Paladar

Me segura senão eu grito: ‘rabo de galo é melhor do que negroni!’

Balcão do Giba

Drinques para fazer em casa

Me segura senão eu grito: ‘rabo de galo é melhor do que negroni!’

O drinque de cachaça, vermute e Cynar surgiu no botequim e hoje ganha os bares de coquetelaria. É o verdadeiro "cock tail" brasileiro

17 agosto 2018 | 15:59 por Gilberto Amendola

Eu curto caipirinha, mas nunca acertei uma decente. Tenho problemas com a quantidade de açúcar e a maceração.

No mais, acho que a cachaça merece circular com mais desenvoltura pela coquetelaria de um modo geral.

Hoje, tem um monte de bartender e mixologista bacana tratando do assunto – e usando a cachaça como protagonista de drinques e até de cartas autorais inteiras.

Queria trazer a cachaça para o Balcão do Giba a partir do rabo de galo (literalmente, “cock tail”). Essa maravilhosa tradição que a memória, às vezes, vai buscar em botecos suspeitos, nos tiozinhos de cara amarrada, nas balconistas que misturavam tudo no olho, nas bebidas de procedência suspeita (pra dizer o mínimo) e em notas de cinco reais amassadas no bolso de trás da calça jeans.

 

Claro, felizmente isso mudou. O rabo de galo vem ganhando o tratamento que merece. Os melhores bares de coquetel do Brasil já introduziram o drinque em suas cartas. Hoje, o rabo de galo é coisa fina, tem receitas variáveis e é uma bela porta de entrada pra quem quiser experimentar a cachaça em coquetéis.

Você encontra rabo de galo em diversas formas: feito com cachaça, vermute e Cynar (licor de alcachofra, super barato em qualquer supermercado); só com cachaça e vermute; só com cachaça e Cynar; com duas cachaças misturadas; com infusões na cachaça; com bitters de laranja e outros.

Aqui, usei a receita do rabo de galo que costumo tomar no bar Boca de Ouro e em casa: cachaça, vermute tinto e Cynar  – com o acréscimo de uma casquinha de limão taiti (que, não sei por qual motivo, chamei de “limão normal” no vídeo. Poxa, todo limão é normal!).

Tem dias que, se ninguém me segurar, eu saio gritando: “Rabo de galo é melhor que negroni!”

Olha…

Rabo de galo, o coquetel nacional. FOTO: Bruno Nogueirão/Estadão

Aqui uma das centenas de receitas do rabo de galo:
50 ml de cachaça
25 ml de vermute tinto
25 ml de Cynar
Casquinha de limão taiti (limão normal, rsrsrs)

Esse drinque é mexido. Não bata.

Quer ver os vídeos anteriores? Tem drinques como gim tônica, negroni, old fashioned, manhattan, dry martini e mais. Confira aqui!

Tags:

Ficou com água na boca?