Paladar

Balcão do Giba

Drinques para fazer em casa

Os coquetéis que marcaram 2021

Lista, que não se trata de um "melhores do ano", apresenta os drinques que o autor gostaria de beber outra vez

31 de dezembro de 2021 | 02h00 por Gilberto Amendola

Ainda vivemos um período pandêmico. É certo que fui em menos bares do que eu gostaria. Ainda assim, por conta do ofício (e da sede), consegui pensar em uma pequena retrospectiva daquilo que mais marcou minha experiência etílica em 2021. Não é uma lista de “melhores do ano”, mas aqui estão aqueles coquetéis que eu gostaria de beber outra vez.

 

Salty Martini
Naia Restaurante – Jean Ponce
Um martini macio e redondo. O encontro de dois clássicos em um só: Dry Martini e Martinez. Fãs do estilo precisam experimentar a coquetelaria do mar proposta por Jean Ponce no Naia.
Onde: Rua Doutor Melo Alves, 767, Cerqueira César.

 

FOTO: Gilberto Amendola

 

Gorlani e Cold Brilho
Locale Caffè – Márcio Silva
Sempre penso em coquetéis específicos para abrir e fechar a noite. O Gorlani é para se arrumar no balcão e afrouxar a gravata (chardonnay gaseificado, mel de cacau fresco e cítricos). Já o Cold Brilho (Rum envelhecido, cold brew, baunilha e cítrico) entrega a experiência de um café consumido nas ruas e estações de metrô, puro outono em Nova York.
Onde: R. Manuel Guedes, 349, Itaim Bibi.

 

FOTO: Gilberto Amendola

 

Sotaque
Vigga Bar –  Gui Ferrari
Aperol temperado com pimenta biquinho, pimentão tostado, coentro, louro, cachaça e uísque. Gui Ferrari conseguiu traduzir em sabores a babel de sotaques de uma cidade como São Paulo. Um dos grandes coquetéis de 2021.
Onde: Rua Bacaetava, 186, Brooklin.
Banana Daiquiri
Santana Bar –  Gabriel Santana
O Banana Daiquiri,  que leva rum Zacapa 23 (ou Havana Club), limão taiti, licor seco de banana e cachaça e xarope de banana com camomila, é um abraço para os fãs do Daiquiri. Você vai querer tomar mais um.
Onde: Rua Joaquim Antunes, 1026, Pinheiros.
Bastet
Espaço 13 – Stephanie Marinkovic
Na mitologia egípcia antiga, Bastet era uma deusa que representava a fertilidade. A releitura de Stephanie sobre o mito leva single malt, uísque escocês, caramelo salgado de goiaba e maracujá. Inesquecível.
Onde: Rua 13 de Maio, 798, Bela Vista.

 

FOTO: Bia Rifonas

 

Trufa Martini
Boato – Bianca Lima
Em uma das últimas visitas do ano, experimentei esse que já é um dos melhores martinis da próxima temporada. Fiquem com água na boca:  gim, vermute dry com mel trufado, luxardo, azeite trufado e apricot. Aplausos.
Onde: Rua Pedroso Alvarenga, 1.135, Itaim Bibi
Made in Jerez
Bar do Grand Hyatt Hotel – Gustavo Rômulo
Apaixonados por Jerez devem visitar o Hyatt com o objetivo de experimentar um dos meus preferidos da temporada, o Made in Jerez, com Jerez fino, licor de pera, solução salina e queijo. Belamente seco – para paladares treinados.
Onde: Av. das Nações Unidas, 1.3301, Itaim Bibi.

 

FOTO: Tales Hidequi

 

