Paladar

Viajar pelo mundo sem sair do bar do Grand Hyatt São Paulo

Balcão do Giba

Drinques para fazer em casa

Viajar pelo mundo sem sair do bar do Grand Hyatt São Paulo

Nova carta de drinques, batizada como "sabores cardeais", faz um convite para um passeio por diversos países e culturas

08 de outubro de 2021 | 12h01 por Gilberto Amendola

Olá, amigos! Todos na paz?

O Balcão de hoje vai ao Grand Hyatt São Paulo, um dos hotéis mais emblemáticos da cidade, um lugar em que a coquetelaria também está acontecendo (com qualidade).

O bar do Hyatt fica no próprio lobby do hotel, conectado ao restaurante e ao sushibar. Quem comanda as coqueteleiras por lá é o head bartender Gustavo Rômulo. Pela primeira vez, ele criou uma carta completamente autoral para o bar do hotel. ” A carta é um convite para o nosso cliente ir além dos clássicos e experimentar algo diferente. Também é a vontade de trazer essa coquetelaria de autor para o ambiente do hotel”, contou.

Gustavo Rômulo, head bartender do bar do Grand Hyatt. FOTO: Tales Hidequi
 

Alguns drinques da casa são preparados com uma cachaça feita especialmente para o hotel, uma parceria com uma cachaçaria Arbórea (com blends criados pelo próprio Rômulo e o cachacier Maurício Maia).

O menu chama-se “sabores cardeais” e trata-se de um convite para um passeio por diversos países e culturas – com suas características bem representadas em cada gole da experiência etílica que propõe.

No Hyatt, tive a oportunidade de passear por alguns pontos da carta. Minha primeira parada foi na região Sul.

Comecei pelo Amazon Punch (cachaça, taperebá, abacaxi, chá verde, absinto, mel de cacau, leite e formiga saúva). Trata-se do campeão de vendas do hotel, um coquetel clarificado, extremamente saboroso e leve. Ideal para abrir a noite. A presença de formigas (com gostinho de capim-limão) é um atrativo para hóspedes e turistas. Um dos ótimos drinques clarificados à disposição na cidade.

Amazon Punch. FOTO: Tales Hidequi
 
Em seguida, parti para o Leste, com o Lost in Japan (Sake, gin, luxardo e yuzu). A ideia do “perdido no japão” se traduz ao copo – o luxardo e o sake conversam de um jeito muito interessante. Eles são harmônicos no copo, mas não escondem suas diferenças, trazendo, no paladar,  uma sensação de Japão menos tradicional, mas aberto aos forasteiros.  Outro sucesso da carta nova. Recomendo para quem gosta de experiências mais ousadas.
FOTO: Tales Hidequi
 

No norte, encontrei os coquetéis mais secos – uma das minhas atuais paixões. Fui de Made in Jerez ( Jerez fino, licor de pera, solução salina e queijo) e Elixir ( Calvados, vermute seco, e Cointreau). Embora parte de uma mesma família, os dois têm características muito diferentes. O primeiro trás o frescor do jerez com um elemento salgado. Já o segundo, tem uma doçura (e uma potência alcoólica) mais acentuada.

Por último, fui ao Oeste com o Ada Cocktail (bourbon, amaro, Campari infusionado com baunilha e licor de flor de sabugueiro). Aqui, estamos no território da “saideira”. Trata-se de um coquetel da família dos negroni e do Boulevardier. Perfeito para terminar a noite.

Os coquetéis da carta autoral custam R$ 38 ou R$ 42.

O Grand Hyatt São Paulo fica na Av. das Nações Unidas, 13301 – Itaim Bibi.

Notícias do mundo da coquetelaria

BAR87
Steakhouse Varal87, localizada em Moema,  reinaugurou seu novo ambiente, o BAR87, que devido à pandemia teve a sua abertura adiada. ( Rua Graúna, 87 – Moema – São Paulo).
Kia Ora
O Kia Ora, bar inaugurado há 17 anos, está repaginado.  Agora, o bar  apresenta drinques exclusivos, 10 torneiras de chope e cardápio com criações do chef Alexandre Abreu.  O bar fica na Rua Dr. Eduardo de Souza Aranha, 377, Itaim Bibi.

Tags:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?