacy 2019/20, o Brado:

Brado, drinque de Mario Oliveira. FOTO: SHOTZ.MEDIA

Brado

Ingredientes
50 ml BACARDÍ Añejo Cuatro
30 ml Chá Preto
15 ml
Suco de limão-siciliano
15 ml xarope de hortelã
10 ml aperitivo de alcachofra
Twist de laranja

Preparo
1. Coloque todos os ingredientes em uma coqueteleira com gelo. Bata vigorosamente. Coe para um copo alto e com gelo.
2. Dica: para preparar xarope de hortelã, acrescente hortelã fresco a xarope de açúcar (diluição de partes iguais de água e açúcar) e deixe descansar por alguns minutos. Coe e guarde na geladeira.

 

Notícias do mundo da coquetelaria 

Shot 1 – O bartender Tom Oliveira acaba de lançar uma webserie sobre a vida de quem se dedica à coquetelaria. Na série, o cotidiano dos bartenders, o processo criativo, as dificuldades e alegrias da profissão. A série está disponível no canal de YouTube “Atrás do Balcão” e pelo site Mixology News.

View this post on Instagram

Hoje foi ao ar pelo @mixologynews o primeiro episódio do canal do @atrasdobalcaooficial do YouTube. . Ele foi gravado no @tarsilabar, que para mim é um dos bares mais importantes e urgente da atualidade. . Na ocasião fizemos o guest “O Último Shot da Década” junto a @cachacaantonieta lançando também o projeto @vitrus_speakeasy pop-up. . Foi um trabalho de varias mãos e sou muito grato a casa pessoa que suou, transpirou e somou de alguma forma para botar essa ideia não só em prática, mas em vídeo através de um canal. . Quem quiser acompanhar essa aventura abre o link na bio, e já aproveita para se inscrever no canal para acompanhar as próximas histórias e balcões. . Valeu time. Vocês são foda! 🙏🏾🥃🔥

A post shared by 𝐓𝐨𝐦 𝐎𝐥𝐢𝐯𝐞𝐢𝐫𝐚 (@gipsycocktails) on

 

Shot 2 – O Bar Talks, o podcast sobre o mundo da coquetelaria criado pelo mixologista Marco de La Roche, voltou! A entrevistada dessa semana é  a Jessica Sanchez, que já foi eleita a melhor bartender da América Latina pela revista Forbes e é dona do Vizinho Gastrobar, na Barra da Tijuca. O podcast está disponível em aplicativos como o Spotify e no site Mixology News.

View this post on Instagram

Tks @seensaopaulo @belvederebrasil

A post shared by Jessica Sanchez (@semsanchez) on

 

Shot 3 – O projeto Marginália, do bartender Diogo Sevilio, terá uma edição em pleno carnaval. No domingo, 23 de fevereiro, a festa ocorre no bar Luar da Cardeal, na Rua Cardeal Arcoverde, 2320. A ideia é valorizar bebidas marginalizadas e oferecer drinques a preços convidativos.

View this post on Instagram

Ruuuufem os tambores, as vuvuzelas e as matracasa, no carnaval tem MARGINÁLIA, a primeira do ano. Dia 23/02 Domingo de Carnaval Nessa edição convidamos @mcdidohelipa pra cantar seu bairro, sua batida e sua cultura. Vai ter funk, vai ter drink vai ter carnaval. Valeu demais @irm.lulla Muito barulho pra atrair os "errantes", estilo TWD. Mais uma vez o @luar_dacardeal abre as portas pra receber @the_real_tea_rex , @ricardo_dadu , @brandaolucas , @diogobartender e brunosevilio, para mais uma Rasgueirage Avec Élégance. Garrafinhas com Bacurau, Garoa e Beijo na Boca à 10 reais (o gerente enloqueceu). Não pira também é vem. #marginália #rasgueirageavecellegance #marginalidade #repertório #ancestralidade #1drinkamenos #dubarbr #camparibr #tiiv #ice4pros #arboreacachaça

A post shared by Festa MARGINÁLIA (@marginalia.rae) on

 

Shot 4 – A nova carta de coquetéis do restaurante Ferra foi lançada na última quinta-feira. O Ferra fica dentro do Jockey Club, na Avenida Lineu de Paula Machado, 1263.

 

Shot 5 – O Drosophyla Bar resgata a nostalgia dos bailinhos de carnaval da década de 20 e 30, pelo quarto ano consecutivo. Neste ano, cada baile terá um tema. Na sexta, 21, é o Baile Evoé. Já no sábado, 22, vai rolar o Baile dos Mascarados, com fantasias e máscaras que vão instigar a imaginação dos foliões.  A decoração do bar segue a mesma linha, inspirada nos bailes de máscaras. O Drosophyla fica na Rua Nestor Pestana, 163, Consolação. Preço: R$ 70 (sendo R$ 25 a entrada e R$ 45 para consumação).

 

Shot 6 –  O novo Bar Resenha Perdizes, localizado na Rua Desembargador do Vale 278, Perdizes, tem carta assinada pelo bartender Marcelo Serrano.

 

Shot 7 – O INK BAR, recém-aberto na Vila Olímpia, apresenta como principal conceito “comer, beber e tatuar”. O cardápio de drinques, totalmente inspirado no universo da tatuagem. Destaques para o Ink Mule (versão do Moscow Mule e com vodca infusionada no carvão, R$ 28), e o InkTiki (gim, suco de grapefruit, suco de limão taiti e Falernum, complementado com água tônica, R$ 28). O INK fica na Rua Dr. Andrade Pertence, 197 .

 

 

 

Tags:

Ficou com água na boca?