Komorita Milk Punch
Astor Oscar Freire – Alex Sepulcro, Fabio La Pietra e a equipe de bar
Eis o milk punch da temporada. Ele leva cachaça como base,  abacaxi, bitter de tonka e fava do cumaru.
Onde: Rua Oscar Freire, 163, Jardins.
Tree of Smoke  
Caledonia – Rodolfo Bob
Para quem gosta de encerrar a noite em alta (e não tem medo de punch alcoólico). Esse coquetel vai fazer sua cabeça com uma mistura de uísque, licor benedictine, fernet, xarope de açúcar demerara e spray de pastis). Seco e defumado.
Onde: Rua Vupabussu, 309, Pinheiros.
Rice Old Fashioned
Koya 88 – Thiago Pereira
Fãs de oldfashioned também irão aprovar essa versão. Ela combina bourbon, genmaicha (chá verde com arroz integral torrado), calda de laranja, Angostura aromática e de laranja.
Onde: Rua Jesuíno Pascoal, 21, Vila Buarque
Torino
Bottega 21 – Michel Felício
Na pegada clássica de um aperitivo italiano. Confortável e delicioso. Ele leva Bourbon, licor de flor de sabugueiro, amaro, vermute tinto e bitter de laranja.
Onde: Rua dos Pinheiros, 1.308, Pinheiros
Yuzu Martini
Tan Tan – Alex Mesquita
Martini com gim, sakê e yuzu. Delicado e com um leve “salgadinho”. Para os fãs de martinis (como eu), mas também para quem quer ser iniciado nesse mundo.
Onde: Rua Fradique Coutinho, 153, Pinheiros.
Velho Nogueira
Guilhotina – Spencer Amereno
Se você é um iniciado, um nerd no mundo da coquetelaria, eis aqui uma ótima sugestão. Vermutes e amaros fazem a minha alegria. Ele leva: Vermute tinto de nogueira, Martini Extra Dry, Ramazzotti Rosato, San Basile Peychaud’s, Angostura Bitters, Flor de mel comestível.
Onde: R. Costa Carvalho, 84, Pinheiros
Waffle Cocktail 
Carrasco – Spencer Amereno
No bar que fica escondido dentro do Guilhotina, essa variação de oldfashioned é a pedida imperdível. É como relaxar em um sofá de couro depois do expediente. Vai nele, amigo(a).
Onde: Rua Costa Carvalho, 84, Pinheiros
Velvet Almond
The Punch  – Ricardo Miyazaki
Com rum ouro, rum branco, jerez fino, licor de amêndoa e Japonese Umami Bitter. Uma ótima carta de intenções do Miyazaki e de seu bar. O mix de runs e o jerez seguram a onda do licor de amêndoa – e não deixam o coquetel cair na armadilha do “docinho”. Reconfortante, um alívio, uma delícia.
Onde: Rua Manuel da Nóbrega, 76, lj. 17, Paraíso

 

FOTO: Gilberto Amendola

 

Corn & Cane
Gran Bar Bernacca –  Fabio La Pietra e Thatta Kimura
Cachaça e Bourbon nasceram para encontros quentes. Ótima pedida para quem gosta de drinques mais encorpados. Ele leva: cachaça envelhecida, bourbon, vermute com cumaru e licor bizantino.
Onde: Rua Amauri, 244, Itaim Bibi.

Lovers Rock
Boca de Ouro – Renato Martins
A casa dos clássicos Macunaíma e Chaparral também trouxe essa criação do Renatão. O drinque vai rum, amaro, jerez e fernet). Coisa linda. Tudo a ver com o espírito do Boca. Pede para o Renato.
Rua Cônego Eugênio Leite, 1121 – Pinheiros.

Spiced Negroni
Lardo – Rafael Pires Domingues
O excesso de variações de negroni tinha me deixado insensível ao estilo. Mas essa versão com spiced rum, Porto Dry, Campari, Cynar e salmora de picles vale a visita no ótimo Lardo.
Onde: Rua Guiará, 376, Pompeia
Galo de Rabo
Pina Bar –  Alex Ferreira e Gabriel Szklo
Sou fã confesso de um Rabo de Galo. Essa variação run havana 7 anos na brincadeira. E faz toda a diferença.
Onde: Rua Brigadeiro Galvão, 177, Barra Funda
Martinália
Agustín Bar – Juglio Ortiz
Martinália tem a proposta de ser um coquetel seco e salgado como um dirty martini, utilizando insumos derivados da cana de açúcar como a cachaça branca e o vinho de cana –  com adição de salmoura de alcaparra. Meu tipo de coquetel.
Onde: Rua Carla 53, Itaim Bibi
El Psicopompo 
Rabo di Galo (Rosewood) – Ana Paula Ulrich
Aos 45 do segundo tempo de 2021, fui conhecer o Rabo di Galo, bar do hotel Rosewood. Sorte a minha. Mais um excelente trabalho da Ana Paula Ulrich. Ainda vou escrever sobre a casa, mas atenção na combinação de sabores do ótimo El Psicopompo. Ele leva bourbon, tequila reposada, cordial de cacau, licor de coco, Angostura Bitters.
Onde: Rua Itapeva, 435, Bela Vista

Tags:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?